28 de Janeiro de 2011

Nem venham me dizer algo como “hoje é dia 30 sua boba!” porque… Eu sei disso.

É que na última sexta-feira tive um dia muito interessante e não tive tempo de falar sobre ele por aqui até agora, então resolvi comentar sobre o dia hoje!

Desde o começo do mês eu estava esperando por este dia, ia ter show do All Time Low e a Marcelly ia se mudar pro Canadá. Por causa do dedo quebrado, mamãe impediu que eu fosse ao show, depois de alguns dias deprê, me recuperei e me toquei de que Curitiba é TÃO legal que o ATL vai sentir a necessidade de voltar por aqui mais vezes! Então, meu dia se resumiria a ir ao aeroporto chorar litros me despedir da Lully. Mas nada é como eu planejo, certo?

Na quinta-feira minha mãe me diz que vamos ter que passar a tarde com meus primos na sexta, eu fiquei feliz, afinal teria algo para me distrair e não ficar pensando no show que perderia. Então ela me disse que levaríamos eles ao Palladdium. Para quem não sabe, Palladdium é um shopping que fica muito perto do Curitiba Master Hall, local do tal show. Mas eu pensei que tudo bem, não ia conseguir ver a fila de dentro do shopping, não ia me sentir tão mau.

E então eu acordei cedo, escrevi uma carta super #fail pra Lully, me arrumei e fomos pegar o ônibus para o aeroporto.

Como a casa está em reforma, meu pai tem que ficar aqui o dia inteiro e nós temos que fazer o que quisermos fora de casa, andando de ônibus.

Por sorte o ônibus do aeroporto passa perto da minha casa e para bem na frente do aeroporto. Demoramos 45 minutos para chegar lá, longe pra caramba, mas dou um desconto porque o aeroporto fica em outra cidade, né. Enfim.

Ao chegarmos lá nos deparamos com duas vans pretas paradas na porta e um MONTE de adolescentes neuróticos berrando loucamente, minha mãe olha para mim e pergunta que diabos é aquilo, eu fico olhando e vejo o Alex andando em direção à van, então eu olho pra minha mãe super feliz e digo “PORRA MÃE, É A VAN DO ALL TIME LOW, VAMOS LÁ!” mas ela não deixou eu ir, porque tinha gente histérica demais e talz, me contentei tendo visto eles de longe, fiquei super feliz, awn.

Entrei no aeroporto e encontrei a Marcelly com sua família, eu estava super desolada por pensar que a perderia por 5 meses. Coisas como “COM QUEM EU VOU CONVERSAR NA AULA?” etc e tal, mas eu olhei pro rosto dela e ela estava… feliz!

I'll miss you a lot.

Chorei quando a abracei pela última vez e ela disse “não fique triste, eu estou bem.”, minha mãe me fez passar super vergonha chorando desoladamente, sabe-se lá porque e ficamos ali naquele clima tenso olhando ela entrar na sala de espera, mas ela estava REALMENTE feliz. Andou pelo corredor saltitando e antes de partir virou e começou a pular e dar tchauzinhos pra gente e eu parei e pensei “porra Mayra, pare de ser egoísta e fique feliz por ela, okeis? Afinal, ela tá indo pro Canadá, fazer intercâmbio, super de boa enquanto vc vai ficar na mesma escola com as mesmas pessoas, fazendo as mesmas coisas. Relaxa.” e então eu simplesmente fiquei feliz por ela. E espero que ela esteja super bem lá e esteja sendo bem tratada etc e tal.

Ao saírmos do aeroporto, teríamos que ir direto para o Palladdium, mas como eu disse, o aeroporto fica em outra cidade e o Palladdium fica MUITO longe desse lugar. Tínhamos quase duas horas para chegar até lá, então estávamos tranquilas. Entramos no tubo de ônibus e fomos pegar o mesmo ônibus, para irmos até certo ponto, onde desceríamos, pegaríamos outro ônibus e chegaríamos ao shopping.

Ao entrarmos no tubo nos deparamos com basicamente todos aqueles adolescentes histéricos que estavam correndo atrás da van do ATL e tivemos que sentar perto deles e ir com eles até nosso destino. O detalhe é que eles não paravam de falar em como o show seria maravilhoso e como a banda foi antipática com eles ali, como os seguranças foram chatos e como o Alex tava lindo e então começaram a revezar as câmeras para mostrarem as fotos que haviam tirado e uma ligou o celular com as músicas deles e ficou metade do ônibus cantando e foi lindo, mas eu estava PUTA porque eu NÃO IA NA PORCARIA DO SHOW!

A sorte foi que a maioria dessas pessoas não estava indo para o Master Hall, estavam indo até o hotel em que a banda estaria para tentarem falar com eles novamente. Sério, tem fans que exageram, né. Deixem os caras descansarem porra. Fazer turnê deve ser absurdamente cansativo, aff. Enfim. Pensei que estaria livre deles e conseguiria chegar ao shopping sem maiores danos, mas 4 garotas estavam indo para o Master Hall.

Chegamos ao nosso destino, eu e mamãe descemos do ônibus. As quatro garotas também. Ao chegarmos ali, não sabíamos qual dos ônibus nos levaria ao shopping, então fomos perguntar ao cobrador e ele nos disse que deveríamos pegar o “Boqueirão/Centro Cívico”, parar no “Terminal do Hauer”, pegar o “Circular Sul” e parar no “Terminal do Portão”. Eu olhei pra minha mãe e pensei “PQP O que diabos estou fazendo nesse fim de mundo? Onde fica esse tal de Hauer que eu nunca ouvi falar? Por que a cidade não pode se resumir somente ao centro? E agora? E se a gente se perder? E se o motorista tiver falado errado?” Sério, eu fiquei muito aflita. Porque eu e minha mãe nunca temos sorte ao resolvermos desbravar a cidade de ônibus, sempre acabamos em lugares obscuros e errados, mas dessa vez precisávamos acertar, porque meus primos dependiam da gente. Então eu olhei pras 4 garotas e disse pra minha mãe “Nós vamos seguí-las. O Master Hall fica do lado do shopping, elas vão nos levar até lá.” Minha mãe odiou a ideia, porque ela é contra essa coisa de ouvir conversa alheia etc e tal, mas eu sou bem abusada mesmo e seguimos as meninas.

Quando chegamos no tal Terminal do Hauer não fazíamos a MENOR ideia de onde pegaríamos o outro ônibus e eu juro que se não fossem as meninas lá, eu teria pegado o sentido errado. Sim, somos destraídas ao máximo. O engraçado é que eu acho que era impossível as garotas não terem notado que a gente estava seguindo-as, porque minha mãe vivia olhando pra elas e falando em voz alta para mim “não se preocupe, estamos seguindo elas!” e tipow… APRENDA A SER DISCRETA PELAMORDEDEUS!

No fim das contas, o cobrador tinha nos ensinado certo, conseguimos chegar ao shopping. Faltavam 5 minutos para o filme começar e ainda tínhamos que comprar o ingresso. O detalhe é que minha mãe é gulosa e a gente não tinha almoçado ainda, então ela queria almoçar antes de ir ao cinema, só que não ia dar tempo. Compramos pipoca e fomos correndo pra sala. O filme já tinha começado. Sim, fui assistir filme repetido, Enrolados, de novo. Não é legal ver filmes “engraçados” duas vezes seguidas, você ainda se lembra de tudo, não tem graça. Foi um saco aquele cinema, mas meus primos amaram, então tava valendo.

Meu primo gostou tanto do filme que exigiu uma foto assim depois! Ele é um fofo!

Depois do filme passeamos com eles por lá um pouco e eu finalmente conheci o shopping, chegou a hora de ir embora e sabe qual era a grande ideia? “Vamos de ônibus!” eu olhei pra minha mãe com uma cara que dizia “Pelo amor de Deus, mais ônibus não.” e então meu primo ligou pra vó dele que foi nos buscar de carro, mas só até a casa dela. Deixamos eles na casa dela e tivemos que pegar mais um ônibus pra voltar para casa. Demorou mais uma hora para chegar até a praça Ruy Barbosa, que fica a uns 15 minutos daqui e quando chegamos lá minha mãe ainda queria pegar outro ônibus pra ir para casa. Olhei para ela com uma cara de brava e disse “Nós vamos a pé.” e em 15 minutos eu estava FINALMENTE na minha cama, depois de um dia super cansativo e diferente.

E o que eu comi além da pipoca? Um bombom sonho de valsa e tomei nescau.

Mas sabem qual foi a maior descoberta do dia? Se a gente tivesse em casa, era só pegar o ônibus que pegamos para tudo que ele nos levaria até o shopping em apenas meia hora.

Maldita ida ao aeroporto.

Espero que a Marcelly tenha gostado de eu ter ido, porque né.

Ah e o que eu fiz na hora do show? Fiquei ouvindo todas as músicas do ATL e me imaginando lá dentro. Depois me contentei, se eu tivesse ido teria MORRIDO de calor, porque aquele lugar é muito abafado e tava muito quente nesse dia. Ainda bem que fiquei em casa.

 

Comentários: