Uma entrevista, comigo e eu mesma.

Encontrei no blog da Tary uma lista de perguntas que achei bastante interessante e resolvi trazer para o meu blog também! Espero que vocês apreciem!

 

1- O que te levou a criar um blog?

Escrevo em diários desde os 6 anos de idade, costumava escrever contos e histórias, sempre amei escrever. Com 14 anos fiz meu primeiro blog, também chamava-se amy-mu, nunca fui criativa para nomes de blogs. Deletei-o porque não via mais sentido em escrever textos felizes e sobre coisas alheias a mim, quando eu não estava feliz. Fiz um outro blog na mesma época, fuck the society era o nome. Era onde eu escrevia meus textos revolucionários, minhas teorias malucas e expressava minha imensa vontade de viver que era intensamente reprimida pelas regras que o sistema nos impõe. Deletei-o porque minha mãe leu e brigou comigo. Criei então outro blog icily princess e este era realmente horrível. Escrevia sobre todas as coisas que me deixavam triste e eu estava bastante triste na época, então era um blog completamente depressivo. Com o passar do tempo, concluí que ninguém tinha paciência para lê-lo e parei de escrever por lá, voltei a usar papel e caneta para falar sobre meus sentimentos. Deletei-o muito tempo depois e me arrependo pois tinha uns poemas interessantes lá no meio. E então fiquei cerca de um ano sem um blog e eu realmente precisava de um, precisava escrever, colocar para fora. Estava de férias na casa da minha tia, sem nada para fazer e resolvi fazer um diário de férias, com o passar dos dias concluí que o que estava sentindo formaria bons poemas, como estava com o inglês na cabeça, comecei a fazer poemas em inglês e sentia a necessidade de postá-los em algum lugar onde alguém pudesse ler, por isso fiz este blog. Com o passar do tempo, decidi escrever mais do que meros poemas por aqui, decidi expressar neste blog a intensidade da minha vida, com todas as coisas bonitas que acontecem nela, mas as feias e tristes também. Ainda me surpreendo com o fato de que a cada post novo cerca de 60 pessoas vêm por aqui, é bom saber que 60 pessoas leem o que escrevo, é muito bom.

 

2- O que tira você do sério?

Acho que a pergunta correta seria “O que NÃO me tira do sério”. Me irrito com várias coisas, mas as principais são: hipocrisia, falsidade, burrice, ceticismo, unilateridade e gente que faz/compra/age conforme a moda.

 

3- Você tem alguma mania ou vício?

Tirando o maldito vício em internet, sou viciada em filmes, seriados, chocolate e esmaltes. Tenho mania de ficar colocando o cabelo atrás da orelha, de morder os lábios e de arrumar sobrancelhas.

 

tremenda vontade de pentear isso aí.

 

4- Qual a sua melhor lembrança?

Como assim? Muito difícil! Mas quando li isso veio uma imagem na minha cabeça: Quando eu entrei na Estação Central de Metrôs de NY e gritei “É IDÊNTICO A ‘MADAGASCAR'” e saí correndo para o meio e para olhar o quadro de horários me sentindo a própria Glória. Mas, bem… Tenho várias lembranças boas em relação a tudo e é realmente difícil escolher apenas uma.

 

5- Qual o seu maior sonho?

Não costumo quantificar meus sonhos. Os principais são: conhecer todos os países do mundo, ser inteligente, ter 4 filhos, amar e ser amada e o melhor de todos: Viver.

 

6- Se fosse um dinossauro, como se chamaria?

Que pergunta idiota. Se eu fosse um dinossauro obviamente não teria um nome, tendo em vista que dinossauros não falam e de nada adiantaria ter um nome, já que ninguém, jamais o pronunciaria.

 

7- Qual personagem da sua infância gostaria de ser?

Mais uma vez, difícil de escolher. Mas acho que escolheria Pocahontas, por causa da liberdade, do lugar lindo em que ela vivia, da pureza que ela tinha, da coragem e da sabedoria e também por ela não se render à paixão e continuar sendo fiel ao seu povo. Por ela saber que se o amor é verdadeiro, não importa a distância, ele viverá, mesmo que não do jeito que se espera. Além de tudo, Pocahontas é índia e eu sempre quis viver numa tribo indígena por alguns tempos!

 

8- Cite uma peça que não pode faltar no seu guarda roupa, e uma que jamais usaria:

A única peça do meu guarda-roupa que eu surtaria se algum dia sumisse é meu poncho azul, o resto que se dane. E o que eu jamais usaria? Várias coisas, como roupas caríssimas, casacos de pele, estampas de animais, calças coloridas, casacos sem bolso e coisas rosas e chmativas demais. Gosto de chamar atenção, mas com sutileza. Nada daquelas roupas neons horroras e afins…

 

9- Um lugar que ama:

Olha, eu responderia “a casa dos meus avós”, mas ela não existe mais, então pensei em dizer “Ceha Hum”, mas não frequento mais, no fim das contas o lugar que eu mais amo no mundo inteiro é qualquer um que tenha um cinema bem próximo ou então, sei lá… O Jardim Botânico de Curitiba, adoro passar as tardes sentada naquela grama lendo embaixo das árvores ou simplesmente pensando, não que eu já tenha feito isso, mas já me imaginei fazendo, várias vezes e foi perfeito.

 

10- Qual filme você amou e recomenda?

Bem eu ri quando li essa pergunta. Vou dizer aqui meus filmes preferidos sem serem animação, ok?

Clube da Luta, Efeito Borboleta, Na Natureza Selvagem, Brilho Eterno de Uma Mente Sem Lembrança, O Senhor dos Anéis, Harry Potter, Kill Bill, Pulp Fiction, Cisne Negro, A Origem,  Batman e o Cavaleiro das Trevas, O Fabuloso Destino de Amélie Poulain, Sweeney Todd, Dirty Dancing e bem… chega né.

 

11- Qual o último livro que você leu?

Não faço ideia! Faz muitos meses que não termino um livro! Talvez o último tenha sido “Fallen”, talvez eu tenha lido outro depois desse, realmente não lembro.

 

12- Qual palavra te define?

Lembro que quando tinha 12/13 anos vivia perguntando isso para as pessoas! Nunca consegui encontrar a resposta, talvez seja “sensibilidade”, talvez seja “sinceridade”, talvez seja “intensidade”, acho que nunca saberei ao certo e isso que é legal, não conseguir decifrar nem a si mesma! Ta aí uma palavra: “Indecifrável”. Quem sabe?

 

Se alguém quiser responder a essas perguntas, sinta-se à vontade.

Comentários: