Filosofia dos Cheiros

(Daqui)

Se você conseguir, em pensamento, sentir o cheiro da pessoa como se ela estivesse ali do seu lado… Se você achar a pessoa maravilhosamente linda, mesmo ela estando de pijamas velhos, chinelos de dedo e cabelos emaranhados… Se você não consegue trabalhar direito o dia todo, ansioso pelo encontro que está marcado para a noite… Se você não consegue imaginar, de maneira nenhuma, um futuro sem a pessoa ao seu lado… Se você tiver a certeza que vai ver a outra envelhecendo e, mesmo assim, tiver a convicção que vai continuar sendo louco por ela… Se você preferir fechar os olhos, antes de ver a outra partindo: é o amor que chegou na sua vida.

Carlos Drummond de Andrade

Eu sofro de um problema gravíssimo, o do olfato apurado. Muitos dizem que isso nem é um defeito ou problema, mas garanto que só têm essa opinião porque não sofrem do mal. Não sou a única da família com isso, então é comum que a gente ande por aí e dois segundos de ar puro se transformem em segundos de poluição total. Porque a gente sente cheiro de tudo e com uma intensidade pra lá de bacana. Fora isso, tenho também uma apuradíssima memória olfativa. Quando digo apuradíssima é porque realmente é. Já tentei resgatar da minha memória quando foi a primeira vez que senti um cheiro, mas infelizmente, ela não é tão boa assim. No entanto recordo-me do cheiro de todas as comidas que eu não gosto, justamente porque essa é a razão para que eu desgoste. Explico. O maior exemplo a ser encontrado é a tal banana. Minha mãe diz que eu comia quando era neném, mas depois não. Minha explicação é de que eu comia porque não tinha consciência do cheiro e a partir do momento que criei a tal consciência comecei a renegar a bendita fruta amarela. Porque eu abomino cheiro de banana. Mas tanto que se eu vejo uma pessoa com uma banana na televisão o cheiro me vem à mente e eu mudo de canal e quando alguém ingere a dita cuja perto de mim, eu nem preciso ver. Sinto o cheiro há metros de distância e vou logo fugindo. Nunca tive coragem de experimentar a fruta justamente porque o cheiro é TÃO ruim que não consigo imaginar que o gosto possa vir a ser diferente. Minha mãe, como toda boa mãe, já tentou me obrigar, misturar com comidas que eu gosto, bater junto com o Nescau… Pra quê. Sinto o cheiro há metros. Nunca caí nas armadilhas dela, mas uma vez eu realmente fui obrigada a comer e só digo uma coisa: tinha o mesmo gosto que o cheiro. Resumindo, minha vida é assim, baseada nos cheiros.

Minha avó morreu quando eu tinha nove anos, sei o cheiro dela até hoje e toda vez que sinto tenho vontade de abraçar a pessoa igual fazia com a minha avó. O problema é que na verdade eu nunca experenciei o cheiro dela de fato, recordo-me é do cheiro de seu perfume. E eu gostava TANTO dele que o único perfume que me dignei a ter foi o mesmo. Explico. Sou daquelas que acredita que todo mundo tem um cheiro e que o amor, por exemplo, além de ser um fato socialmente construído através da cultura  é construído por causa dos cheiros. Na verdade a gente não se apaixona a primeira vista, a gente sente um cheiro que combina com o nosso e pimba. Então, sabendo disso, as pessoas inventaram os perfumes. O que os perfumes fazem? Mascaram os cheiros reais, fazendo com que todas as pessoas que usufruem do tal líquido tenham o mesmo cheiro, assim sendo outras pessoas apaixonam-se pelo perfume e não pela pessoa. É pensando nisso que eu não uso perfume, na verdade, abomino cremes e quaisquer outras coisas que me deixem com um cheiro que não é o meu. O que isso tem a ver com a minha avó? Simples. Eu não sei o cheiro da minha avó! Quando penso nela, o que vem à minha cabeça é o cheiro do perfume, talvez eu jamais tenha sentido o cheiro real dela e gente, isso é a pior coisa que pode acontecer. Principalmente para alguém, como eu, que se recorda das pessoas baseando-se em seus cheiros!

Eu tinha sete anos quando viajei sem a minha mãe pela primeira vez. Passei duas semanas longe e estava me remoendo de saudades, mas se parasse para tentar me lembrar do rosto dela, não conseguia. Tentei diversas vezes e nada. Da voz eu lembrava porque sempre estávamos nos falando por telefone, mas o rosto nada. Sabe do que eu me lembrava? Do cheiro dela. E eu sentia tanta saudades que passava a sentir o cheiro em lugares aleatórios e fantasiava enquanto o fazia. Porque pra mim não há nada que transmita mais sensações do que o cheiro. Eu adoro cheiros. Assim sendo, eu me lembro deles. Tem o cheiro da minha prima, da minha tia, do meu avô, de muitos dos meus amigos, do meu irmão, dos meus pais, tem cheiro de coisa nova, cheiro de coisa boa e de coisa ruim. Cheiro de começo de ano, de ar puro, de primavera, de outono e o meu preferido, o do inverno – que se confunde constantemente com o cheiro do vento. Há pessoas que não têm cheiros (e a essas eu recomendaria que usassem perfumes) porém, não é porque não têm cheiro para mim que necessariamente não têm. Há aquela história de que quando você sente muito acaba nem percebendo, por isso só sei o cheiro da minha mãe quando estou morrendo de saudades dela.

Os cheiros estão atrelados às sensações, assim sendo, sempre que eu sentir um cheiro de banana, ficarei com repulsa imediada, da mesma maneira que se sentir cheiro de Jasmins recordarei do quintal da minha casa de infância. Fora que sempre, mas sempre mesmo, que eu sentir cheiro de roupa limpa, lembrarei da roupa limpa da casa do meu tio, porque ela é a mais cheirosa do mundo!

Por fim, vale acrescentar sobre os cheiros que eu invento, porque sim, eu tenho essa capacidade. Afinal, como posso eu ser absurdamente apaixonada por um personagem se não souber seu cheiro? Porque o ar de quando estou apaixonada tem um cheiro diferente, mas cada objeto de paixão tem um cheiro diferente! Assim sendo, eu não consigo imaginar as características físicas dos personagens, mas cheiros a suma maioria tem. Por exemplo o cheiro do pescoço do Michael Moscovitz. Como alguém consegue ler “O Diário da Princesa” sem imaginar esse cheiro? Imagino uma coisa cítrica, com cheiro de banho. Fresca, mas saborosa. E Harry Potter então? Cada personagem tem um cheiro, Lupin tem aquele cheiro terrível de cachorro molhado, que quando a gente abraça some automaticamente! Mas não são só personagens não… Sei o cheiro de Marx e principalmente, imagino o cheiro de todas as minhas queridas mafiosas, mesmo – e principalmente – aquelas que nunca vi na vida. Cada uma com um ar que quando passa emana aquela coisa gostosa, cheia de personalidade e alegria.

Quanto aos meus cheiros preferidos? Os cítricos, suaves, cheiro de coisa limpa, de coisa fresca. Terra molhada e chuva!! Brigadeiro, água na fonte, piscina, mar, erva doce, algodão, vento, natureza, cidade grande, névoa e o de todas as pessoas que amo!

Minha maior frustração é nunca saber qual o MEU cheiro, acho que a gente nunca consegue identificar o nosso por estarmos tão acostumados com ele. Mas tenho certeza absoluta de que todos têm um cheiro, mesmo que não seja qualquer um que o sinta. No dia que alguém sentir o seu cheiro e gostar dele, pronto, é sua alma gêmea. Tudo é relacionado com os cheiros. Tem tudo a ver com eles.

Não é à toa que quando me pediram pra pensar num personagem do mundo imaginário fui logo pensando num gorgonzola fedorento que sofria bullying porque ninguém conseguia ficar perto.

E só pra constar, sentir cheiro não tem nada a ver com o formato do seu nariz, viu? Muitos narigudos não sentem nada, enquanto os de nariz pequeno sentem tudo! E que esse texto sirva de aviso para você nunca chegar perto de mim depois de altamente suado ou afins, porque essa vai ser a memória olfativa que gravarei da sua pessoa (a não ser que seu cheiro normal seja mais encantador).

0 thoughts on “Filosofia dos Cheiros

  1. Você é uma preciosa mesmo. O tipo de pessoa que mergulhamos e nadamos fundo! Não faz muito tempo que comecei a prestar atenção nos cheiros. Meu olfato não tem nada de especial, acho que é bem comum, mas consigo identificar muitos cheiros em determinados lugares. Na minha lembrança há um considerável acervo, e quando revisitei uma senhora com a qual morei na infância, o cheiro do apartamento dela me deu um soco no nariz; é o mesmo que a antiga casa e imagens de mim brincando na sala vieram à tona. Foi sensacional!

    Engraçado, eu costumo dizer que gosto do “cheirinho” do meu namorado! Nunca parei pra pensar no amor dessa forma. O cheiro natural dele é bom e indescritível, parece bem pessoal, íntimo, quase que só meu. E sempre te imaginei com cheirinho de bebê! É verdade, pra mim você cheira a bebê e fim de papo. Só fico imaginando que eu cheiro eu teria… Será que de circo? Palha, picadeiro, lona molhada? Pasta d´água? Ah, fiquei curiosa! Vou dar uma checada na minha axila hahahaha

    Seu texto é maravilhoso, sensível, inovador… Eu adorei =)

  2. eu não posso comenar aqui. Estou com o nariz entupido por uma gripe filha da maãe que me pegou anteontem.
    Pessoa, lembrei de você. Teu blog tá novo mesmo, hein? Não suma! Te adoro!

  3. EU QUERIA TER ESCRITO ESTE POST. APENAS.
    Mayroca, sou apaixonada por cheiros também. Tenho um olfato muito aguçado e minha memória olfativa é uma coisa louca. Tenho esse problema com as comidas também. Tipo leite. Eu gosto de leite sabe, gosto do gosto, gosto de leite com Nescau e tals, mas acho cheiro de leite nojento. Sempre achei. Tenho faniquito quando derrubo em mim mesma, porque acho a coisa mais nojenta da vida. Doritos também, quase vomito. Já experimentei uma vez e achei gostosinho, mas não consigo colocar na boca porque tem um cheiro insuportável. Mamão, odeio cheiro de mamão. E também tem os exemplos das coisas que são muito gostosas mas que o cheiro não é tanto, só que dessas eu não lembro de um exemplo agora.
    Discordo de você quanto a questão dos perfumes. Eu acho que cada pessoa tem seu cheiro, mas acho que ele pode estar sim atrelado ao perfume. Vejo isso pegando o exemplo da minha mãe também. Tinha uma tia-avó cujo cheiro era único e só dela, e tenho certeza que ela usava o mesmo perfume há anos e ele era responsável por aquele cheiro tão marcante, mas acho impossível dizer que não era o cheiro dela. Porque ela morreu há dois anos e eu ainda sinto aquele cheiro que ficava pregado em mim toda vez que eu ia abraçá-la. Não dá pra dizer que era cheiro do perfume, sabe? Era cheiro dela. Da mesma forma que tenho uma amiga que usa um perfume cujo cheiro eu conhecia antes de conhecê-la (?), mas que agora que somos amigas, aquele perfume pra mim é o perfume dela e de mais ninguém. Meu pai também tem um cheiro que é muito dele e tem a ver com o perfume. Não importa onde ou em quem eu sinta o perfume, sempre vai ter o cheiro do meu pai.
    EU IMAGINO MUITO O CHEIRO DO MICHAEL COMO CHEIRO DE BANHO TOMADO. Aliás, meu cheiro de gente preferido na vida é cheiro de banho. Aquela coisa meio água, meio pele, meio sabonete. É o melhor cheiro que qualquer pessoa pode ter.
    Fico curiosa pra saber se tenho um cheiro que é só meu, porque uso um perfume diferente a cada dia. Acho que sou uma pessoa sem cheiro, viu? 🙁 Tenho um amigo que é cheirosíssimo, e foi um desses casos que não é perfume. Porque eu fui naquele dele e já cheirei todos os perfumes que ele tem, e nenhum tinha aquele cheiro dele. É tão forte que sempre que eu abraço ele ou fico muito perto acabo ficando com a roupa cheirando Lucas. Ele tem um cheiro tão gostosinho que até uma professora nossa um dia chegou na aula e deu uma cheirada nele, porque disse que ela quase ficava louca sentindo aquele cheiro todo dia – ele sentava na primeira carteira.
    Enfim, amei, amei, amei o post!
    beijos

Comentários: