Melhores do Ano – Vídeos

Eu sei que 2013 já acabou, mas precisava guardar em um local seguro os vídeos que foram lançados nesse ano e me renderam muitas gargalhadas.

1 – One Direction: Olha a Onda

One Direction é, por si só, uma banda genialmente zoada. Eles têm músicas muito anos 90, (Nick Carter + Timberlake feelings), usam roupas e cabelos muito esquisitos para garotos comuns, as letras das músicas são clichês e bobas, os clipes são grandes, super produzidos e quase nunca fazem sentido, as danças são epicamente sensacionais e é impossível ouvir a uma música e não balbuciá-la pelo resto de sua vida. One Direction é tão ruim que chega a ser épico. Só que tem como ser mais épico. Porque dá pra acoplar vários clipes deles e colocar “Olha a Onda” como fundo. Esse, honestamente, é o vídeo que mais me faz rir. Não importa o que esteja acontecendo, eu lembro desse vídeo e a vida volta a ser feliz. Obrigada fãs de 1D.

2 – The Fox – Ylvis

Quando minha amiga me passou esse vídeo achei que era alguma zoeira de um vlogger e que nunca ia ter ibope. Aí de repente todo mundo ficava cantando “what does the fox say?” e imitando a dança absurdamente bizarra que o cantor tem a capacidade mental de inventar e reproduzir enquanto vestido de raposa. Esse vídeo é genial pelo mesmo parâmetro do anterior: é ruim. É aquela coisa trash. Você olha pra isso e tem vergonha de existir. Mas tem vergonha enquanto tá morrendo de rir, então dane-se.

3 – Quadradinho de Borboleta – Bonde das Maravilhas

Bonde das Maravilhas é outro desses virais completamente sem sentido. Quantas tardes eu passei tentando imitar esses passos e morrendo de rir com o passinho do bate bate? Por favor, a pessoa que inventa esses passos tinha que ganhar um prêmio, mas as que conseguem executar tinham que ganhar um prêmio maior ainda, porque são coisas absurdas. Todo mundo ouviu isso esse ano e aposto que achou o máximo. Porque não há nada mais inovador e ostentador do que ter um helicóptero pro clipe e não fazer nada com ele, mas deixá-lo como plano de fundo porque elas, a dança e a paisagem se bastam.

4 – Pantera Cor-de-Rosa – Munhoz e Mariano

Além do funk, outra área musical do Brasil que não cansa de surpreender é o tal do sertanejo. Cada ano que passa as músicas ficam mais monossilábicas e esquisitas. A dor de corno está em decadência, o negócio agora é provar que você pode ter quem você quiser. Essa letra de Munhoz e Mariano consegue ser ainda mais poética que o pobre rapaz do Camaro Amarelo, que só conseguiu a mulher dos seus sonhos depois de ficar rico. Aqui, a dupla exibe um visual arrojado e nada a ver com eles, enquanto narra a história de uma menina que se veste “do jeito que homem gosta” só porque quer “dar o que falar”. Acrescente um camarada vestido de pantera, uma ambientação temática do filme da pantera cor-de-rosa, várias dancinhas sem sentido e o sotaque interiorano que só cantores sertanejos sabem ter e pronto, aí está essa obra prima.

5 – Quem é o Teu Homem? – Mc Maromba

Aqui temos um clipe genial. “Maromba”, pra quem não sabe, é a gíria utilizada quando querem falar que um cara é muito musculoso (bombado). A primeira vez que eu vi o vídeo, fui logo achando que seria algo parecido com MR Maromba (absurdamente sensacional), aí me deparei com um cantor não bombado, dançarinas sensualizando com latas de lixo, pessoas com vozes de narrador de propaganda das Casas Bahia, garotinhos gordinhos e todo outro tipo de bizarrice em uma música que só diz que o cara chega na menina com um cartão e pergunta “quem é o teu homem?” e diz pra irem pro cartório pra ele passar ela pro nome dele. É o cúmulo da coisa errada atrás de coisa errada e quando você termina de ver e fica com aquela cara de interrogação precisa rever pra ter certeza de que viu aquilo mesmo e aí já era, você sai por aí cantando.

6 – Show da JMJ – Renas Dance

Mc Anitta foi o boom brasileiro do ano e ela é muito linda e as músicas dela são divertidíssimas e os vídeos dela são ótimos (olha isso!), só que houve a Jornada Mundial da Juventude no Brasil e é claro que católicos fervorosos não podem sair por aí dançando as letras da Anitta, ainda mais com as roupas e coreografias que ela usa. Ainda bem que existem as adaptações, certo? Certo. Porque essa é hilária.

Ah… O Ano Novo…

Um dia eu bradei para o universo com todas as letras que a data comemorativa que mais me irritava era o carnaval. Ledo engano. Existe no ano novo. Acho que sempre o desconsiderei porque nunca o vi como uma data comemorativa, sempre foi o dia do show gravado da globo seguido por incontáveis fogos de artifícios e ir dormir. A única vez que foi diferente foi mais emocionante, mas era por causa do lugar e não da festividade. Afinal, pouco importava o que era comemorado quando eu estava em Times Square com uma neve fininha tentando enxergar fogos super rápidos e sem graça enquanto ouvia pessoas felizes cantando músicas tão velhas que eu nem lembrava que existiam e entendia que existe algo além da música da globo e daquela outra insuportável do “adeus ano velho, feliz ano novo”. Ano novo é uma cilada.

O problema começa com o nome, porque alguém resolveu inventar que era “réveillon”, palavra esquisita de origem esquisita que eu não sei o que significa, mas quando coloco no google translate ele traduz para “new year’s eve”. Eu sequer sei como é que se fala réveillon e, sinceramente, não faço a menor questão. Após o nome vêm todas as hipocrisias. Pessoas que passam o ano inteiro xingando os umbandistas e macumbeiros começam a ovacionar Iemanjá, a Rainha das Águas, sem fazer a menor ideia do que ela representa e de pra que servem as oferendas. Aí pulam ondas, guardam romãs na carteira, escolhem roupas de cores específicas e fazem mil e uma outras coisas, para depois se embebedarem, dormirem e recomeçarem a vida exatamente como em todos os outros anos. As mesmas manias. Mesma forma de encarar as coisas. Mesma rotina. Mesmos gostos. Mesmas companhias. Mesmo tudo.

Só que existe a ilusão. Não podemos esquecer a ilusão! Porque algum infeliz um dia resolveu comparar o primeiro dia do ano com a primeira página de um novo livro em branco, uma nova agenda a ser preenchida de momentos incríveis e inesquecíveis e as pessoas acreditaram. Ninguém é plenamente satisfeito com a sua vida, então a hipótese de haver um jeito de magicamente tudo se transformar é claramente acatada por todo mundo, veja, por exemplo, a quantidade de gente que jogou na mega sena da virada. As pessoas fazem listas, promessas, criam metas, se olham no espelho e juram a si mesmas que dessa vez vão ser diferentes. E não cumprem quase nada. Não só porque esquecem da maioria das promessas, mas principalmente porque mudanças de vida não acontecem do dia para a noite, não é o virar de um dia, um ano ou um milênio que vai magicamente transformar a sua vida. Se você quer que algo seja diferente, comece a construir essa diferença aos poucos, que uma hora ela chega lá.

Eu tenho um terrível problema em prever minha vida. Meu psicólogo sempre cai na discussão do “tá, mas quando você tiver 25 anos, o que você vai querer ter feito/estar fazendo?” ou qualquer pergunta parecida e eu sempre respondo “sei lá, a única expectativa é conseguir terminar a faculdade com 21 anos e depois disso eu não faço ideia”, “mas e casar? sair de casa? viajar? fazer novos amigos? ter um emprego legal?”, “não perco meu tempo planejando essas coisas”. E não perco mesmo. “Quais são seus planos pra 2014?” sei lá. Sobreviver? Completar 20 anos e surtar? Tentar não reprovar em nenhuma matéria (e falhar porque dormir e ver seriados é muito mais legal)? Ler o dobro de livros? Voltar a fazer exercício físico ou qualquer outra atividade extracurricular? Ser mais dócil e amável? Escrever menos? Falar menos? Dormir menos? Não sei. Sobre 2013 posso responder a quaisquer perguntas, já foi, já vivi, já sei. O agora e o amanhã eu só vou saber quando pisar lá, oras bolas carambolas!

“Expectativas geram decepções” disse alguém muito sábio algum dia na vida e eu acatei com afinco essa frase. Não espero nada. Não planejo nada. Ainda assim vivo me decepcionando, imagine se eu planejasse! As poucas coisas que me arrisco a sonhar com e a planejar arduamente na maioria das vezes dão errado, ou por não dependerem só de mim, ou por dependerem de mim a ponto de me fazerem desistir. Eu não sou boa em planejar situações, esperar por momentos, preparar milimetricamente e torcer ansiosamente pra acontecer. Se tiver que acontecer vai acontecer e eu vou achar o máximo e se eu nunca tiver perdido tempo pensando sobre aquilo, o fato de não acontecer não vai me abalar nem um pouco.

Eu não gosto de Ano Novo. Acho uma celebração completamente inútil, sem graça e sem sentido algum e, enquanto ano passado fiquei de preto só para irritar a minha mãe, dessa vez deitei em minha cama e fiquei xingando cada vizinho que soltava fogos de artifício até o momento em que eles pararam e eu consegui dormir em paz. E se eu mandei mensagem de ano novo foi ou porque me mandaram e eu tinha que responder ou porque tenho muita consideração pela pessoa e não queria que me achassem mal educada, afinal, elas não tem nada a ver com o fato de eu não gostar de ano novo.

Para 2014 só digo Allons-y e brigo por ele se chamar 2014 ao invés de Alonso.

Compartilhada.

Eu partilho. Com-partilho. Partilho. Porque compartilhar é uma das melhores coisas do mundo. Não importa se são alegrias, tristezas, sonhos, resoluções ou desilusões, tudo fica muito melhor quando compartilhado, porque de nada adianta viver sozinho, não tem graça nenhuma.

Hoje faz três anos que eu compartilho com vocês as experiências mais agradáveis e desagradáveis da minha vida, que eu sumo e apareço e mudo absolutamente tudo ao mesmo tempo que continuo igual. Três anos que eu cliquei no “criar um blog” e abri-me a um mundo completamente novo, repleto de pessoas magníficas! Em 2010 eu não recebia nenhum comentário e não conversava com ninguém, daí eu conheci Analu e depois recebi lindos comentários da Gabs e depois da Tary e depois de tanta gente que hoje tenho 416 textos e tenho quase mil comentários! Sem contar as visualizações que já passaram de 29000! Nunca imaginei que conseguiria tudo isso simplesmente compartilhando as coisas da maneira porca que eu escrevo, mas eu consegui. E eu amo muito tudo isso. Cada letra aqui escrita, cada comentário e visita recebida, cada vez que vejo um nome novo me lendo e que vejo que foram mais de cinquenta visitas em um único dia!

Jamais arrepender-me-ei de ter aqui compartilhado cada micro coisa que compartilhei. Hoje meu blog inaugura um layout novo, o layout dos meus sonhos que estampa meu filme preferido na capa e que foi feito por uma das blogueiras que eu mais admiro e que eu mais sonhei em ter um layout de. E assim como meu muso McCandless eu acredito que a felicidade só é real quando compartilhada. Ele quem me ensinou. E eu só posso agradecer por poder compartilhar tantas coisas com vocês.

Sejamos felizes e compartilhemos com quem para nós importa.

Aqui vão as respostas mais legais que já recebi aos meus textos:

{…} Ai, May, toda vez que eu leio um post seu sinto que você sambou na minha cara porque você escreve bem demais e eu fico querendo ser assim. Me identifiquei com muitas partes desse post, mesmo eu não tendo a sorte de ter um cheshire cat na minha vida. Ah, fiquei sem saber o que dizer. Beijo!  Karina – Charmming

{…} Eu não me canso de pensar: Como a Mayra é bonita! Pessoa bonita, essa pequena.Já eu, sou do tipo que dá beijos na bochecha. Não aquele encostar de bochecha com bochecha, mas um beijo estalado mesmo – quando gosto da pessoa.Quero um abraço seu (: Del – Bonjour Circus

{…} Mayrinha, me sinto na obrigação de discordar inteiramente de você, acho que pela primeira vez na vida. Primeiro de tudo, quem foi que disse que você não é especial e (ora bolas!) importante? Você é fantástica, e eu não digo isso da boca pra fora. Fico feliz por ter te conhecido e ter a chance de, através de você, das suas palavras, textos e vídeos, poder ver que ainda existe gente legal, que tem sonhos, que pensa fora da caixinha e que quer fazer a diferença no mundo. Aliás, todo mundo é especial e único em potencial. Pena que muitos deixam isso passar e acabam se tornando mais um dentre tantos, mas acredito DE VERDADE que todo mundo pode ser especial e único, basta querer, basta ser quem eles são. Segundo, não se cobra desse jeito. Você é tão nova e tem tanto pra viver! Eu digo isso me sentindo até meio estúpida, porque também me cobro HORRORES e já sofri pra caramba com isso, mas desde o ano passado tenho trabalhado isso em mim e sinto melhoras. É preciso ver que a gente não tem obrigação de ser perfeito. Somos humanos, falhos, vulneráveis, e temos que aceitar isso, porque senão não dá pra levar pra frente. A vida não pode ser um fardo, entende? E não adianta se espelhar em personagens, simplesmente porque eles são PERSONAGENS, não existem no mundo real. A Hermione é sensacional? É. Mas ela existe? Não. E mesmo no livro ela tem sim suas fraquezas, assim como todos temos, e para viver bem e ser uma pessoa melhor é necessário, antes de qualquer coisa, conhecer nossos pontos fracos, aceitá-los, e aí então trabalhar para tentar melhorar, pra tentar ultrapassar isso. E se algum dia ficar difícil demais, naquele dia, se permita cair, dizer que não consegue, entregar os pontos. Não dá pra ser forte o tempo todo e você já é forte demais. Não é qualquer um que aguenta o tranco pelo qual você está passando e é absolutamente normal e natural que você sinta os reflexos dessa crise. Vai passar. Não deixe jamais de acreditar em quem você é, no seu potencial e naquilo que você tem de bom. Se você não acreditar, quem vai acreditar depois? Já disse e repito: se precisar de alguém pra conversar, jogar conversa fora, desabafar e falar besteira, eu tô aqui. Você tem meu celular, meu e-mail, meu endereço (!), meu Facebook, enfim. Grite. Outra coisa: você já assistiu Tudo Acontece Em Elizabethtown? É o filme da minha vida, ao qual sempre recorro quando estou em crise, e o resultado é sempre ótimo. Ele fala comigo de forma tremenda e sempre sempre sempre sinto as coisas clarearem depois de vê-lo. Dicona.
Fica bem, amo você. Abraço beeeeeeeeeeeeeeeeem apertado <3 Anna (Maravilhosa) Vitória – So Contagious  comentário que mais me fez chorar na história do blog.

{…} Acho que foi assim: alguém um dia sentiu uma coisa por outra pessoa. E decidiu chamar de amor. E de repente todo mundo começou a dizer que amor era uma coisa palpável e criaram etiquetas de ”Sim, isso é amor” e ”Não, não é”. Mas como é que eles sabem se fica dentro da gente? Vai ver ninguém nunca sentiu a mesma coisa que o primeiro cara sentiu. A gente nunca vai saber. Mas ainda podemos sentir algo bom. E você pode. Mas entendo suas dúvidas, tenho as mesmas. Quem é o louco que vai resolver me amar? E UAUUUU! Essa cena tira meu fôlego. Se eu fosse fazer o meme, com certeza ela entraria. Como resistir ao Ryan Gosling ”singing goofy”? Amo essa música! E esse filme! Beijo, May may! <3 MilenalindaAgora Moro na Lua

{…} VOCÊ É MARAVILHOSA. SÓ ISSO. NÃO SEI O QUE DIZER, TUDO EM CAPS MESMO. VOCÊ É A MELHOR GÊMEA QUE ALGUÉM PODERIA TER! OBRIGADA, SUA LINDA! E PARABÉNS PARA NOZES! ESTAREI SEMPRE AQUI PRA TUDO E VOCÊ É MARAVILHOSA, NÃO CANSO DE DIZER! <3333 Marie (Gimenez) Raya Is The Top

{…} Puta merda, May, que texto mais LINDO! Sou absurdamente apaixonada por esse filme. Adoraria poder apagar certas pessoas e certas coisas da mente, mas no fundo, sei que não iria gostar muito. Essa parte do “wake yourself up, don’t erase me” é uma que já tá na minha listinha. Queria tanto dizer exatamente isso, sem tirar e nem colocar nada, pra alguém nesse exato momento… só eu sei. =/ E, que droga, você fez a coisa mais linda que poderia ser feita colocando, assim, partes avulsas e baseando seu texto nisso. Amei, amei. Posso marcar como favorito? P.S. Já te disse que amo seu cabelo novo justamente por ele te deixar igualzinha a Clementine? Beijos!! Rafaela VentoinhaEla Rafaela

{…} a escrita como refúgio é fundamental em tempos de guerra. é ela que muitas vezes nos mantem vivos. sou o contrário de você e quase nunca choro, mas felicidade é um conceito totalmente abstrato e, me parece, utópico. Carlos Massari – Crônicas Massarianas

{…} Confesso que realmente não conhecia esse lado dos assentamentos e das pessoas que vivem neles. É aquela velha história: toda história tem dois lados. E é triste que não possamos conhecer os dois lados de tudo. Mas sabe, de uma coisa tenho certeza: com respeito e conhecimento, o ser humano já tem o básico pra viver em paz. um beijo Carolda – Feel The Vibe

{…} Apesar de eu ter aquela jááá conhecida implicância com abraços, nunca tinha visto a moda do ”free hug” da forma como você fala. Vou pensar um pouco mais sobre isso. Mas entendi perfeitamente o que quis dizer sobre a parte chata da amizade virtual. Queria me sentir em casa quando recebo um abraço. Dessa casa eu sempre quero fugir HAHAHAH Mas garanto que do seu abraço eu nunca fugiria. Vanessa Bittencourt – Caixinha de Opiniões

{…} Você é meu orgulho, menininha. Eu fico, sabe; Fico. Já beijei um que eu não sabia o nome, e foi na mesma e única noite onde eu beijei 2 na mesma festa. E voltei pra casa me sentindo um lixo. Afinal de contas, não achei minha boca no lixo e não preciso pagar de moderninha aí e sair pegando um monte quando eu sei bem que nos meus sonhos eu já teria achado a muito tempo aquele em que eu vou querer beijar o resto da minha vida. Eu não vou ser hipócrita e dizer pra você que eu não faço isso, porque eu faço. Me maquio e vou pra balada esperando esbarrar em alguém que faça a noite ser mais animadinha. Só que eu sou daquelas que vou pra balada achando que posso tropeçar no amor da minha vida, e não em arranjar um cara pra pegar, sabe assim? HAHAHA. A mais retardada. Fico por ficar, mas não acho que esse seja o mundo ideal NÃO. Porque eu também sou romântica pra caramba, e me arrepiei toda com esse trecho sobre pegar na mão. Porque você arrasou muito! Isso faz TODO o sentido! Quando você tem toda a vontade do mundo de ficar do lado de um cara de mãos dadas, aí sim, o beijo vale a pena! <3 Te amo! Ana (Rainha dos Comentários) LuísaMinha Vida como Ela É

Obrigada por tornarem real.