Emi

Era uma nova escola e isso era normal, porque novas escolas eram parte da rotina. Era começo do ano e tinha um trabalho em dupla, sobrei e ela me chamou para fazer com ela. Passou o trabalho inteiro cantando uma música de um tal de “bolinho de arroz” que a amiga dela que tinha faltado aula sempre cantava. Mal sabia eu que tinha encontrado as amigas da minha vida.

Em Abril fui convidada para a festa de aniversário, na casa dela. Treze anos, o que para nós parecia o máximo. Comemoramos na cama elástica, comemos strogonoff e docinhos bons e tiramos várias fotos no escorregador, depois de ter cansado do balanço e de brincar de gato mia ou qualquer coisa do tipo.

Aí veio o aniversário de 14, com o nosso cd surpresa. Era uma mixtape com as músicas do momento e entre elas várias falas de cada uma de nós, que para gravar fizemos um sacrifício para fugir dela na hora do recreio. A festa foi parecida com a anterior, mas sem cama elástica. A foto no escorregador já era tradicional.

Quando ela fez 15 anos fomos à casa dela de novo, dessa vez havia um mini globo de luzes para a gente fazer uma “balada” e as comidas continuavam boas. Nos divertimos horrores e meses depois teve outra comemoração, maior, para a família dela. Eu era das poucas não japonesas.

Os dos 16 e 17 eu não lembro, mas nos dezoito fomos comer batata suíça e jogar sinuca, dessa vez já com amigos universitários no meio! Nos 19 a convenci de irmos a um pub, porque não podia passar em branco. E hoje é o dia dos 20.

Não sei ao certo quando foi que inventamos de ser irmãs gêmeas, mas ainda bem que fizemos isso. Com o tempo fomos nos distanciando, mas ainda somos as parceiras de carona, de baladas, de cinemas e a quantidade de aventuras que passamos juntas é impossível de ser relembrada em um texto qualquer. Tenho várias cartas do meu aniversário que contam essas histórias.

Sabe de uma coisa? Eu ainda tenho a pasta com todos os seus desenhos. Ainda espero que você fique famosa, desenhe minha casa de graça e que eu te pague depois, com o sucesso da minha exposição dos desenhos de início de carreira.

Você é aquela pessoa que tem uma mão fofinha, que dança de olhos fechados como se estivesse levitando, que não tem preguiça de embarcar nas minhas loucuras, que se preocupa e que se esforça pra estar sempre por perto e vivendo bons momentos.

Este é o oitavo aniversário que vou passar com você e espero que seja tão sensacional quanto todos os outros.

Daisuki/Ich liebe ditch/luv u/me tumse pyaar karti hoon/je t’aime
(acho que você entende em todas as línguas)

2013-08-08 19.22.14

E pra terminar… OI, TUDO BEM?

One thought on “Emi

  1. Que inveja de quem passou oito aniversários com você! Minha amiga mais antiga se mudou pra Manaus e a gente quase não se vê mais, quanto mais passar aniversários juntas. 🙁
    Ei, ela parece mesmo com você. Na carinha fofinha.
    Beijo <3

Comentários: