Brasília

Aquela cidade exótica.

Brasília do asfalto muito mais largo que a calçada. Das asas, quadras e blocos.

Brasília das cidades satélite, do plano piloto, do eixinho e do eixão.

Brasília da arquitetura Niemeyerizada, das ondulações, significados e cores pálidas.

A cidade do ar seco, daquele cheiro específico, onde “logo ali” é a 10km de distância. Em que não há um centro com uma grande rua comercial, e sim vários centros, com várias ruas.

O lugar em formato de avião, cheio de tesouras na rua e onde a faixa de pedestre é realmente respeitada.

A cidade repleta de feiras, shoppings e pontos turísticos diversificados.

Do Cruzeiro, Ceilândia, Tagatinga, Guarás e muito mais.

Do Parque da Cidade, do Cantão, do lago e das pontes maravilhosas.

Das árvores sob os blocos, que em maioria são pequenos e sequer possuem elevador ou garagem. O lugar em que o porteiro fica numa guarita, no meio do bloco, longe de sua entrada. Em que além das portas de madeira na entrada das casas há portas de grade em várias.

Brasília em que tudo fica longe e não dá para ir a pé. Em que as comidas são deliciosas e advindas de todas as regiões do país e do mundo.

Brasília dos Candangos, dos brasilienses, dos sem identidade e dos com várias identidades. Do sotaque misturado em que “pórta” prevalece ao meu bom e velho “porrrrta”.

Das casas legais, de grande parte da família, onde papai e mamãe se conheceram, onde cresceu Renato Russo, Cassia Eller, nasceu Móveis Coloniais de Acaju, Raimundos e vários outros notáveis. Brasília a cidade do hospital em que nasci, da Igreja em que fui batizada, da minha primeira casa (que tinha até banheira!), a minha cidade. Aquela que eu amei e odiei passar as férias em, a da casa dos meus sonhos, das lembranças nunca vividas e dos desejos jamais realizados.

Brasília a cidade que pra mim sempre esteve lá, ao mesmo tempo em que nunca esteve. Que sempre foi uma certeza e uma incógnita. Que sempre fez com que eu me sentisse estrangeira no lugar em que nasci. Ai ai… Brasília. Que saudades que ando sentindo de você!

brasolia

0 thoughts on “Brasília

  1. May, não sabia que você era de Brasília, a desambientada! E que linda a declaração que você fez pra sua cidade… acho que eu não conseguiria escrever tão bonito sobre a minha. Nunca fui pra lá, mas tenho muita curiosidade…(e a Cássia Eller é de lá? Jura? Gente, eu não sei de nada! rs)

  2. Preciso dizer que não tenho lá muita vontade de conhecer Brasília. Ás vezes me bate uma sensação de dever, de que preciso conhecê-la, pois é a capital do meu país. Mas esse seu texto meio que quebrou uma sensação de gelo que tenho sempre que penso na cidade. Seu amor por ela é contagioso 🙂

    Beijo, moça.

  3. Que lindo, May.

    Sempre considerei o Rio a minha casa. E sentia essa saudade quando morei fora daqui. É sempre estranho voltar, mas com o tempo volta aquela sensação de “lar”.

    Beijos.

  4. Mentira que você nasceu em Brasília e eu aqui sem saber!
    Fiquei intrigada, porque esse é um sentimento desconhecido pra mim. Um pertencer sem pertencer…
    Pra mim você tem carinha de Paraná, carinha de quem fala “vina” e chama estojo de um nome muito estranho que eu esqueci.
    Tá muito cabocla postadora, assim que eu gosto!
    Beijo! <3

    EU VOLTEI!

Comentários: