BEDA #8 Diga-me o que assistes e te direi quem és

Clima de férias ainda instalado em minha pessoa e relembrando um post que vi há algum tempo sobre as séries que estão sendo acompanhadas no momento, vim dar o meu testemunho de que continuo firme, forte e tenho conseguido fazer outras coisas sem ver seriados e só assisti 3 eps na última semana! Mas, com as aulas voltando assumo que voltarei à maravilhosa rotina adquirida no ensino médio de passar o domingo inteiro vendo seriados. Enfim, vamos ao que ando vendo:

Fringe

Típico seriado que nunca me chamou atenção, até eu começar a assistir e me apaixonar por Walter Bishop. Fringe conta a história de uma sessão do FBI especializada em casos que fogem do normal, mas não no sentido espiritualista e sim no científico. Para resolver os casos que FBI não dá conta, resgataram Bishop um velhinho (muito muito fofo e engraçado) que estava preso há séculos em um sanatório, tem problemas de memória e é genial. Você vai ver histórias malucas, universos paralelos, outras dimensões e realidades, seres estranhos, o poder da química e aprender que de fato todo limite existe para ser testado. Ainda estou no começo da terceira temporada, mas é genial.

True Blood

A season finale da série de vampiros mais legal já inventada está incrivelmente melhor do que a quinta temporada. Eu odiei a quinta temporada. Mas isso não significa que a atual esteja grandes coisas. É claro que cada episódio continua dando vontade de ver o próximo, mas chegou num ponto que meio que todo mundo sabe o que está prestes a acontecer e, sinceramente, se eles me surpreenderem ficarei grata. Porém, para quem nunca viu, eu super recomendo. Principalmente pela maravilhosa objetificação ao corpo masculino. True Blood é uma série necessária.

Ru Paul’s Drag Race

Descobri essa durante o mês final do semestre passado na faculdade e não há nada mais tranquilizador do que assistir as drag queens mais divertidas da história competindo para ser a próxima drag super star. Os desafios são sensacionais, as drags são incríveis e é impossível não rir ou não aprender algo novo depois de uma maratona desse reality incrível. Com várias temporadas no netflix, a facilidade de ver um episódio atrás do outro é gigante e quando você vê, lá foi um dia inteiro. Só não é o melhor reality da vida porque Keeping up with Kardashians existe, mas tá quase lá.

Breaking Bad

Outra pérola do netflix, a série foi finalizada no começo desse ano. Conta a história de Walter White, um professor de química que se descobre com câncer terminal, sem dinheiro para o tratamento,  mas com talentos químicos para fazer a melhor metanfetamina do pedaço. Ainda estou no começo, mas é muito interessante.

Doctor Who

Com a oitava temporada prestes a começar, com um novo Doctor e novas aventuras, eu finalmente me vi obrigada a terminar a sétima. Ainda não embarquei na aventura de acompanhar a série desde seus primórdios (1963), mas a tomada nova é interessante o suficiente para manter qualquer pessoa vidrada. Doctor é o último timelord existente, ele tem dois corações, poder de regeneração e uma caixa de telefone de polícia azul móvel, que na verdade é uma incrível máquina que viaja através do espaço e do tempo. Com uma densidade de personagens incrível e aliens maravilhosos, o seriado é um dos mais legais que já assisti e merece ser visto por todos, e tem episódios suficientes para dois anos vendo literalmente sem parar, ou seja, adeus tédio.

Orange Is the New Black

A segunda temporada da série de presidiárias que retrata como nenhuma outra as representações femininas atuais teve sua segunda temporada lançada no início de Junho pela netflix. Como é uma produção netflix, todos os episódios são lançados no mesmo dia e a vontade é de assistir um atrás do outro até acabar. A temporada foi incrível e faz com que todos que assistem, ao terminar, queiram imediatamente ver a próxima. Espero que o ano que vem chegue logo para isso! A série conta a história da Piper, jovem branca, cis, classe média alta, presa após ser delatada por uma ex namorada como cúmplice em tráfico internacional de drogas. Só que Piper deixa de ser o foco, tornando a série uma rica exploração sobre comportamentos. É sensacional.

Game of Thrones

A última temporada lançada de GoT, com cenas de estupro desagradáveis que geraram uma falta de cenas de sexo em geral (o que, a meu ver, sempre foi o chamativo principal de público para a série), foi mais decepcionante que as anteriores. Por mais que a história tenha se desenvolvido, fiquei com a sensação de que não se desenvolveu o suficiente. Faltou a sensação de surpresa e aventura que as temporadas anteriores haviam causado e continuei assistindo apenas por causa da khaleesi. Espero que na próxima volte ao normal. A série conta, basicamente, a história de vários reinos que brigam para ver quem terá o comando do Trono de Ferro, que dá o poder de comandar todos os reinos. Os efeitos são muito bons e os episódios costumam ser incrivelmente surpreendentes.

Bom, essas foram as minhas companhias de férias, mas claro que continuo tendo Gilmore Girls e Skins como companhias de vida, que volta e meia dão vontade de retornar ao meu mundo e o fazem com eficácia. Se tiver alguma série bacana pra me indicar, sinta-se à vontade!

One thought on “BEDA #8 Diga-me o que assistes e te direi quem és

Comentários: