Nostalgia.

Escutem isso enquanto leem.

E se você não curte um spoiller, don’t worry. Nada de spoillers por aqui.

Foi o que eu senti as 22h de ontem, quando a mãe da minha amiga passou aqui em casa para levar eu e mais uma amiga para a pré-estreia de Harry Potter.

Sim, esse assunto é banal para a maioria das pessoas, mas eu estaria sendo tosca se não comentasse sobre tal fato.

Ficamos duas horas esperando pelo filme, eu achava que tinha comprado ingressos para assistir em 2D, na última hora descubro que era para 3D, perfeito. Quer dizer, quase perfeito, porque nossos lugares eram bem separados, tendo em vista que eu demorei pra comprar os ingressos e tal. Mas logo ficou perfeito, porque roubaram os lugares das minhas amigas e tinha dois lugares vagos ao meu lado, então elas foram para lá e nós pudemos assistir ao tão esperado filme juntas. Eis que começa, mas não toca minha musiquinha preferida, um tanto frustrante, mas logo a frustração passou. O filme era PER-FEI-TO. Extremamente maravilhoso. Com todas as cenas que eu tinha imaginado, algumas muito melhores do que eu tinha imaginado. A grande decepção ocorreu no meio do filme, quando a cena que eu mais aguardava tornou-se completamente frustrante. Depois disso, o filme perdeu um pouco da graça. Mas hoje eu revi! Fomos na estreia do Imax, porque lá é tudo diferente e melhor e os efeitos foram AMAZING, sério. Senti como se eu estivesse voando. Foi lindo. Hoje consegui achar o filme inteiro lindo e maravilhoso, mesmo tendo faltado várias partes da história e tendo várias coisas modificadas. Sim, sou crítica o suficiente pra ficar achando defeitos em plena pré-estreia/estreia.

Mas não foi sobre isso que vim falar.

Nos dois dias, o filme terminou e eu fiquei lá na cadeira, olhando todas aquelas pessoas fantasiadas levantarem para ir embora. Lá, paradinha, olhando para as minhas amigas e dizendo “eu não quero levantar daqui, não quero ir embora, não quero.” Lógico que acabei indo embora, mas doeu. Muito.

Não tive a infância mágica que muitos de vocês tiveram. Mamãe não permitia que eu visse ou lesse os livros do bruxinho com uma cicatriz de raio na testa, porque ela dizia que bruxaria era ruim e não seria uma boa influência para a minha pessoa. Funcionou, até a gente se mudar para Curitiba. Lá na minha cidade, ninguém ligava para Harry Potter, mas aqui era tudo diferente. Na minha escola nova todo mundo só falava disso e eles se reuniram e a turma inteira foi na estreia do filme daquele ano e eu não fui, porque não gostava. Como poderia gostar de algo que nunca havia experimentado? Não gostava de Harry Potter e não fazia o menor esforço para gostar. Então comecei a fazer teatro e uma das meninas era completamente apaixonada por tal bruxinho. Ela falava dele todos os dias, tinha todas as revistas possíveis, os livros, filmes, tu-do. A conheci no ano que lançaram o último livro e quando ela terminou de lê-lo queria contar para alguém, ninguém queria ouvir, mas como eu não ia entender nada mesmo, deixei que ela me contasse. Depois disso, nunca mais ouvi falar sobre Harry Potter.

Um dia porém, estava eu em São Paulo, indo para o cinema com um grupo de amigos e descubro que íamos ver Harry Potter e o Enigma do Príncipe. Tudo bem. Avisei que não ia entender nada, que nunca tinha visto nada, que só sabia quem era o Harry, o Rony e a Hermione e que ia ser um saco estar ao meu lado, mas eles não se importaram. Lá fomos nós. Quando estou na fila descubro que aquele era o fim de semana da estreia (ou era o dia da estreia? Não lembro mais…) e foi assim que eu vi Harry Potter pela primeira vez. Dias depois, estava na minha casa e meu irmão me convida para ir ao cinema com ele, eu aceito. Quando chego lá descubro que a namorada dele adora Harry Potter e estávamos indo assistir Harry Potter e o Enigma do Príncipe. De novo. O detalhe é que mesmo sem entender bulhufas eu chorei, entrei em pânico e fiquei tremendo. Tudo porque achei o Dumbledore extremamente fofo e fiquei aterrorizada com a cena de sua morte.

Meses depois estava eu em Fortaleza e minha prima estava me contando que gosta muito de Harry Potter. De novo o tal do Harry Potter. Disse para ela que nunca tinha assistido a todos os filmes, então ela foi na locadora e alugou todos eles e nós assistimos a todos, um seguido do outro. Quando Harry Potter e o Enigma do Príncipe havia acabado, fomos correndo para o Google pesquisar o que aconteceria no próximo filme. Precisávamos saber. E daí já era.

Estava na escola meses depois, contando para a minha amiga o quão frustrada eu estava por não saber direito o final de Harry Potter, quando ela me olha e diz “Você nunca leu os livros?” e eu respondo “não…” e eis que no outro dia ela aparece na escola com um livro de Harry Potter e a Pedra Filosofal, entrega na minha mão e diz “Eu tenho todos e vou te emprestar todos, você precisa lê-los.” Para quê.

Foi assim que passei o meu ano de 2010 inteiro lendo os livros do Harry Potter. Fugindo para seu mundo mágico a cada vez que o meu mundo real estava um lixo. Adentrando em Hogwarts em todos os momentos que julgava necessário. Passei a respirar o mundo da magia. Desde então, o mundo ficou completamente diferente. Desenvolvi uma capacidade bizarra de relacionar 99% das coisas com Harry Potter. E então descubro que o último filme ia estrear no final daquele ano. Surtei. Fiz uma camiseta para eu e minha amiga (a mesma que foi comigo na pré-estreia ontem e na estreia hoje e que aguenta me ouvir falar a respeito de tal série a maior parte do dia) e fomos para a pré-estreia. Foi maravilhoso. Dias depois descubro que ela vai fazer um intercâmbio e suplico para que ela esteja de volta para ver a pré-estreia do último filme comigo e, ela estava.

E… Puxa… Se eu aqui, pobre trouxa, que passou apenas um ano apaixonada pela série estou nesse estado, imagino como estão os corações de vocês, que tiveram a incrível oportunidade de crescer com o Harry por perto. Imagino como vocês se sentiram quando aquele filme terminou. Eu me senti assim:

E então estou aqui agora para agradecer. Quero agradecer à querida J.K. Rowling por ter nos proporcionado tantos momentos de aventura, magia e diversão e por ter nos ensinado que o amor vence tudo, supera tudo e é maior do que tudo e que as amizades verdadeiras suportam até as piores coisas. Quero agradecer ao elenco maravilhoso dos filmes, que perto dos livros são meros resumos, mas resumos lindos e expressamente importantes, mas, principalmente, quero agradecer aos meus amigos. Aqueles que me fizeram assistir Harry Potter pela primeira vez, aqueles que me emprestaram os livros e estiveram ao meu lado nos cinemas e a todos os que suportaram ouvir-me falar abundantemente a respeito dessa série que não é apenas uma série de livro, é um pedaço da história da minha vida. Quero agradecer a todas as pessoas que ouviram pacientemente minhas teorias Potterianas malucas, que eu pronunciava com um brilho incrível no olhar. Quero agradecer a todos vocês, que são capazes de deixar o meu mundinho um pouco mais mágico.

Obrigada Harry Potter, por me fazer chorar, rir, amar, temer, aventurar-me e até por criar um pouquinho de coragem em mim. Obrigada Rony Weasley por me ensinar a ser leal, manter sempre o bom humor e nunca desistir de seu amor. Obrigada Hermione Granger por me mostrar que estudar serve para alguma coisa e que é importante, por me ensinar a continuar ao lado de quem eu amo, não importa o que aconteça e não deixar de seguir o que eu acredito, mesmo que tudo tente me fazer desistir.

Eu poderia passar o dia aqui agradecendo e eu realmente tenho vontade de fazer isso, porque eu sei que não está acabando, nunca vai acabar. Harry Potter sempre estará aqui comigo. Mas sinto como se eles estivessem um pouco mais distantes agora… Não quero parar de escrever sobre eles porque não quero que eles vão para muito longe. Quero mantê-los ao meu lado, o máximo possível. Porque em todos os momentos que ninguém me aguentava mais, eu fugia para Hogwarts com eles e tudo estava bem de novo. Sinto nostalgia agora, acho até que posso dizer que eu amo vocês. Por mais fútil e ridículo que isso possa parecer. Amo, porque me ensinaram muitas coisas e agradeço, porque é o máximo que posso fazer.

Agora silencio-me enquanto aguardo a sua volta.

1 – E se alguém sonha em me dar um presente caro algum dia, comecem a juntar dinheiro para pagar minha passagem para Londres, porque assim que o set de gravação virar um museu eu necessito visitá-lo.
2 – E, só pra constar, sempre que algum de meus amigos estiver precisando de uma companhia para algo relacionado a Harry Potter, estarei aqui.

0 thoughts on “Nostalgia.

  1. Mayra, me identifiquei com seu post porque também me apaixonei por Harry depois de um tempão. Foi em 2009 que eu li todos os livros e me encantei, depois de muito relutar e achar que não me interessaria. Enfim, tô mais feliz de ter podido acompanhado essa história do que triste por ter acabado… fica o vazio, claro, mas ainda estou aproveitando a euforia. Beijos, flor!

  2. Chorei lendo o post (como se já não tivesse chorado o suficiente com toda essa história de final), mas enfim… magic will never end 🙂
    Um dia esses dias de tristeza passarão, e aí só vai nos restar reler os livros e rever os filmes pra ter a história na ponta da língua quando nossos filhos nos fizerem perguntas no futuro 😀

    Ps: Essa screencap aí da fala do Harry fui eu que montei kkkkk Postei no tumblr no dia 14 mesmo, toda chorosa… </3

    Beijos, flor!

Comentários: