Agonia

Passei o dia morrendo de vontade de te abraçar. Eu já te disse alguma vez que queria ter como te guardar em um potinho perto da minha cama pra poder apertar toda vez que ficasse com vontade? Eu tenho essa vontade, tanto a de ter o potinho como a de te apertar. Várias e várias vezes.

Passei o dia pensando no que fazer para conseguir mostrar pra você o quanto gosto da sua pessoa e o quanto ela significa para mim e o quanto me importo com a sua existência e torço pela sua perpetuação e para que ela seja positiva de algum modo. Escrevi alguns textos que estavam entalados na minha garganta há algum tempo e não conseguiam sair nunca, mas não consegui escrever nada para você. Passei o dia inteiro tentando, comecei, recomecei e pensei que talvez eu não devesse me esforçar tanto, mas logo esse pensamento sumia e eu lembrava que deveria me esforçar sim, porque se não me esforçasse por alguém tão significativo eu seria oficialmente uma bocó. E eu não quero ser uma bocó, embora seja por várias vezes. Mas sabe, essa é uma das coisas que eu gosto em você: você me faz saber que estou sendo uma bocó e eu imediatamente fico arrependida e tento reparar os meus erros e talvez um dia eu consiga, juro que tenho me esforçado. E, olha, estou conseguindo escrever!

Passo muito tempo da minha vida pensando na sua. Não que eu não pense na minha também, mas quando canso de pensar em mim, penso imediatamente em você. Quando algum problema surge eu começo a pensar no que você faria naquela situação e eu nunca sei, porque outra das coisas geniais em você é que você tem essa habilidade maravilhosa de ser imprevisível e saber lidar com as coisas da maneira exata como elas devem ser lidadas. E quando eu gasto muito tempo tentando pensar no que você faria e não consigo, te pergunto. Porque me sinto apta a perguntar qualquer coisa pra você e a contar qualquer das minhas histórias malucas. Não que você seja um ser soberano e tenha resposta pra tudo, ou que ache minhas histórias malucas plenamente aceitáveis. É só que a sua existência e capacidade de compreensão fazem com que a minha existência tenha uma nova perspectiva e isso sempre me ajuda na minha tentativa inusitada de estar sempre tentando resolver os problemas da vida – que eu mesmo crio, sem nem precisar.

Eu gosto da perspectiva que você dá pra minha vida. Gosto de passar momentos conversando com você. Gosto do fato de que me sinto apta a conversar sobre o que eu quiser. Fico brava quando não recebo atenção, mas logo lembro que não somos o centro do universo um do outro e que é egoísta demais da minha parte querer fazer parecer que somos. Então eu desencano, eu falo com você só quando eu acho que tenho e fico torcendo para que você venha falar comigo quando acha que tem, porque acho chato sentir aptidão pra falar sobre as coisas e isso não ser recíproco. E quando você surge com questionamentos sobre a sua vida eu, mesmo me sentindo uma inútil por não fazer ideia de como ajudar, fico feliz porque de alguma forma talvez você ache que eu sirva para algo e eu queria servir para algo, porque você tem muita serventia pra mim.

Eu sempre sou muito solícita em fazer homenagens de aniversário e em pensar coisas exclusivas que tenham a ver com o meu relacionamento para com a pessoa em questão, mas eu não consegui fazer isso com você. E isso me frustrou. E eu chorei – e eu nunca tinha chorado por algo relacionado  a você. É que aniversários são os dias em que as pessoas são o centro do mundo, é assim que eu vejo eles, é assim que eu me sinto no meu aniversário. E eu me senti mal por perceber que não consigo escrever mil caracteres de coisas lindas e maravilhosas ao seu respeito. E não é porque eu não sinto coisas lindas e maravilhosas, eu só não sei falar sobre elas. Eu tenho um quê de vergonha de você as vezes e acabo fazendo tudo achando que estou desencadeando uma série de pensamentos de “que guria psicótica” – embora você tenha me dito que sou neurótica – e eu morro de medo de um dia você me achar completamente maluca e parar de falar comigo. Não é nada disso. Eu só me importo muito com você. Só quero te ver rodeado de coisas boas o suficiente para fazerem esquecer suas dores. Só quero que você atinja todos os seus objetivos de vida e que consiga se realizar em tudo que resolva se meter. Só quero que você saiba que não está sozinho no mundo e que sempre vai ter uma pessoa de cabelos coloridos querendo saber um pouquinho sobre você, para compartilhar algum momento, criar algo e ser um pouquinho mais feliz e realizada às suas custas. E não acho que isso seja egoísta. Ou talvez seja. Talvez você seja a maior alegria egoísta que eu tenho, aquela que pode ser de todo mundo, mas também vai ser um pouquinho minha e eu vou dar tanta importância e significação que vai parecer ser apenas minha, mesmo que não seja. E talvez seja por isso que não sinto ciúmes de você, mesmo sendo uma das pessoas mais ciumentas que conheço, porque o egoísta seria querer que alguém assim fosse meu.

Um dia você me disse que amor é saber que a pessoa vai estar do seu lado não importa o que aconteça. Eu não sei se você vai estar ao meu lado não importa o que aconteça, muitas vezes eu acho que não, que provavelmente eu serei apenas um borrão na sua memória, mas ainda assim, eu amo você. Porque eu não pretendo te transformar em apenas um borrão.

Feliz 23 anos.

 

Comentários: