Meme Literário – Final

Parte 1 – Parte 2 – Parte 3

Dia 22 – Cite 3 escritores que você gosta. Fale sobre eles.

Chuck Palahniuk – Autor do meu livro preferido e um autor tão bom que todos os livros que eu leio gosto, mesmo que sigam o mesmo padrão de uma frase repetida em quase todas as páginas e de histórias desconexas e cheias de significado. Sou completamente apaixonada por sua obra.

Machado de Assis – Confesso que não li muito dele, mas se tudo que eu li eu gostei e sendo ele a pessoa que escreveu o magnífico “Dom Casmurro” e a história que deu origem ao filme de “Memórias Póstumas de Brás Cubas” já gosto bastante!

J.R.R. Tolkien – Nunca cheguei a ler “O Senhor dos Anéis”, mas já consegui ler “Silmarillion” e comecei “O Hobbit” várias vezes e, bem, esse cara era fantástico! Ele não se satisfez em inventar uma história genial, ele inventou um mundo inteiro, mas não um mundo descrito somente nas histórias da série, ele fez um livro contando somente sobre a invenção do mundo, como se fosse a bíblia da Terra Média! E esse é “Silmarillion” e, cara, Tolkien is THE man.
Dia 23 – Com que frequência você lê fora de sua zona de conforto? Você costuma abrir os horizontes para novos escritores, gêneros, países quando o assunto é leitura ou você lê sempre o mesmo dos mesmos?

Não tenho um gênero/autor que leio absolutamente tudo que escreve e que me prendo a, eu leio coisas diversas sem problema nenhum, mas não costumo explorar países diferentes. Embora tenha fortes ideias de que isso vá mudar em breve!
Dia 24 – Cite um livro que você achou que não iria gostar e acabou adorando

Tenho vários exemplos desse caso, porque é muito raro eu começar o livro e achá-lo desde já legal, eu demoro bastante pra me apaixonar pelos livros, mas isso não significa que eu não me apaixono por eles. Lembro que em “A Culpa é das Estrelas” eu fui apaixonar-me pela história só quando eles viajaram pra Holanda, até então estava achando super banal. Já com “Harry Potter” eu me apaixonei pelo livro na segunda página, quando descobri que ele não era descritivo demais.

Enfim. Um livro que é forte exemplo de eu não dar nada para e depois ovacionar, sem dúvidas, é “Lolita”. Li o livro após ver várias resenhas e indicações de pessoas confiáveis e quando iniciei na leitura achei tão chato e pacato que nem prestei atenção. Só fui saber de onde o Humbert Humbert era e como chegou na casa das Hazel quando eu terminei o livro e fui reler o começo, porque eu não fazia ideia de tão chato que tava, com todos aqueles trechos em francês e aquele amor para com ninfetas e o descaso para com o sexo oposto e a prepotência de um europeu tosco e ai, Lolita era o livro que tinha tudo pra dar errado e pra eu terminar de lê-lo e finalizar com uma resenha destruidora, mas daí a mãe da Lolita morre e a história muda completamente e fica absurdamente genial, e eu consigo embarcar nela e no Humbert e acreditar nele e ficar do lado dele, condenando a Lolita por ser tão ríspida com o pobre coitado e daí eu descubro que o livro inteiro era meio que o depoimento dele num julgamento e percebo que se eu fosse jurada o teria absolvido e eu percebo que Nabokov foi um gênio por ter me feito mudar de opinião tão drasticamente e que o Humbert atingiu seus objetivos e, ai. Lolita, cara. Lo-li-ta.
Dia 25 – Cite um livro que você achou que iria gostar e acabou não gostando.

Millennium – Os Homens que Não Amavam as Mulheres. Na verdade, como ainda não consegui passar do primeiro capítulo (já faz um mês que estou tentando e já li outro livro enquanto isso) ainda não sei se ele se encaichará nessa pergunta ou na anterior, espero que seja na anterior, porque o filme é bárbaro e não consigo crer que o livro seja tão boring quanto é. Enfim, em geral eu não acho chato os livros que começo a ler achando que são legais, porque quando eu inicio a leitura com alta expectativa, o livro pode ser péssimo, mas eu vou achar alguma coisa boa que me convença de que eu fiz uma leitura que valeu apena. Essa sou eu.
Dia 26 – Fale de alguns hábitos literários seus.

Tenho a terrível mania de agir como se já tivesse lido todos os livros da minha estante, quando ainda não li nem metade.

Tenho muitos livros que não li e gostaria de ter lido/vou ler, mas também tenho muitos que não tenho a menor vontade de começar.

A maioria dos livros que eu li e gostei foram emprestados por alguma das minhas maravilhosas amigas.

Eu adoro pegar livros emprestados e emprestar os meus, acho a troca necessária e boa.

Eu adoro conversar sobre livros, por isso aprecio muito os leitores das mesmas coisas que eu.

Já passei muitos dias da minha vida sentada no chão do banheiro encostada na parede lendo, só para que quando alguém viesse me mandar parar de ler eu pudesse dizer que estava ali porque estava passando mal. Sabe-se lá como as pessoas sempre acreditam.

Eu pego muitos livros emprestados em bibliotecas, sou viciada em bibliotecas, capaz de ficar nelas só observando os títulos sem pegar nenhum por horas a fio.

Sou viciada em marca-páginas e acho um absurdo gente que marca livro com sua própria orelha, enquanto há mil e um marca-páginas maravilhosos disponíveis gratuitamente em diversos lugares.

Não consigo ler em carro/ ônibus, mas adoro ler em avião.

Gosto de ler ouvindo músicas no fone de ouvido, me concentro melhor.

Adoro passear por livrarias e meu sonho é poder passar uma noite em uma delas.

Adoro receber livros que eu nunca ouvi falar de presente.

Adoro entrar em universos paralelos. Adoro mesmo. As vezes eles são bem melhores que a realidade.

Eu amo ler.

Dia 27 – Cite um livro que você gostaria de ler mas que por algum motivo nunca leu.

Anna Karênina. Meu sonho de consumo master, mas como eu acho que vou gostar muito do livro e como acho ele muito bonito, não vou aceitar não possuir meu exemplar e, infelizmente, um exemplar novo custa cerca de cem dilmas. Na verdade, nunca encontrei em uma livraria física por menos e é o tipo de livro que ficarei frustada se tiver que comprar online, porque eu realmente quero poder escolher a edição com menos amassados e que a impressão esteja melhor, é um livro que eu amo desde antes de ter e quero continuar amando depois que eu tiver, então vivo tentando juntar dinheiro pra ele, mas vivo gastando meu dinheiro com outras coisas e vivo sem tê-lo e, bem, eu sofro demais com isso.
Dia 28 – 5 livros que estão na tua pilha de “vou ler”.

A Revolução dos Bichos – George Orwell

Walden – Henry David Thoreau

Ernesto Guevara, também conhecido como CHE – Paco Ignácio Taibo II

Platinum – Jo Ress

História das Canções: Chico Buarque – Wagner Homem
Dia 29 – Qual foi o último livro que você comprou? Fale sobre ele.

Não sei… Faz tempo! Acho que foram três: Walden, Na Natureza Selvagem e História das Canções: Chico Buarque, na feira do livro universitária que teve aqui. Se forem esses, bem, comprei o primeiro porque o protagonista da segunda história – minha história verídica favorita da vida – adorava esse livro e o autor e vivia citando e baseando-se neles e também porque li um livro do Thoreau ano passado – “A Desobediência Civil” – e achei maravilhoso, assim sendo, resolvi aventurar-me em mais um. O segundo comprei porque é um dos meus livros preferidos e nunca tinha achado pra vender e o terceiro porque adoro Chico e adoro saber as histórias por trás das músicas/poemas e, acho que será interessante.
Dia 30 – Qual o livro que você leu esse ano que menos gostou? Fale sobre ele.

“O Pequeno Filósofo”. Não gostei acho que pelos mesmos motivos que nunca consegui engolir a história do “Pequeno Príncipe”, rasa demais, infantil demais, fora do meu tempo/espaço, clichê, inútil, mas preciso confessar que, ao contrário de “Pequeno Príncipe” que pelo menos tem trechos maravilhosos, “O Pequeno Filósofo” é um livro mau escrito e bobo que não fala nada que a gente já não saiba, enquanto que “O Pequeno Príncipe” tem algumas – poucas – novidades.
Dia 31 – Qual o livro que você leu esse ano que mais gostou? Fale sobre ele.

Essa acaba de ser eleita como a pergunta mais difícil do meme. Li muitos livros bons esse ano. Muitos mesmo. É difícil até cogitar na possibilidade de escolher apenas um, assim sendo, escolherei por eliminação. Como já falei aqui sobre “Clube da Luta” e “Lolita”, falarei do meu outro queridinho do ano – que não vai ser do John Green, embora tenha amado suas obras – “Precisamos falar sobre o Kevin”. Esse livro é genial. GE-NI-AL. Porque eu já tinha ouvido muitas histórias de serial killers juvenis que matam uma galera na escola, eu assisti a “Tiros em Columbine” diversas vezes, sempre achando tudo um absurdo, mas ao mesmo tempo fantástico. Tive a mesma sensação quando li a carta que o assassino do Realengo deixou no RJ ano passado e quando o assassino do Batman atacou esse ano. Eu acho a mente de serial killers algo fantástico, sempre quis ter coragem/oportunidade de falar com um e, Kevin, em grande parte, foi a resposta para meu suplício não atendido.

O livro é escrito em cartas, ponto positivíssimo. A mãe do Kevin as escreve para seu pai e nessas cartas ela remonta toda sua história com o marido e com o filho, o modo como o criou e como o via e só no final é que eles contam o que houve no dia do ataque. É uma maneira maravilhosa de você adentrar no subconsciente de uma mãe e tentar entender suas angústias mais profundas. E o Kevin era genial. Um menino fantástico. E a mãe dele uma bobona. Sob meu ponto de vista ela é super culpada pelo ocorrido, mas o livro é justamente pra tentar provar que é possível uma mãe não amar um filho, embora no final ela descubra que ama sim. Para mim o ápice  e o que torna o livro ainda melhor é quando ele dá uma entrevista à televisão contando sobre o que fez e faz uma análise sociológica da coisa e ainda manda um recadinho pra mãe dele. Sou team Kevin forever. Nunca assisti ao filme e morro de medo de fazê-lo porque acho que vou me decepcionar e que ele deve tirar toda a graça do livro. O livro é fantástico. Não é o que eu mais gostei, pois a isso eu jamais saberia responder, mas está no  top 5 – por enquanto – com certeza!

Eis que o meme chegou ao fim! Até ano que vem pelo menos…

0 thoughts on “Meme Literário – Final

  1. Aiiin, adorei as perguntas dessa parte! Vou responder o meu assim que puder! *_* Essa do melhor livro do ano vai ser impossível, terei que responder 2.

  2. Ah, eu gostaria tanto de ter feito esse meme, mas, esse mês foi tão complicado que nem pude parar para isso, hahaha. Em compensação, li muito, e muitos livros bons que eu nunca imaginei que um dia leria.
    Eu ainda preciso dar mais uma chance para Lolita. Preciso mesmo. Mas acho que Lolita é um daqueles livros que precisam de hora certa para serem lidos. É pesado, de certa forma.

Comentários: