Por favor, não goste de Futebol.

Daí que eu nasci numa família fanática por esse jogo bobo em que 20 caras ficam correndo atrás de uma bola e tentando acertar numa rede, que tem um cara impedindo a bola de entrar.

Cresci assim e confesso que até os meus 12 anos, por aí, adorava o tal jogo. A ponto de entender as regras, saber a escalação completa do meu time, ter pôsteres espalhados pela casa e exigir uma camisa oficial. Também era dessas que faltava aula pra ver a escalação da seleção na época da copa, que pintava a cara com as cores da bandeira para ver os jogos, que xingava todo mundo que não deixava meu time fazer gol e que ficava rouca torcendo pelo Brasil. É. Não tenho a menor vergonha de ter feito isso, mas tenho um tremendo orgulho por ter passado dessa fase e percebido o quão boba é essa cultura fultibolística brasileira.

Com tanta coisa para ser considerada cultura por aqui, vão escolher logo o futebol.

Minha indignação começou quando percebi que esse esporte funciona como o Pão e Circo moderno, quer dizer, podem estar roubando fortunas, matando muita gente e fazendo todo tipo de calamidade por aí, mas o povo nem liga, nem vai ficar sabendo, porque ao invés de mostrarem essas coisas gastam tempo dos jornais falando de futebol, ao invés de explorarem assuntos que merecem ser explorados, exploram o futebol. Ao invés de estimular o pensamento da população, estimulam é o futebol. Então pra que pensar em acabar com a corrupção e governar com responsabilidade? Há programas sociais que fornecem comida aos que não tem e há futebol servindo de diversão gratuita – quando visto na televisão – e de endividador profissional – quando resolvem ver todos os jogos no estádio.

O detalhe é que além de ser um esporte bobo, sem a menor graça e de ter todo esse valor alienante agregado, o futebol ainda é a máscara para a violência de torcidas organizadas (gente que acha que perder um jogo é a mesma coisa que levar uma facada no peito e por isso sente que precisa bater na maior quantidade possível de gente do outro time), violência entre polícia e civis e violência entre todo mundo, mesmo. Basta ver uma conversa sobre futebol entre pessoas que torcem para times rivais. Tem gente até que não se torna amigo de quem torce para seu time rival, corta relacionamentos, mensura TUDO pelo futebol. É gente lunática que não acaba mais.

Isso sem contar os dias de jogo… Os domingos e quartas-feiras em que não se pode ir ao twitter sem ficar lendo sobre os placares, os juízes ladrões e todas as outras coisas do tipo, em que a gente não pode sair de casa no horário do jogo porque as famílias têm medo de ter briga na rua e você acabar sendo alvo de algum tipo de violência e em que pairam as gritarias, os fogos de artíficio e as pessoas bêbadas. (Porque futebol sem cerveja não tem graça)

O que me deixa mais irritada com o futebol no entanto, além do fato de os ingressos serem muitas vezes caríssimos e mesmo assim acabarem em questão de segundos, além de receber muito mais estímulo do governo do que o teatro, cinema e a música independentes, além de juntar praticamente todos os brasileiros durante aqueles 90min é a tal Copa do Mundo. Os brasileiros não gostam do país, em geral, mas no ano da Copa todos têm um orgulho danado de serem daqui, acham super certo que os comércios e as escolas não funcionem nos horários dos jogos, compram camisetas etc e etc para se caracterizarem de brasileiros e saem gritando pelas ruas o quão orgulhosos são de viverem aqui. Daí se o time ganha vira um fusuê danado, o jornal fica voltado a isso e os buzinassos são constantes. Se o time perde, tem gente que se embebeda mais ainda, outros choram, outros ficam deprimidos, outros começam a xingar o time que eliminou o nosso e reina a discórdia. Daí 3 meses depois de tudo isso é a eleição para presidente e governador e o povo vota nas mesmas pessoas de sempre, sem se preocuparem com nada porque ao invés de passarem o ano inteiro preocupado com isso perderam seu tempo planejando as coisas da copa e pras eleições nem deram bola. E a Grande Mídia, ao invés de focar os candidatos e afins durante o ano inteiro o faz somente nos três meses entre a copa e a eleição, de acordo com os seus próprios gostos, enganando mais gente, alienando mais etc, etc e etc.

Para findar o assunto preciso comentar a Copa do Mundo de 2014, que acontecerá no Brasil. Primeiro pra dizer que o governo do Paraná diminuiu 20% de seu investimento à Faculdade de Artes do estado para “ter mais dinheiro para construir estádios“. Segundo para dizer que estão gastando muito mais do que com Educação e Saúde – coisas básicas de todo o governo – com a construção e reforma de estádios. Estão gastando uma fortuna pra fazer estádios na Amazônia sendo que nem tem times grandes de futebol por lá, nem vão usar um estádio super bem estruturado lá e é um TREMENDO desperdício de dinheiro. Duvido que todo o dinheiro arrecadado para os estádios esteja realmente sendo usado para isso, se tivesse não estariam com as obras TÃO atrasadas. Terceiro para reforçar que o Brasil ocupa o octagésimo não sei quantos lugar no nível de educação mundial, mas as pessoas insistem em ficar mais tristes pelo fato de ele não ser o melhor do mundo no futebol atualmente.

Estou aqui portanto para dizer que não me importo de vocês terem o futebol como a coisa mais importante de suas vidas, não ligo por dizerem que morreriam por seus times, não me importo mesmo. Só gostaria que colocassem a mão na consciência e percebessem que não tem coisa mais alienante do que isso e que vocês poderiam desperdiçar seu tempo com coisas pelo menos um pouquinhozinho mais úteis.

Esse é mais um post da série “Por favor, não goste” dedicado ao meu futuro namorado/marido/qualquer coisa assim, para que saiba que eu jamais manterei relacionamento com alguém que prefere futebol do que eu.

0 thoughts on “Por favor, não goste de Futebol.

  1. Olha, eu até confesso que morro de vontade de entender de futebol. Mais pra poder conversar com os amigos que não são fanáticos que qualquer outra coisa. Mais porque VAI QUE por não entender eu acabe perdendo uma vaga em jornalismo esportivo ou sei lá, rs. Mas queria entender, sim. A única vez que torci de verdade foi na última Copa, onde a Espanha ganhou (ARRIBA FURIA! :P). Mas talvez porque meus familiares que gostam e meus amigos sejam bem tranquilos quanto a isso, e só, então tenho vontade de aprender, sim. Não acompanhar nem me matar por um time, porque sinceramente, não estou nem estão nem nunca estaremos ganhando nada com isso… E eu realmente entendo sua opinião quando a violência ou a darem suas vidas por algo nem tão especial assim, enquanto poderiam dedicar a algo que beneficiasse, que fizesse as pessoas e o país crescer de verdade… 🙂

  2. Eu também já gostei de futebol. Foi um intervalo de amor ao time entre meus momentos ‘I don’t give a fuck’ (antes) e ‘Porra, humanos, why so burros?’ (depois). Ano passado, na época da copa, lembro de ter escrito um post sobre isso. E eu me sentia como você. Gente, como dói ver todo mundo tão alienada.
    Hoje eu já entendo mais os dois lados. As pessoas gostam de futebol aqui e em qualquer lugar do mundo, o problema é que no nosso país é muito fácil de transformar em circo. Eta desgosto.
    Mas eu juro, tem que respirar um milhão de vezes em dia de jogo. Odeio a humanidade em dias de final de campeonato. O que foi domingo??? Quis matar todos.
    Olha, procura o Le Monde Diplomatique Brasil de novembro (acho). É sobre a copa, tem uma capa facilmente identificável. Eu li e amei! É muito esclarecedor, diz muitas verdades e coisas que a gente não sabe, coloca os dados na cara. É muito bom, leia!
    Odeio futebol, dá um abraço.

    E sobre seu comentário: “tirando que eu sou a pessoa que adora mimar e não perde chance de marcar território/mostrar-se interessada [ou seja, é praticamente impossivel fingir que nao me importo” EU TAMBÉM! Eu acho muito difícil fazer joguinhos porque sinto a coisa e pum! Demonstro a coisa.
    Beijo, May! Adorei o post.

  3. Eu já fui bem viciada em futebol. Mas com o tempo foi virando apenas uma admiração. Este ano, como estou morando em Brasília, não acompanhei muito de futebol, porque torço para o Cruzeiro, time de Minas, daí nem passava por lá os jogos. Sem contar que o meu time quaaaase foi para a Série B. Eu acho que você tem razão no seu texto. Só que ao mesmo tempo eu me pergunto: será que é tudo culpa do futebol ou é apenas um artifício? Boa reflexão do seu texto!

Comentários: