Mantenha-me em seu coração e jamais esqueçais disso.

Pode ter sido teu cheiro, teus olhos, ou simplesmente tuas palavras. É, acho que foram as palavras.

Cada vez que as lia entorpecia-me de ternura e afabilidade. Seu léxico desenvolvido encantava-me. Sempre cuidadoso com o uso da língua, mas coloquial até onde lhe cabia. Dizia-me coisas jamais ditas por outrém. Fez-me sentir coisas jamais sentidas e viver momentos até então desconhecidos.

Com seus textos transmitia-me paixão e plenitude. Descritivo, romântico, sagaz e sincero, tudo na medida certa.

Por diversas vezes enfiaram-me na cabeça que agias igual perante todas as mulheres que conhecia. Era verdade. Proferia palavras doces e meigas para qualquer uma que lhe desse um pinguinho de trela. Mas fazia-me especial, sentia plenitude ao seu lado. Tudo era belo e doce e por isso não importavam quantas haviam ouvido as mesmas doces palavras que foram capazes de arrancar sorrisos de minha face. Eras especial.

Eis me aqui, posta a pensar em ti em tão altas horas da noite que cai. Deveria estar dormindo, mas quem disse que isso é possível? A cada lugar que olho enxergo a sua face, todas as vozes que escuto são extremamente semelhantes com a sua e a cada texto que leio procuro uma de suas tão belas palavras. Anseio por ti e não consigo desvencilhar-me disso. Seu cheiro foi impregnado em minhas narinas, já não sai mais. Isso sem contar os abraços! Abraços sentidos, abraços não sentidos, abraços desejados e abraços roubados. Abraços fornecidos por pessoas que não deveriam me abraçar, mas ao fazerem recordam-me exatamente de seus braços, seu peito acolhendo o meu.

Sua afabilidade me encanta, já me é impossível viver sem. Ponho-me a pensar, no entanto que estou apenas variando das ideias, devaneando com relação a algo que nunca acontecerá. Isso realmente importa? A realidade realmente importa? Não mais. Não depois de você. Não agora. Nada mais importa. Meus pés aparentemente continuam a encostar no chão, conquanto na realidade eles flutuam. O chão já não existe mais. Não depois de você.

Já não me importo com a inocência e os conselhos e críticas fornecidos por terceiros, nada têm eles a ver com o que se passa entre nós. Passam-se muitas coisas. Sou convicta disso.

Sua inteligência e o modo pleno de transmitir ideias, provando a esperteza nem sempre enxergada pelos outros. Seu bom modo de pedir-me as coisas, sempre impossível de negá-las. Suas mãos, firmes, quentes e macias, a encostar nas minhas com a suavibilidade esperada em tantos momentos, mas nunca plenamente alcançada. Seu enigmático jeito de ser, por diversas vezes duvidoso. Sua lealdade e liberdade incríveis, capazes de fazer com que qualquer um desejasse ser tão seu amigo quanto eu.

Já é tarde, mas precisava escrever a seu respeito, estava sendo sufocada aos poucos por anseios tão fortes, inebriantes e avassaladores. Quero sentir-te. Desejo-te. Anseio constantemente por sua presença. Ao fechar os olhos a sinto. Ao dormir, sonho contigo. Estás sempre por perto. És meu. Já posso sentir isso. Disseste-me isso há algum tempo, com outras palavras, mas bastaram.

Meus amigos lhe veem apenas como um novidadeiro qualquer, que gosta de revoluções e mudanças drásticas. Descobri teu lado romântico e ele é lindo, maravilhosamente lindo e encantador. Não é a toa que há tantas mulheres te rodeando. Fique com todas, mas mantenha o meu lugar especial em seu peito. Fique com todas, mas comigo também. Não te esqueças de minha existência. Não te esqueças de mim. Não me abandones.

Cogitar a hipótese de tê-lo ao meu lado já me faz enfadonhamente feliz.

Estou completa e perdidamente apaixonada por ti. Não me decepciones.

E só de pensar em te perder por um segundo, eu sei que isso é o fim do mundo.

Comentários: