Já morei em 4 cidades e a minha preferida entre elas sempre foi Curitiba. Não que eu goste do povo daqui, do sotaque ou de quem fala “vina” ao invés de “salsicha”. Não. Sempre gostei dessa cidade por causa de uma pequenina coisa de quatro letras: F-R-I-O.

O negócio é que eu tenho problema das articulações e todas as pessoas normais que têm isso morrem de dor no frio, comigo é ao contrário. Faz calor tudo incha e eu morro pra andar e me movimentar.

Nada melhor do que colocar quatro blusas pra ir pra escola, possuir meias HORRENDAS mas grossas e ultra-mega-quentes, nada melhor do que ter 60% do guarda-roupa reservado para artifícios invernescos e ter as mesmas roupas de verão desde que se entende por gente simplesmente porque não as usa com muita frequência. Nada melhor do que o céu cinzento com 15° marcados no termômetro, aquela chuvinha gelada que te obriga a ver filmes seguidamente embaixo de quilos de cobertas. Nada melhor. Mesmo.

Daí chega o verão e com ele o maldito aquecimento global se manifesta. 30° todo dia. Não tem praia. Não tem piscina na maioria das casas, as dos prédios são térmicas em suma maioria e os clubes são SUPER lotados. Sei que aqui deveria ser clima sub-tropical, o que significa sem verões rigorosos, mas não. Não. Curitiba tinha que se mostrar apta a ter quatro estações num dia, a fazer 11° em Janeiro e no outro dia estar com 30° again. Tem que mostrar sua versatilidade. Sempre.

Enquanto isso, o que acontece comigo? Simples. Eu morro. A cada dia um pouco mais. Derreto. Saio do banho suada. Ingiro LITROS de sorvete em vão. Não consigo usar tênis, minhas sandálias não cabem porque meus pés estão muito inchados. Uso havaianas o dia inteiro. Tenho que sair de shorts por aí e Deus sabe como eu abomino usar shorts porque é feio, esturricado e não confortável. Tenho que usar regatas, outra coisa que abomino. Cortei 30cm de cabelo quase porque meu pescoço estava sendo transformado em um poço de suor, ENFIM. Deixo de viver para subviver enquanto tento respirar, mesmo em meio à pouquíssima umidade.

Não. Aguento. Mais.

Por favor, humanos, cuidem do seu planeta poxa vida. Caso contrário vamos ter que nos acostumar a viver em temperaturas muito extremas. Como os -69° que já atingiram a Sibéria e os mais de 50° que devem estar atingindo a África. Equílibrio é bom e eu gosto. Gosto MUITO.

E você, São Pedro, se você existir, trate de consertar isso aí porque se você existe você consegue.

Que Curitiba volte a ser Curitiba e Salvador volte a ser Salvador. Please.

0 thoughts on “Aquele momento em que Curitiba está mais quente que Salvador.

  1. May lindinha <3

    Eu ADORO calor, mesmo, e em SP não temos muito disso, principalmente em janeiro, que se resume a chuva, então sai um solzinho e eu fico toda feliz 😉

    beijos

Comentários: