Cinema em 2016

          Não sei vocês, mas eu adoro acompanhar as estreias cinematográficas. Nada mais legal do que assistir a um filme no cinema, enquanto se come uma boa pipoca amanteigada. Infelizmente, devido ao aumento dos custos, esse pequeno prazer da vida cotidiana está cada vez mais raro (pelo menos para mim) e me pego a esperar para que outras duas coisas aconteçam, sendo elas: 1. Os filmes estrearem no Netflix ou 2. Eu encontrar um torrent confiável para fazer o download. No fim das contas, é fato que não tenho andado tão antenada nas estreias quanto gostaria.

          Para resolver este problema, portanto, fiz um calendário com todas as estreias cinematográficas do ano e destaquei aquelas que eu quero muito assistir! Vou deixar um dinheiro mensal reservado para isso, assim se eu encontrar companhias para ver os ditos filmes, poderei realizar o prazer do cinema. É claro que se alguém aí mora em Curitiba, se interessa por algum dos filmes destacado e não tem companhia, pode me convidar que farei o possível para ir! Afinal, conhecer novas pessoas é sempre legal!

          Por hora, vou explicar um pouco do porque os filmes destacados me interessam!

cinema 2016

  • Os oito odiados

         Tarantino é um dos meus diretores de cinema preferidos e sempre me surpreende quando resolve fazer um novo lançamento. De Pulp Fiction (1994) para cá, a única coisa que não mudou foi a quantidade de sangue utilizada na produção dos filmes. O diretor continua a surpreender e, baseando-me no seu último filme, Django Livre (2012), que, inclusive, lhe rendeu o Oscar de melhor roteiro, não tenho razões para achar que me decepcionarei com o novo lançamento. Assim sendo, antes mesmo de ver o trailer ou saber da história, já quis assistir o filme. Posteriormente, soube de algumas especulações de fãs informando que talvez ele seja parte de uma “trilogia”, que seria composta por Bastardos Inglórios (2009) e Django Livre (2012), sendo o terceiro filme. Há boatos de que o próprio Tarantino confirmou isso. Eu, por outro lado, tenho minhas dúvidas, mas não vejo a hora de assistir o novo filme e re-assistir os dois que o antecederam, a fim de estabelecer conexões. Veja o trailer aqui.

  • A Garota Dinamarquesa

         Eddie Redmayne conquistou meu coração já como Marius, em Os Miseráveis (2012). Após sua brilhante atuação em A Teoria de Tudo (2014), onde interpretou Stephen Halwking com genialidade o suficiente para ser digno de um Oscar de melhor ator, ele me ganhou de vez. Eis que, em meados de 2015, tenho acesso ao trailer deste filme, em que ele interpreta um rapaz que, ao posar para sua esposa que é pintora fantasiado de mulher, descobre-se transgênero e me encanto tanto, que passo a ficar ansiosa pela estreia do filme. Apesar de já ter tido acesso ao torrent do mesmo, ainda não tive tempo de ver. Porém, pelo trailer, a história e a capacidade de Redmayne, tenho a mais absoluta certeza de que é um filme maravilhoso e espero poder vê-lo e revê-lo muitas vezes na vida. Veja o trailer aqui.

  • O escaravelho do diabo

         O filme é baseado em um livro nacional homônimo, escrito em 1972 por Lúcia Machado de Almeida e pertencente à famosa série infanto-juvenil Vagalume. Pessoas ruivas legítimas começam a aparecer mortas e há indicações que o incidente esteja relacionado com a existência de escaravelhos (besouros pretos). O irmão de uma das vítimas, junto com um inspetor local, começam a investigar os assassinatos. A história mistura suspense com romance e com certeza embalou a vida de milhares de brasileiros, sendo muito legal que vá para os cinemas! Infelizmente, não encontrei o trailer da versão cinematográfica, mas se seguir um pouco da história do livro, já será uma boa adaptação.

  • Mogli: O menino Lobo

         Mogli sempre foi uma das histórias mais encantadoras que ouvi, juntamente com Tarzan. A ideia de um menino perdido na floresta, que ainda assim sobrevive, pois desperta nos animais próximos uma espécie de “instinto salvador”, muito me encanta. Já era satisfeita com a versão em desenho animado, porém a nova versão, em live action (ou seja, com atores) está encantadoramente linda. O trabalho de fotografia e arte do filme parecem sensacionais e, de pronto, já faz valer apena. Veja o cartaz do filme aqui e o trailer aqui.

  • X-Men: Apocalipse

         Acompanho a saga X-Men desde pequena. Tive contato primeiramente com os desenhos animados X-Men: Evolution e, posteriormente, com a adaptação cinematográfica dos quadrinhos. A trilogia principal [X-Men: O filme (2000), X-Men 2 (2003) e X-Men: O Confronto final (2006)] foi acompanhada com muita atenção por minha parte. Os filmes subsequentes, nem tanto. Com exceção de X-Men Origens: Wolverine (2009) e X-Men: Primeira Classe (2011), não vi nada relacionado a série. No entanto, dias atrás enquanto mudava de canal me deparei com X-Men: Dias de um futuro esquecido (2014) já da metade para o final passando na televisão e achei interessante. Confesso que não me atraio muito por filmes de super-heróis, mas algo acontece nessa saga que me torna interessada. Culpo as personagens femininas fortes, afinal, é impossível não se apaixonar pela Tempestade, Vampira, Jean Grey, Lince Negra e Mística. Eu juro que tento! As atrizes escolhidas para os papéis são sempre muito condizentes e as personagens são muito poderosas e importantes para a narrativa, tornando tudo mais eletrizante. Bom, fui levada a assistir o trailer do filme novo e me pareceu interessante. Espero conseguir assistir. Veja o trailer aqui.

  • Alice Através do Espelho

         Duas coisas fazem meu coração bater forte por este filme. A primeira é que sou apaixonada pela história da Alice. Já li os dois livros que a contam e sei os filmes que a retratam quase de cor. Acho ótima essa ideia de que todo mundo é maluco – e que isso é normal, vivo me encantando pelo cheeshire cat e acho que Johnny Depp deu um toque ainda mais especial para a última versão do filme, com seu chapeleiro que além de maluco e sensacional, é solitário, incisivo e apaixonante. Esta, inclusive, é a segunda coisa que me atrai. O filme de 2010, dirigido pelo Tim Burton e estrelado pelo Johnny Depp, Mia Wasikowska, Helena Bonham Carter e Anne Hathaway me encantou fortemente. Ele é bastante diferente da versão em desenho animado (que tenta misturar a história dos dois livros) e tem uma fotografia e trilha sonora extremamente bonitas. Foi o filme mais legal que vi em 3D na vida, porque o efeito realmente funcionou. Eu conseguia ver o Gato quase que lambendo a minha cara e a Lagarta era quase que parte de mim, a experiência se tornou ainda mais real, como se eu fosse parte do filme e vice-e-versa. O trailer da continuação me deixou atordoada assim que vi, quando vi os cartazes e a data de estreia marcada, mal pude acreditar. Estou realmente ansiosa por essa estreia e espero que seja tão bonita e bem trabalhada quanto a última versão. Veja o trailer aqui.

  • Invocação do Mal 2

         Eu adoro filmes de terror, mas Invocação do Mal (2013) foi o que mais me deixou apavorada. Na maior parte das vezes, gosto destes filmes para analisar a reação que os personagens têm perante acontecimentos sobrenaturais, pois na maior parte das vezes são reações não críveis. Assim sendo, ao invés de me sentir aterrorizada, tendo a achar os filmes engraçados e, no máximo, instigantes. Algumas vezes, como é o caso de O Chamado (2002), fico inclusive com pena da protagonista da história. Mas Invocação do Mal foi traumático a ponto de eu não me lembrar da história – exceto que tinha relação com uma boneca. E eu realmente quero ver a continuação, porque a adrenalina que senti ao assistir o primeiro filme precisa ser rememorada. Foi demais. Veja o trailer aqui.

  • Procurando Dory

         Acredito que todas as crianças que assistiram a Procurando Nemo (2004) no cinema gostaram mais da Dory e do Bruce do que de todos os outros personagens. Eu, inclusive, sou partidária do Bruce ter seu próprio filme – o que me lembra daquele outro filme, O Espanta tubarões (2004), que também é bem engraçado. A perspectiva para o Procurando Dory é que seja uma continuação que faça jus ao seu predecessor. Continuar um filme com um espaço superior a uma década é um risco muito grande, dessa forma, a aposta para que o filme compense é grande. Esperamos não nos decepcionar e nos divertir, em memória a pessoa que éramos lá em 2004. Veja o trailer aqui.

  • Star Trek: Sem Fronteiras

         A morte de Leonard Nimoy abalou os nossos corações em 2015 e nos fez lembrar da cena fantástica do último filme da saga que o tornou famoso. Star Trek: Além da Escuridão (2013) marcou a última aparição do ator no cinema, quando Spock do futuro entra em contato com Spock do passado. É uma cena nostálgica e eletrizante para todos os fãs da saga, mesmo os que não acompanharam seu florescer. Em 2016 a jornada completa 50 anos de existência e a estreia de um novo filme serve para remarcar bem o espaço que ocupa na cultura pop mundial. Após diversos filmes, seriados, livros, quadrinhos, áudios, fanfics e fanmovies, o diretor J.J Abrams foi recrutado pela Paramount para fazer um reboot na história original, “refazendo” a primeira trilogia. Em 2009 foi ao ar o primeiro filme do reinício da série e Star Trek: Sem Fronteiras marca o fim dessa nova trilogia, que até agora, fez jus ao nome que carrega. Veja o trailer aqui.

  • A Lenda de Tarzan

         Já expliquei quando falava de Mogli, o quanto histórias sobre pessoas perdidas na floresta e que mesmo assim sobrevivem me encantam. Isso é tão verdade que minha história preferida é (e pelo jeito sempre será) Into the Wild (que virou filme em 2007). Com Tarzan a coisa é ainda mais séria, pois é o primeiro filme que me lembro de ter assistido no cinema, lá em 1999. Não foi a primeira vez que fui ao cinema, mas é a primeira da qual tenho lembrança, por isso, é memorável. Lembro que fiquei com bastante medo do gorila malvado e torci muito para que Tarzan fosse bem sucedido. Agora, que conheço um pouco sobre antropologia, acredito que a parte da Jane e do pai dela sejam bastante prejudiciais à história e toda vez que assisto fico com pena do Tarzan, pois ninguém merece sentir tanto desconforto e deslocamento quanto o que a Jane o provoca. Sério, aquilo ali não é amor. Porém, ainda acho a trilha sonora linda e a história fofinha – é só não racionalizar sobre. Ter a oportunidade de ver tudo isso em uma super-produção live action onde a fotografia é maravilhosa (já perceberam que adoro a fotografia dos filmes, né?) me parece imperdível. Veja o trailer aqui.

  • Esquadrão Suicida

         Como disse, não gosto muito de filmes de super heroi. Porém, a trilogia de Batman que começa com Batman: Begins (2005) foi uma que acompanhei. Fã do Heath Ledger como fui a vida inteira, por causa de 10 Coisas que odeio em você (1999), entrei em êxtase ao ver sua brilhante atuação como Coringa em Batman: O cavaleiro das trevas (2008). Não me conformo com a morte de Ledger até hoje. Jared Leto, por sua vez, faz parte do meu universo cinematográfico desde que assisti a Clube da Luta (1999) pela primeira vez. Posteriormente, o conheci como cantor da banda 30 Seconds to Mars (uma das minhas preferidas em 2009) e me emocionei com sua atuação em Mr. Nobody (2009), que é um filme maluco, mas muito tocante. O ator foi tendo cada vez mais espaço na mídia, garantiu seu Oscar e continuou cumprindo muito bem a função de ser lindo. Mas quando anunciou que interpretaria o Coringa, gerou opiniões bastante controversas. Alguns acreditam que ele não é bom o suficiente para o personagem, outros ficaram com medo de ele realmente enlouquecer com o contato com o personagem (como afirmam ter ocorrido com Ledger) e outros, como eu, ficaram simplesmente curiosos para ver qual o resultado disso. Duvido muito que ele vai nos decepcionar e pretendo pagar para ver, literalmente. Veja o trailer aqui.

  • Doutor Estranho

         Ainda não tem trailer oficial, mas tem um realizado por um fã. Nunca havia ouvido falar sobre o filme ou a história, mas pelas notícias que venho acompanhado e por ser estrelado pelo Benedict Cumberbatch, que é genial, parece ser um filme interessante. O nome também me atrai, mas por não conhecer exatamente a história, não sei o que dizer. Enfim, é mais um filme de super-herois que parece interessante para alguém que não gosta muito desse tipo de história.Veja o trailer fan-made aqui.

  • Animais Fantásticos e onde Habitam

O título do filme é homônimo a um dos livros didáticos utilizados pela Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, pertencente ao universo ficcional de Harry Potter. Cinco anos após o lançamento do último filme da saga, os fãs terão a oportunidade de reviver um pouco da magia do universo criado por J.K. Rowling. O filme se passa tanto no Reino Unido quanto em Nova York e é estrelado pelo já citado – e incrível – Eddie Redmayne. Podemos esperar muitos efeitos especiais e nostalgia, advinda de um dos universos ficcionais que mais deixou saudade. O livro na qual o filme se baseia também está disponível nas livrarias do Brasil. Veja o trailer aqui.

  • Star Wars: Rogue One

Parte do novo universo expandido de Star Wars, Rogue One prevê ser a história de um grupo de combatentes da resistência que luta para roubar planos da Estrela da Morte. O filme faz parte de uma série de spin-offs da saga principal, que será produzida pela Disney. Ou seja, a história não é a continuação do Force Awakens (2015), mas, como pertence ao mesmo universo, seus eventos influem no restante. Ainda não há trailer disponível do filme, mas a previsão é de que seja tão surpreendente quanto o último da saga.

  • Minha mãe é uma peça 2

O primeiro filme da série é de 2013 e conta a história de dona Hermínia, mãe de dois filhos jovens e que não sabe exatamente como lidar com ele. O filme é estrelado pelo ator Paulo Gustavo, que o escreveu baseando-se em histórias de sua própria mãe. Dentre as comédias ofertadas pelo cinema brasileiro, é uma das que vale apena. Engraçado, leve e empolgante ao mesmo tempo, te faz sair do cinema amando a sua mãe mais do que antes – ou então achando-a tão engraçada quanto dona Hermínia. Imagino que na continuação da história, ela continue sendo uma peça e eu possa continuar a rir. O filme ainda não tem trailer oficial disponível.

  • Quem é você, Alasca?

Quem é Você, Alasca? é o primeiro livro publicado pelo autor John Green, em 2005. Outras obras do autor foram adaptadas recentemente para os cinemas, sendo elas A culpa é das estrelas (2014) e Cidades de Papel (2015). A história em questão gira em torno de Alasca, uma menina efusiva, inteligente e interessante que se tornou objeto de paixão do jovem Miles Halter – introspectivo e enviado pelos pais para uma escola mais rígida. O livro é um dos meus preferidos do autor, perdendo apenas para o Teorema Katherine, que ainda não tem adaptação cinematográfica prevista. Baseando-me nas outras adaptações de livros, imagino que não me decepcionarei com esta, visto que a adaptação de Cidades de Papel (2015) muito me agradou. O filme, que ainda não tem data oficial para lançamento, tão pouco tem um trailer. Há apenas hipóteses e expectativas, mas por hora, elas são suficientes.

[Os links deste trecho vão te redirecionar para vídeos em que comento sobre cada um dos livros do autor]

  • O orfanato da Srta. Peregrine para crianças peculiares

Mais um filme dirigido por Tim Burton, este narra a história do livro homônimo, escrito por Ransom Riggs e que conta a história de Asa Butterfield, garoto que fica preso em uma ilha habitada por crianças sobrenaturais e criaturas macabras. A senhorita Peregrine é quem toma conta destas crianças. O filme ainda não tem um trailer oficial, mas tem um teaser, que pode ser visto aqui. Não li o livro homônimo, mas achei a história interessante e fiquei interessada pela leitura do mesmo. Como confio em Burton para a produção de histórias macabras, duvido muito que me arrependerei desta escolha.

Comentários: