Características Técnicas

         O documentário é de 2005, produzido por Josina Melo. À cores, tem duração de 32 minutos. Josina Melo também foi responsável pelo roteiro e parte da edição – que dividiu com Fernando Severo – e finalização, que dividiu com Ricardo Pettraca. A direção de fotografia foi realizada por Lourivalde Vieira Filho e as músicas originais foram compostas por Octávio Camargo. O filme foi produzido a partir de diversos apoios entre empresas e da Lei Municipal de incentivo à Cultura. Helena Kolody faz aparições no decorrer do filme.

Sobre o que é o documentário? Como foi feito?

     O filme conta a história de Helena Kolody, poeta paranaense. Helena é descendente de ucranianos e fez sua carreira sendo professora de biologia. À parte, ela escrevia poemas. É considerada a primeira poeta realmente moderna do Brasil. A primeira mulher a publicar haikais (poemas de inspiração japonesa, que se tornaram populares com Paulo Leminski), em 1941. Fora criado uma premiação anual em sua homenagem e ela foi convidada a ocupar uma cadeira na Academia Paranaense de Letras. Publicou o primeiro livro aos 29 anos, chamado Paisagem Interior. Dele seguiram-se outros cerca de 20 livros. Sua primeira poesia fora escrita aos 16 anos. Sua obra é dividida em duas partes, a primeira mais lírica e a segunda mais filosófica. É na segunda parte que os Haikais se acumulam, visto que é sua característica falar muito em poucas palavras.

     O documentário conta toda a trajetória da poetisa, com um viés biográfico. Iniciando do momento de seu nascimento, percorrendo por todas as cidades em que ela morou, sua vida familiar e seu trabalho. Trechos de uma entrevista concedida pela própria Helena, dois meses antes de falecer, são mesclados com imagens que remontam seu passado. Alguns poemas são recitados por ela durante a entrevista, outros foram retirados de gravações prévias. O documentário, portanto, mescla poemas, fatos histórico-biográficos e cenas que remontam alguns momentos da vida de Helena. Tudo feito de forma bastante cuidadosa.

O que eu achei do documentário

      Eu acho bastante interessante o bairrismo cultural que existe no Paraná. Apesar de artistas e escritores do Brasil inteiro e de outros lugares do mundo serem admirados, há uma grande cultura popular em torno dos artistas daqui. Não só os atores que se tornam famosos, como os escritores e poetas. 

        No caso de Helena Kolody, a coisa é ainda mais interessante. Por ser mulher e publicar desde a década de 40, ela foi bastante revolucionária no âmbito da poesia nacional. Mesmo assim, fora do Paraná ela é pouco conhecida por pessoas não especializadas na área. Da mesma forma, paranaenses não conhecem poetas e poetisas populares em estados outros. Eu acredito que falta uma interesecção das culturalidades e expressões regionais, pois todo mundo que conclui o ensino médio deveria saber de uma série de coisas regionais que não sabe.

      A história de Helena é bastante inspiradora, por sua origem humilde e seu sucesso em uma época que os únicos escritores e poetas brasileiros reconhecidos eram homens. Apesar de Helena não ter se sustentado com seu trabalho como poetisa, sua poesia revolucionou a área e inspirou diversos outros poetas. Sua obra segue sendo reconhecida, a ponto de já ter sido alvo de exposições.

        As mulheres artistas e escritoras brasileiras são fenomenais e é muito incrível entrar em contato com essas histórias e perceber que nós, mulheres de agora, podemos também ser tão importantes no futuro. Como a própria Helena diz, cabe a cada uma de nós fazer de nossa estrela própria um sol.

    O documentário é muito bem amarrado, simples, rápido, bem musicado e gostoso de acompanhar. Recomendo.

Comentários: