4 Os Dias de Cão Acabaram

O palco mundo é aquela coisa gigantesca e super decorada e iluminada, do jeitinho que a gente vê na televisão. Tem dois telões, um de cada lado, e uma tirolesa bem na frente! Eu queria muito ir na tirolesa, mas demandava três horas de fila e é claro que a minha preguiça mandou pular essa parte da aventura.

Escolhemos não ir para a muvuca porque teríamos que voltar ao palco Sunset para ver Offspring e porque nenhum de nós era fã o suficiente de alguma das bandas para querer estar extremamente próximo delas. Então ficamos um pouco afastados, no canto direito do palco, numa área bem periférica em cima da grama. Só que o destino estava ao nosso lado e eis que eu e Paloma, duas pessoas muito pequenininhas, conseguimos o espaço entre cabeças alheias PERFEITO para que enxergássemos o palco. Aquele lugar havia sido pré-destinado a ser nosso. Eu tinha certeza disso.

O show do Capital Inicial foi bastante chato, devo confessar. Eu nunca gostei da personalidade do Dinho Ouro Preto e respeitava-o porque achava que ele era uma espécie de ícone da música nacional e tal, só que eu descobri que só conhecia uma música dele e que o fato de os integrantes da banda serem ex-aborto elétrico não era suficiente para me fazer ficar em pé ao longo do show ou cantar. Por isso estendemos a canga e ficamos sentados na maior parte do show, enquanto esperávamos terminar para que Offspring começasse no outro palco. Aí eles resolveram tocar “Natasha” e essa todo mundo sabe. Então a gente levantou, dançou que nem malucas, voltamos ao normal e fomos para o Sunset quando o show estava no fim.

O maior erro do festival foi ter colocado Offspring no Sunset e 30 Seconds to Mars no Mundo. Ok, Jared Leto é lindo. Mas ele ia continuar sendo lindo (ou ia ser ainda mais lindo) no Sunset do que no Mundo. No palco mundo 30 Seconds to Mars proporcionaram ao público uma hora com seus maiores sucessos, com Jared completamente afetado se achando o Batman com uma capa de penas num calor horroroso e fazendo cosplay de Jesus Cristo com um cabelo muito bem tratado, mas que não favorecia seus olhos. Enquanto isso, Offspring moveu o que eu creio ter sido metade das pessoas daquele festival para a região do menor palco na hora do show. Eu nunca tinha estado no meio de uma muvuca tão grande, não dava para a gente se mexer e por um segundo eu pude experimentar a sensação de tirar o meu pé do chão e não encontrar o chão na hora de colocá-lo novamente. A pior parte, porém, era a de que por algum motivo bizarro, o áudio do show estava péssimo. Era possível ouvir todos os instrumentos, mas o vocal estava baixíssimo e a gente tinha que se concentrar horrores pra conseguir cantar a música ao mesmo tempo que a banda. Dado este terrível problema, a multidão começou a sair. A gente conseguiu voltar a respirar e conseguimos ouvir as últimas músicas. Então eles deram uma paradinha e a gente achou que tinha terminado e quando voltamos para nossa posição perfeita do Palco Mundo (que dava para ver os dois palcos) vimos que a banda havia voltado. Morri de frustração, mas já não dava para voltar e teríamos que aturar um pouquinho de Jared Leto.

Ou não.

No meio do show do 30 Seconds to Mars resolvemos ir ao banheiro/comer. Foi aí que comi um lanche no bob’s, a única lanchonete que tinha lá. Mentira, tinha uma que vendia espetinhos, a casa do pão de queijo, um lugar de batatas fritas, de pizza e mais algumas coisinhas, mas o bob’s fornecia um hamburguer e a fome apertou. Aventurei-me. Não foi o melhor hamburguer da vida, mas não estava péssimo, claro. Comemos e ficamos sentados na graminha esperando o chatíssimo show terminar e o tempo de intervalo entre ele e o próximo também. Quando estava perto da hora do show da Florence voltamos ao nosso lugar predestinado e ele ainda estava intacto à nossa espera!!!

Florence entrou, linda e maravilhosa e eu quase morri de êxtase ao vê-la entoando algumas das canções que embalam a minha vida a tanto tempo, bem ali, na minha frente, em um local que eu conseguia enxergar sem telão, sem muvuca, com os dois pés no chão, podendo gritar e rodopiar o quanto eu quisesse. E a Florence me deu vontade de ser tão feliz quanto ela. Me deu vontade de ser feliz. Porque ela emana felicidade. Além de ter uma voz sensacional e usar roupas lindas e ser hiperativa e conseguir manter a afinação mesmo correndo horrores, ela emana felicidade. E eu me senti completa. Ainda mais quando ela terminou o show dizendo que os dias de cão haviam terminado.

Depois da Florence faltava Muse, a banda que eu só conhecia a música do Crepúsculo, mas que quando começou a cantar eu descobri que conhecia várias outras e, embora minhas pernas já estivessem me matando e eu tenha passado grande parte do show sentada morrendo de dor enquanto via Paloma sair do próprio corpo de tanta felicidade, garanto que foi um show muito legal de ter estado presente. E garanto que as músicas que consegui ver em pé valera muito a pena!

Após o fim do show fomos procurar umas amigas da Kika e depois encontrar o Marcelinho (e encontramos ele de primeira, porque os poderes de metamorfomago estavam offline no momento) e fomos para o ônibus. A questão é que pra entrar cada um chega na hora que quer, mas pra sair todo mundo sai em um fluxo contínuo e eterno de gente pelo mesmo lugar. Uma multidão caminhando para o mesmo rumo, parecia uma passeata. Demoramos uma hora para chegar até o ponto do ônibus, mas pelo menos conseguimos um para a maioria ir sentado. Chegando no ponto em que desceríamos foi questão de minutos para que tio Marcelo viesse nos buscar e dentro de mais alguns minutos estávamos em casa.

E quando chegamos no quarto, Analu estava dormindo. Mas Milena ainda estava lá.

0 thoughts on “4 Os Dias de Cão Acabaram

  1. AHHAHA, mas Milena tava dormindo também, né? Gente, a gente amargou um recalque de noite, vendo o show pela TV e querendo estar lá. Isso porque, eu descobri, Rock in Rio é mágico. Eu fico com vontade encarar muvuca de show mesmo quando só conheço 2 músicas do cantor. E gracias, não passei por essa situação de não conseguir colocar o pé no chão, HAHAHAH! E sinto informar, mas encontrar o Marcelinho rapidamente não tem graça nenhuma. HAHAHA
    Beijo!

  2. Analu dormindo no meio da conversa é uma coisa muito diver hahaha Como uma criatura consegue dormir tanto no meio de tanta folia eu não sei, porque nem meus vizinhos devem ter conseguido dormir. Ainda bem que você foi gentil com a minha pessoa ao descrever o show do muse! <3

Comentários: