Há um bom tempo um amigo me disse que tentava adentrar os sonhos dos outros enquanto dormia. Tratava-se de um processo esquisito que ele provavelmente viu em algum filme, mas que consistia em mentalizar muito bem a pessoa desejada antes de deitar e tentar voluntariamente sonhar com ela. Quando isso acontecesse você deveria tentar transmitir esse sonho pra pessoa, como eu não sei. Mas sempre achei essa teoria no mínimo interessante, afinal, se tem algo que sempre me invocou foi: será que sempre que eu sonho com tal pessoa ela sonha comigo?

Sei que não é bem assim, várias vezes sonhei com minha mãe e ela não tinha sonhado comigo, mas eu sempre acho que talvez em algumas ocasiões isso seja possível. Tem que ser, caso contrário, como explicaríamos aquela sensação bizarríssima que ocorre quando damos de cara com a pessoa que a gente sonhou? Não sei se é só comigo, mas sempre que eu sonho com uma pessoa aleatória e de repente a encontro me sinto muito incomodada, parte de mim sabe que ela não sabe que eu sonhei com ela ou o que aconteceu no sonho, mas outra parte fica cismada com a possibilidade de a pessoa saber sim o que aconteceu e estar te torturando de uma maneira que nem você é capaz de saber. Sim, eu sou paranoica a esse nível.

Recentemente, por exemplo, sonhei com uma pessoa da minha universidade com a qual eu nunca falei ou sequer sei o nome. Apenas a vejo por lá vez e outra e tive um sonho muito esquisito em que revivíamos uma cena de Gossip Girl e eu nem tinha visto o seriado recentemente. Estávamos em um fusca azul, no meio de uma estrada aleatória tentando solucionar um mistério que estava envolvendo alguns de nossos amigos. Típico sonho que ninguém no mundo além de mim é capaz de ter. Pois é. Enfim. O sonho foi superinteressante porque eu adoro essa coisa de ser investigadora e a gente conseguiu solucionar o mistério e do nada eu acordei em casa, mas é claro que eu ainda estava dormindo na vida real, porque quando inventaram o filme “Inception” estavam pensando em mim. O fato é que desde que isso aconteceu, todas as vezes que eu vejo a pessoa na universidade me sinto esquisita e fico envergonhada porque, Deus do céu, eu sonhei com aquela pessoa e eu não sei nem que curso ela faz.

Eu sofro muito com minha relação de sonhos. Eu queria poder escolher com quem sonhar. Queria poder escolher se sonharei em preto e branco ou a cores, porque é deveras aflitivo, mas na maioria das ocasiões os sonhos vêm em preto e branco. E desde que eu assisti a “Inception”, because I’m that paranoid, vivo pensando que quando sonho com essas pessoas aleatórias é porque elas invadiram o meu sonho e estão tentando implantar uma ideia macabra na minha cabeça. E assim sendo eu passo uma verdadeira epopeia tentando descobrir que ideia seria essa, para que eu tenha a capacidade de por mim mesma negá-la e agir completamente diferente do que o besta que entrou na minha cabeça queria que eu agisse.

O pior é que não faz o menor sentido pensar que alguém, algum dia, por algum motivo, iria querer invadir um sonho meu pra implantar uma ideia boba, não importa qual fosse. Mas desde que meu amigo disse que tentava fazer isso, fiquei realmente com medo. Vai que alguém já conseguiu? Vai que, de fato, todas as vezes que eu sonho com as pessoas, de alguma maneira elas sabem? Mas se fosse assim, eu saberia quando alguém sonha comigo e nunca senti nada diferente, mas sei que já sonharam. Pelo menos minha mãe o fez.

Eu não me sinto confortável com a hipótese de sonhos, de alguma maneira, fazerem parte da realidade. Essa ideia macabra de que eles influenciam a realidade, ou de que são desejos que gostaríamos de realizar… Quer dizer, já sonhei que minha melhor amiga namorava o Michael Jackson e, assim, eu posso ser louca, mas jamais ia querer que a coitada tivesse um namorado daquele! Em compensação eu já sonhei com a minha avó regendo um coral com todos os integrantes da família e depois carregando meu tio e quando eu fui dizer que era eu quem queria ir junto ela disse que estava na vez dele, mas que em breve buscaria mais um. No outro dia meu tio estava morto e seis meses depois outra tia estava. E eu sei que isso pode ser apenas coincidência, mas e se tiver algo a ver? E se tiver a mínima chance de ser real? E se, lá no fundo, os sonhos de fato querem dizer algo e não é apenas um monte de reflexos idiotas do nosso subconsciente repleto de informações inúteis? Eu não sei. Só sei que em diversas etapas da minha vida, por mais que eu seja absolutamente viciada em dormir, fico com medo de me deitar e sonhar com algo que certamente não gostaria de saber. Às vezes eu evito dormir por medo dos sonhos que podem advir do fato. Enquanto outras vezes tudo que eu preciso é de um bom sonho pra me sentir aliviada. Sonhos, o verdadeiro mistério da fé humana. E eu preciso ser uma super credora neles, tendo em vista que os meus são os maiores, mais bizarros e mais impossíveis que o universo já imaginou existir em algum momento.

Eu sei, eu sei, sou lunática, paranoica e deveria urgentemente ler o livro do Freud, mas a questão é que eu não gosto de tentar encontrar respostas para as minhas questões, gosto apenas de pensar em coisas bizarras e perder meu tempo tentando desvendá-las, por contra própria, pois com auxílio de textos seria completamente sem graça!

E nem ousem perguntar meus motivos para ter escrito esse texto, porque, fora a angústia de achar que alguém vê o que eu sonho, não há.

0 thoughts on “Para-Noia

  1. Sabe que eu também tenho uma relação meio mística com os meus sonhos? Meus pais são psicólogos, então cresci ouvindo que os sonhos eram meras manifestações do inconsciente. Mas não sei, eu tenho encontros lindos nos meus sonhos, cheios de significados, e não consigo acreditar que seja só isso.
    É uma teoria interessante essa sua… Será que é possível sonhar com alguém e a pessoa também sonhar com você?
    Um beijo!

  2. Gente, eu super te entendo. Eu não tenho essa sua paranoia de chegar ao ponto de achar que alguém está invadindo meus sonhos ou meus pensamentos e coisa e tal. E acho normal a gente se sentir mal depois de ter certos sonhos com as pessoas, especialmente com quem não temos muito contato ou contato nenhum.
    E sabe, eu costumo dizer que sou a rainha dos sonhos bizarros, Hollywood adoraria comprar uns pra fazer de roteiro pra filme. Sério. Já sonhei que era mutante, que estava em NY correndo de velociraptors e T-rex’s, que tava falando em inglês com alguém e tava tudo legendado. É.
    É sempre bom saber que em matéria de bizarrice, a gente não tá sozinho .D

Comentários: