Nunca vi irmã mais velha fazer textos gays pra irmãs mais novas. Ou melhor, nunca tinha visto. Até conhecer Taryne e sua melhor amiga Giovana e Analu, que vive escrevendo nos aniversários da Helena. Eu já tentei escrever sobre o meu irmão de verdade, mas nada muito enfático. A verdade é que é difícil sair por aí retalhando elogios àquelas pessoas que estão sempre ao nosso lado, porque elas sabem o quanto a gente gosta delas e as homenagens ficam até meio bobas. E eu sou completamente apaixonada pela irmã mais nova que tive o prazer de escolher, porque existe a família de sangue e existe aquela que a gente escolhe e eu escolhi Milena. Desde a primeira vez que resolvi dizer oi. E quando vi que ela me escolheu também, não tinha como pensar em outra coisa a não ser na simbiose do nosso amor.

Falar da Milena é muito complexo para a minha pessoa, porque ela é muita coisa pra mim, ela representa o meu universo. Falar da Milena é ruim, porque ela é tão esplendida que depois de eu irromper em inúmeros elogios terei feito com que vocês tenham vontade de conversar com ela. E eu sei que não moro na mesma casa que ela (ainda) e que ela precisa de amigos na vida, assim como eu preciso, mas nada nunca será tão doído quanto ver alguém que não sou eu falando sobre o quão importante e essencial ela é na vida da pessoa. Porque me recuso a acreditar que ela consiga ser tão importante quanto para mim para alguém sem ser a família dela de sangue.

Se Milena fosse comida ela seria um marshmellow, porque ele é macio, colorido e gostoso. E Milena é absurdamente macia e eu nunca vou me conformar com o fato de ela não gostar de ser apertada, e ela é floridinha e fofa e ela é gostosa até no jeito sempre sorridente de falar. Milena aguenta os whatsapps madrugueiros, os surtos, as histórias “amorosas” insanas, os problemas familiares e tudo com bom humor, com leveza, sutilidade, conselhos impagáveis e uma vontade de morar abraçada nela que eu nunca vou conseguir descrever. Milena é alegria, é paz, é sorriso, bom gosto… é o “tudo que há de bom” na receita que constituiu as Meninas Super-Poderosas e, no auge da minha gayzice de irmã mais velha orgulhosa do nenis que tá fazendo vinte aninhos e tem planos e sonhos absurdamente fabulosos para a vida, concluí que o único jeito de expressar meu amor à altura era com uma playlist de músicas românticas que sempre ao ouvir me lembro dela, só que Outubro é um mês muito agitado na minha vida e eu tentei preparar coisas legais desde o começo dele e nada deu certo, tive que restringir o plano a um presente legal que deve estar chegando na casa que ela não está e a um texto ruim, feito de última hora, porque vida de irmã mais velha não é fácil.

Milena hoje faz vinte anos, mas pra mim ela sempre vai ser aquela lindoquinha que me atazanava nas festas infantis que nunca compartilhamos e que roubava os brigadeiros que nunca tivemos chance de comer juntas. Ela sempre vai ser a que ganhava presentes mais legais de natal e fazia com que eu fosse malvada, mas malvadez de criança mesmo, coisas da vida, que fazem parte da história que eu não desisto de inventar. Porque sonhos é o que somos, sempre seremos e lutaremos por realizar. E nada nunca vai me deixar mais feliz e satisfeita com a vida do que acordar e lembrar que tive o prazer de descobrir um ser tão perdido quanto eu em algum canto do universo. Eu não vou falar que te amo, porque nossas intimidades são só nossas e só vim fazer esse texto pra marcar meu território e deixar bem claro que você é minha. E que você pode ser de todo mundo, mas só eu e o Marlon podemos te chamar de little sister. E eu duvido que ele o faça, porque ele deve ter um apelido engraçado pra você.

Seja feliz, e se não for, você tem meu telefone, endereço, 1001 redes sociais, e-mails e blá blá blá. E se alguém tiver te incomodando, diz o nome que eu conheço a máfia e desligo o camarada rapidinho.

{Daleks, os aliens mais fofos do mundo, aprovam esse post}

 

 

0 thoughts on “Marshmellow

  1. Mayrinha, que post AMOR <3
    Amei a ideia da Milena ser um marshmellow, acho tão a cara dela. Doce, fofa e colorida são três palavras que, se a gente for desconstruir etimologicamente, vão desaguar invariavelmente na Mimi.
    Amo muito vocês duas <3

  2. Olha, já li esse texto umas mil vezes e tô aqui tentando comentar sem ser histérica. Mas a vontade é ser histérica. Não ouse chamar esse texto de ruim. Nunca, nunquinha.
    Espero que você saiba o quanto é essencial na minha vida e, portanto, o quanto é bom ler essas coisas. Não acredito ser metade do ser humano que você acha que eu sou, mas só o fato de você achar já me torna uma pessoa infinitamente mais feliz. Porque se eu consigo passar pra você um pouquinho do amor e da compreensão que você me passa, já será um feito enorme.
    Muito obrigada pelo amor, pelo carinho, pela preocupação, por me aceitar do meu jeito atazanado e enrolado, por compartilhar meu amor por DW (pfvr, como não amar DW), por ser a melhor irmã do mundo. Tenho certeza que se a minha irmã de sangue te conhecesse ela se sentiria intimidada por não ser tão maravilhosa.
    Amo muito você!

Comentários: