Me pagando de escritora

Na última quarta-feira, minha amiga @marcellykaram me pediu ajuda com um texto.

Ela está no segundo semestre de Formação de Atores no Cena Hum e precisava de um texto para apresentar em Leitura Dramática, mas não tinha encontrado nada legal na internet, então pediu que eu a ajudasse a escrever um.

Eu sou afobada e adoro inventar histórias e escrever, ela sabendo disso me usou para conseguir o que precisava. Em cinco minutos a convenci de que seria melhor eu escrever sozinha.

E foi aí que perdemos a aula de artes inteira. Eu, escrevendo o texto e ela, riscando um papel qualquer.

No teatro ela leu o texto e disse que gostaram, ela gostou do texto e minhas outras amigas também.

Me senti A escritora.

Repensei os últimos anos e lembrei-me da época em que criava histórias, lembrei-me dos meus cadernos de histórias e do meu caderno de sonhos e os li.

A melhor coisa em escrever textos é lê-los algum tempo depois.

Escrever é certamente revigorante.

Se eu não soubesse que nasci para ser atriz, acharia que nasci para ser escritora.

Talvez seja possível ser os dois, ou seria presunção demais?

Enfim.

No próximo post, o texto que fiz pra Marcelly.

Comentários: