Pelo direito de ficar Irritada!

Não sei o que tinha na cabeça a pessoa que inventou a tpm. Ok, sei que a pessoa não inventou, visto que a parada devia simplesmente acontecer, mas alguém foi lá e deu um nome e eu sempre imagino um cientista maluco fazendo isso com um esquema de hormônios e células desenhados em um quadro e finalizando a exposição da nova “tensão” descoberta com a frase “mulheres não ficam irritadas, elas têm tpm”. Aí imagino que todas as pessoas que estavam na conferência deletaram a explicação inteira, gravaram a última frase e reproduziram exaustivamente de Norte a Sul, Leste a Oeste.

Quando pequena eu achava que tpm era simplesmente os dias que antecediam a menstruação, depois aprendi na escola que na verdade era uma série de sintomas causados pelo desequilíbrio hormonal e que causava cólicas, dores de cabeça, hiper sensibilidade, agressividade e mais vários outros sintomas. E a professora explicou que poucas são as mulheres que realmente têm tpm, mas as outras escutam tanto sobre que acabam incorporando por osmose a coisa. Já vi gente que não consegue se mexer de tanta cólica, outras que passam mal do estômago, aquelas que ficam deprimidíssimas e as que querem explodir o universo. Não me considero parte de nenhum grupo porque até pouco tempo atrás eu sequer sabia que estava perto de menstruar, só descobria quando ia fazer xixi e a calcinha estava suja e eu ficava brava por meu corpo não ter indicado de nenhuma maneira.

Menstruação é um tabu feminino – o universo feminino é cheio deles. Talvez pelo fato de ser uma coisa considerada suja, desagradável e incômoda é bem raro ouvir-se falar sobre e quando se faz é porque se está entre amigas muito íntimas. Aí, por algum motivo, essa ideia do cientista maluco foi atrelada ao nosso bom sangue mensal, indicador de que somos saudáveis e ainda não seremos mamães e as coisas pioraram de vez, porque mulher menstruada é mulher chata, porque mulher perto da menstruação é insuportável, porque se mulher já é difícil, imagine quando tem sangue no meio e assim vai.

A coisa que mais me irrita em toda essa falácia é o fato de não poder ficar irritada ou deprimida ou sensível ou semelhante. Se você chega para qualquer pessoa e fala “hoje acordei com uma vontade de matar alguém” imediatamente você houve “tá com tpm?”, como se a nós fosse excluído o direito de querer matar pessoas, simplesmente porque temos essa coisa chamada ciclo menstrual. Oras bolas, se fosse assim não existiriam meninas-crianças irritadas e sensíveis e minha avó nunca teria brigado comigo.

Aí você tem vontade de ver um filme pra chorar e ninguém quer saber o motivo, porque automaticamente inferem ser tpm. Depressão é tpm. Daqui a pouco vão dizer que tpm é causa de suicídios entre jovens e afins porque bastou ser mulher e ter mais de treze anos para que quase todas as pessoas que você conhece modelem a sua vida de acordo com seu ciclo menstrual, admitindo que suas reações e atitudes são absolutamente pautadas por seus hormônios ou pela falta deles. Inclusive, tpm deixa de ser uma espécie de doença e se transforma em um espaço tempo, só para que não aja desculpas e seja plausível dizer que todas as mulheres têm.

Só que não é assim. Se eu só ficasse irritada porque estava prestes a menstruar ou se só tivesse vontade de chorar por causa disso e se só quisesse pular da minha janela quando sei que dali a dois dias estarei sangrando, ah… minha vida seria bem mais fácil. Seria algo como “ok, não dê corda pra esse sentimento, em dois dias você volta ao normal” e pronto. Só que não é assim. A gente menstrua, algumas de nós realmente têm tpm, algumas fazem tratamentos sérios por causa disso, algumas sentem nada e nada disso importa, continuamos sendo tão gente quanto todas as outras gentes e nossas sinapses nervosas têm tanto direito de sentir coisas além de felicidade eterna quanto quaisquer outras mentes.

A coisa é tão intensa que o “estar com tpm” passa a ser tão natural quanto responder “tudo bem” quando te perguntam “como você está?” e sua vida está um lixo, mas você está com preguiça de contar. As mulheres admitem a tpm para elas mesmas e acabam respondendo “é, tpm” quando alguém vê ela chateada e fala “deve ser tpm”. Muitas sequer pensam que pode ser qualquer outra coisa, porque o único motivo plausível para uma mulher não estar se sentindo bem com ela mesma é sangue. De repente toda a pressão social e o contexto psico-biológico-social-histórico-cultural se esvai e o encargo emocional é reduzido a três letras que a maioria dos homens que enchem a boca pra dizer “essa aí tá com tpm” sequer sabem o que significa.

As pautas referentes à tensão pré menstrual e menstruação em si são inúmeras. A quantidade de coisas que a isso são atreladas e toda a significação que cerca é infindável. Começa pelo tabu, vai para indústria de absorventes e afins, passa pela mitologia popular referente a ela, encontra os remédios que tentam amenizar os efeitos, chega no assunto pelos e termina com o fantasma da gravidez. Consigo imaginar um mol imenso de trabalhos acadêmicos na área de antropologia sobre o assunto, discussões interessantíssimas que espero que um dia sejam feitas e possibilitem que as pessoas sintam menos vergonha de falar sobre elas mesmas e de admitir que nem tudo é culpa dos hormônios. As vezes o mundo realmente é uma bosta.

3 thoughts on “Pelo direito de ficar Irritada!

  1. Eu sempre me irrito com essa pergunta diante de uma situação de nervosismo: ta de TPM?
    E pior que NÃO, eu nunca estou de TPM, eu não sinto nada diferente na tal época da TPM, mesmo quando eu uso isso como desculpa para chorar e/ou ganhar chocolate (eu ajudando a espalhar o mito da TPM, my bad). Não sabia que é a maioria das mulheres que tem sintomas da TPM, achei que era pela minoria, dado a quantidade delas colocando culpa nisso.
    Ótimo texto, ótima reflexão!

  2. Eu já sou normalmente uma montanha-russa de emoções. Na TPM isso apenas fica mais acentuado, mas nunca ninguém associou minhas oscilações de humor com TPM, pelo menos não na minha frente, ou talvez eu nunca tenha reparado por que senão estaria tão ou mais indignada quanto você. o.O

Comentários: