Life is not how they tell to you.

Tive uma aula de sociologia bastante chata hoje, onde o professor passou 50 minutos tentando nos dar lição de moral. Talvez alguns tenham aproveitado tal aula, mas não acrescentou nada à minha humilde vida. Porque ao contrário de muitos eu não busco dinheiro e fama, quero apenas espalhar amor por aí e ter uma vida notável, que seja importante para alguém, quero ser guardada na memória das pessoas, não importa que tipo de memória.

Tenho passado muito tempo a pensar sobre meu modo de ser e agir, concluí que seleciono muito as pessoas… Há aquelas que considero meus amigos e que aceito todos os defeitos e qualidades, aquelas que eu admiro e acho possivelmente interessantes e todo o resto é um bando de idiotas ridículos que não vivem, apenas existem e têm sua existência baseada em ações feitas por antepassados. Pessoas condenadas a viver a partir do que veem na televisão e afins. Não é que eu me ache superior, apenas me acho diferente o suficiente para não encaixá-los em nenhum dos meus esteriótipos, esteriotipando-os assim como meros “idiotas”.

Andei analisando nosso contingente de vida e notei que raramente realmente fazemos algo que nos agracie, vivemos condenados a fazer coisas que os outros consideram necessárias a nós. Coisas como ir para a escola, tomar banho e fazer três refeições diárias, por exemplo. Isso sem falar em escovar os dentes, usar roupas etc e tal. São raras as oportunidades de esteriorizarmos quem realmente gostariamos de ser, de passar para o mundo a mensagem que nos dignamos responsáveis por transmitir.

A minha mensagem é essa.

Sua vida não vai ser aquilo que você imagina. Desde pequeno enfiaram contos de fadas na sua cabeça e você ficou aí, imaginando como seria belo se tudo fosse daquele jeito, achando inútilmente que talvez as coisas realmente possam ser de tal jeito, mas bem… Elas não podem. Você pode ter sonhos lindos e maravilhosos, expectativas perfeitas, desejos imensuráveis, mas isso não significa que os realizará da maneira que os vê em seus sonhos. A vida é limitada. A sociedade nos limita, não que isso seja ruim, pelo contrário, ruim seria viver longe da sociedade, longe do sistema, longe das pessoas e das relações de interessa que elas criam. Mas por estarmos condicionados a viver em sociedade, devemos limitar nossa vida a ela. Não dá para achar que só porque você digna tal coisa certa e importante, você pode fazê-la. É necessário saber se a sociedade aceita isso. Ser contra o sistema é maravilhoso. Ser revolucionário é lindo, ideais são muito bem vindos, mas eles não são tudo. Os ideais podem basear a sua vida, mas você não pode construir sua vida baseando-se somente neles. Não dá pra achar que só porque você vê o mundo de um jeito, este é o jeito certo e você deve coagir o maior número de pessoas possíveis a pensarem da mesma maneira. A diversidade é linda e cabe a nós somente aceitá-la.

Então, talvez você não seja o médico de sucesso que desejaria, talvez você não seja o melhor advogado do país e talvez eu não consiga fixar a minha pessoa na memória de alguns, mas a nossa tentativa é válida, porque só nós podemos fazê-la.

Passar no vestibular não garantirá uma vida plena em feliz, ter uma vida bem sucedida também não. Talvez você estude e trabalhe como um condenado e ainda tenha que se privar de muitas coisas ao longo dos meses, para conseguir se sustentar. A vida não é como um bolo, que basta seguir a receita para dar certo. Não há receita alguma. A vida não é como uma peça de teatro que você ensaia meses antes de apresentá-la, não dá para ensaiar. É tudo no improviso. Cada dia da sua vida é escrito à caneta em uma folha em branco. Num mundo onde não há corretivo! Não existe a opção “testar antes de usar”, não existem opções. Suas escolhas têm consequências diretas. Toda escolha é uma recusa, toda escolha gera uma consequência. Você tem que aprender a lidar com as consequências, encará-las. Frente a frente. Não vai ter um príncipe encantado e um “felizes para sempre” no final. Você é responsável por tudo aquilo que você será. Então, antes de planejar que curso fazer, que emprego aceitar, qual salário ganhar, pense apenas em quem você quer ser, como você quer ser lembrado e gaste seu tempo empenhando-se a ser esse alguém. Fodam-se os rótulos e as pessoas com mentes quadradinhas que nunca aceitarão uma quebra no protocolo. Não deixe se abater. A vida é agora e você pode fazer ela ser a melhor do mundo.

Só não seja muito radical em suas escolhas, pois sua liberdade acaba quando a do outro começa e não dá pra decidir sua vida esquecendo-se a vida de todas as pessoas que são influenciadas por ela.

Ame. Ame muito. Ame pessoas, lugares, cheiros, cores, objetos, apenas ame. É o suficiente. É completamente suficiente. O amor é a resposta para tudo. O amor é suficiente.

E sim, eu sou a garota estranha que é legal com quem quer, grossa com quem quer e ridícula quando quer. Aquela que não é definida por rótulo algum e por todos ao mesmo tempo. Prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo. Desculpe-me caso isso te ofenda.

Comentários: