Eu faço parte de um grupo de blogueiras e há alguns dias elas decidiram entrar na vibe do batom vermelho, o que significa que começaram a usar e fotografar-se usando o dito cujo, o que me fez lembrar que eu tenho uma história com esse produto.

Estava no segundo ano do Ensino Médio e uma das minhas amigas estava achando que um menino gostava dela, por isso resolveu levar batom vermelho pra escola e passá-lo na frente do fulaninho, só pra ver qual seria a reação dele. Ela passou e nada aconteceu. Quando o professor da outra aula entrou e a viu disse algo como “não é hora para usar um batom vulgar desses”, mas ele disse de um jeito rude que fez parecer que ele estava chamando a menina de meretriz ou algo semelhante. Ela achou um absurdo e eu também, claro. Nessa altura basicamente todos os meninos da sala já tinham ido dizer-lhe alguma coisa e eu não lembro se o que causou tudo disse algo, só sei que a partir daí fiquei embestada com o poder de um simples batom para com os homens. Parece coisa de cachorro que só enxerga uma cor e quando a vê corre atrás. Bizarro.

O fato é que eu achei que a gente não devia deixar barato a falta de respeito do professor e por isso na próxima aula da mesma matéria a maioria das meninas da sala passou batom vermelho. Eu entre elas, obviamente. Quando o professor entrou fez uma cara de surpresa e ficou sem ter o que dizer, eu estava gargalhando por dentro. Quando a aula terminou fomos em fila para o banheiro, tentar tirar o tal batom e foi engraçado porque enquanto uma fila de garotas divas de batom vermelho passavam, todas as outras pessoas que se encontravam no corredor ficaram paradas nos encarando. Como se fosse a coisa mais inusitada que poderia ser feita na escola. Eu sei que foi um momento esquisito da minha vida, daqueles que eu jamais teria imaginado, mas ele aconteceu e eu posso provar. Sim, porque não consegui tirar o batom no banheiro e assim sendo enquanto estava indo embora da escola – frustradamente tentando bolar um jeito de explicar pros meus pais caso chegasse em casa daquele jeito – resolvi limpar o batom nas folhas de Julho (o mês de férias, claro) da minha agenda escolar. Assim sendo, minha agenda de 2010 é repleta de marcas de batom vermelho. Bizarro.

Após lembrar-me dessa história percebi que nunca usei do poder da cor nos meus lábios, pelo menos não da cor vermelha. Sempre fui a pessoa que não gosta de usar maquiagem a não ser que veja extrema necessidade em fazê-lo e ainda assim, opta por coisas básicas e não muito chamativas, por puro complexo. Já contei aqui que usei batom azul em plena Oxford Street em Londres e acho que isso foi um grande passo em meu desenvolvimento pessoal, pois creio que a partir daquele dia, minha vergonha para com as cores e o fato de chamar atenção demasiada diminuiu. Eu não tinha vergonha de nada até meus doze anos, daí eu fui pra escola particular e comecei a ser zoada pelos meus tênis e afins e comecei a ser besta o suficiente para tentar me encaixar em algum padrão, perder um pouco da minha individualidade para ficar bem invisível no meio de todo mundo. Não me arrependo, porque a invisibilidade foi maravilhosa enquanto durou. Ela deu uma aliviada quando eu fiz uma mecha azul no cabelo, mas nada muito escandaloso, porque eu ainda estava na escola. O detalhe é que quando a escola acaba todas essas coisas, frescuras e complexos parecem completamente triviais, é como se você se sentisse de repente apta a ser de fato quem você planejou em sua mente. Foi aí que entrou o batom azul e agora o batom vermelho.

Hoje eu acordei ciente de que iria atrás do vermelho ideal, queria um fosco e bem vivo. Não faço ideia de onde usarei, certamente não para ir à faculdade ou algo do tipo, não por achar desfavorável ao lugar, mas sim por pura preguiça de acordar mais cedo pra tentar ficar bonita. Ainda não entendo porque tem gente que faz isso, não vejo necessidade em se emperequetar para ir estudar, mas enfim. Pretendo usar o meu batom numa ocasião divertida, talvez no meu aniversário ou algo semelhante. O fato é que agora eu cresci, sou mulher e tenho o meu próprio batom vermelho. E como esse é um mês especial – o do meu aniversário de dezoito anos – tentarei fazer o máximo de coisas da minha “to do list” pra tentar começar o ano com menos coisas planejadas e mais coisas imprevisíveis no cardápio.

Enfim, espero que algumas de vocês sigam o meu exemplo e comecem a inovar na vida porque essa é a melhor parte de poder viver.

0 thoughts on “Envermelhada

  1. Viva o poder do batom vermelho! Aprendi que o poder para usá-lo está dentro da nossa cabeça, isso sim! No fim das contas, o bichinho, tão famoso, não passa de um batom comum! Nós é que aumentamos, hahaha.
    Beijos, florzita!

  2. Menina, adorei suas caretas!
    Eu também não gosto de maquiagem, sobretudo por ser alérgica na área dos olhos. Mas batom vermelho faz parte da minha vida! Se bem que, agora, estou na vibe dos alaranjados e tons de uva, pode?
    Beijos!

  3. Que linda que você fica de batom vermelho, May! E adorei essa história do seu professor! Eu ia ADORAR ver a cara dele entrando numa sala de divas de batom vermelho. HAHAHHAHAHAHA E sou bem como você: não entendo gente que vai enfeitadinha pra aula, eu sou mendiga e tenho preguiça MESMO. Eu não consigo usar batom colorido. Não sei o motivo direito, mas sempre me acho estranhíssima quando me olho no espelho e acabo desistindo. No máximo, um rosa mais aparecidinho. Mas um dia eu chego lá e saio com um batom tão vermelho quanto o seu!
    Beijo!

  4. engraçado como as pessoas se organizam em protestos subversivos quase sem saber, mas depois a maioria delas se torna incapaz de fazer qualquer coisa similar.

  5. Incrível essa mobilização das meninas da sua sala kk Diferentemente de você, eu adoro maquiagem e principalmente batom vermelho, só não uso pq também morro de preguiça de acordar mais cedo pra esse tipo de coisa. Mas viva o batom vermelho!

  6. Olá,adorei o texto e tua forma de lembrar que é preciso caprichar com a vida,de inventar e enfim,usá-la para fins inusitados e criativos.Talvez porque eu estude na escola mais besta e sem graça possível,me acostumei com o básico e normal.Mas é sempre interessante conhecer pessoas pouco convencionais,mas que façam “algum sentido”.

    beijo

  7. Tu ficou linda de batom vermelho, viu?
    Ainda estou atrás do meu vermelho perfeito…
    Beeijo.

  8. Sou apaixonada por batom vermelho desde sempre. Quando era pequena eu via com minha mãe aquela novela – A Usurpadora – onde Paola Bracho estava sempre muito linda com aquele vermelho-sangue que eu amava. Tentava ser que nem ela, e foi assim que fiz meu corte chanel com franja e ganhei um guarda-roupa repleto de peças vermelhas. Mas o batom vermelho só foi vir mesmo ano passado, quando já estava “grandinha” e decidida a chamar atenção.

    Eu vou pra escola de batom vermelho (assim como rosa-choque, rosa-chiclete, entre outras cores chamativas) quase sempre. Amanhã irei fotografar para o #redlipsday. Só espero que não fique tão ruim. hahaha

    Gostei das caretas nas fotos, e do tom de vermelho também. Ficou lindona. *-*
    Beijo!

  9. Você ficou absurda de linda. Eu amei as caretas e sua make nos olhos (: Essa coisa de inovar na vida me lembrou o medo louco que eu tinha de ir de saia pra faculdade. Vergonha das minhas pernas brancas, finas e compridas. Sendo que eu adoro as minhas pernas e saias/vestidos são minhas peças favoritas no mundo inteiro. Dá pra entender isso? Inovar é preciso. Quebrar paradigmas deveria ser meta de vida. E eu sou sua fã por dizer que essa é a melhor parte de viver. Porque, damn! É mesmo!

    <3

    Beijocas!

  10. P.S: Preciso me gabar por ter dito que essa história da sua sala daria um post genial. Estava certíssima (:

Comentários: