Deuses de Dois Mundos

          A trilogia de PJ Pereira foi escrita em 2001, editada em 2011 e lançada em 2014, pela Editora Boa Prosa. Tanto o box completo como os livros separados estão disponíveis para venda em diversas livrarias do Brasil, além de que há como baixar a história em pdf ou ler em ebook, basta procurar por aí. Há duas versões do livro físico, uma de capa dura e outra de capa normal, porém a edição e a história de ambas é a mesma. O livro é composto por um mapa da região em que se passa a história de Orunmilá (região mitológica Yorubá) e um glossário com as palavras de matrizes africanas. O livro ganhou um trailer e fez com que muitos fãs torcessem para uma adaptação cinematográfica da história – algo que eu apoio e aplaudiria de pé caso ocorresse.

          Há duas histórias paralelas em desenvolvimento. A primeira é sobre um jovem jornalista paulistano, chamado Newton Fernandes, que tenta a todo custo se dar bem na vida, até que recebe uma missão irrefutável, que diz respeito ao Orum. O jovem é apaixonado por sua amiga de infância, Duda, com quem mantém um relacionamento aberto e contínuo. Em seu passado, participou de uma pequena seita religiosa, coordenada por Pilar, que no decorrer da história se mostra uma personagem importante. Em “O Livro do Silêncio“, Newton fica famoso por resolver um grande mistério jornalístico, conseguindo a promoção almejada e gozando de sucesso.

          Já a outra história, nos apresenta Orunmilá, o principal babalaô (adivinho) da região, que ajudava as pessoas através de mensagens recebidas do Orum através dos búzios. No entanto, um dia ele percebe que seus búzios estão em silêncio, não mais conseguindo receber mensagem alguma. Eis que ele envia seu mensageiro (Exu) pessoalmente para saber o que estava acontecendo e descobre que os Odus, príncipes que regem o destino, foram sequestrados pelas feiticeiras mais poderosas que existem (Iá Mi Oxorongá) que objetivam, elas próprias, regerem o destino. Ele recebe pois a missão de recuperar os príncipes perdidos, mas para isso precisaria de um exército de sete pessoas. A história de “O Livro do Silêncio” é basicamente a busca por esses guerreiros e em seguida por alguns dos príncipes perdidos. Os ditos guerreiros são, coincidentemente (ou não) as pessoas que nós conhecemos como Orixás, vulgo, Oxum, Iansã, Xangô, Oxóssi e Ogum. A história se desenrola, portanto, neste universo mítico onde diversos personagens novos são apresentados conforme a progressão narrativa.

          Apenas no final do segundo livro (“O Livro da Traição“) é que as duas histórias se cruzam, pois até então a menção que Newton fazia por sobre sua missão no Orum era obtusa. Acaba que toda a história tem uma relação surpreendente com o ataque às Torres Gêmeas, nos EUA, em 11/09/2001.

          Ainda não li o terceiro livro da saga (“O Livro da Morte“), mas acredito que nele a intersecção entre as histórias seja mais desenrolada, assim como o efeito do universo mítico por sobre o nosso e vice-e-versa. Segundo a explicação fornecida pelo próprio autor ao final do segundo livro, a trilogia possibilita o conhecimento da mitologia yorubá sem relação necessária com religião. No entanto, para quem professa alguma fé que se relaciona com a África, esse conhecimento é ainda mais rico e interessante, visto que a cultura Yorubá é mãe de religiões importantes para o Brasil, como o Candomblé e a Umbanda.

          Muito bem escrito, desenhado, desenvolvido e trabalhado, a trilogia é uma boa pedida para os fãs de histórias mitológicas, fantasia ou conhecimento étnico/cultural em geral. Saber que a história é brasileira, de qualidade e inovadora, nos enche ainda mais de orgulho. Por isso, parabenizamos tanto o autor quanto a editora e esperamos que cada vez mais pessoas tomem conhecimento da história.

          Fiz um vídeo falando sobre a experiência literária do segundo livro da trilogia, “O Livro da Traição“.

Twist and Shout

Foi assim que “o dia que tinha tudo para dar errado” começou. Um convite interessante e em seguida uma falha da pessoa que vos fala, que sempre acaba dormindo nas horas erradas e decepcionando pessoas. Emi podia ter respondido que já estava em casa e que nós sairíamos outro dia, mas como boa estudante universitária de férias que ela é, respondeu que estava passeando no shopping, ao passo em que eu levantei da minha cama, troquei de roupas e encaminhei-me ao mesmo.

Passamos por uma tarde divertidíssima de confábulos à respeito da nossa vida e existência e fomos assistir ao tal filme, que nenhuma das duas sabia do que se tratava, só sabia que era legal. E realmente era. A sala estava quase vazia, do jeito que a gente gosta e é acostumada a aproveitar em todas as férias há sei lá quantos anos. E a gente se sentou e eu comecei a me lembrar de cada uma das vezes que fomos ao cinema, porque todas foram épicas e com situações divertidas, como aquela em que entramos na sala errada propositalmente porque precisávamos ver o filme do DiCaprio e dane-se que não tínhamos idade. Então Jeise Eisenberg aparece bonito em nossa frente e um filme eletrizante e surpreendente se desenrola sob nossos olhares. E a pipoca acaba nos primeiros dez minutos. E nós morremos de rir. E fomos embora.

Então, na rampa de saída do cinema ouvimos uma música tocar e eu lembro que tinha uma exposição dos Beatles no saguão e “ei, tá tocando Beatles”, daí a gente sai correndo como duas crianças que acabaram de ver o tio do algodão doce, nos enfiamos no meio da plateia e começamos a cantar que “I need somebody to help” e que amamos mil pessoas e todas aquelas coisas beatlenescas que eu, pessoa que teve como bio do twitter por dois anos que sonha com um show dos beatles, sempre gosta de presenciar. Era um bom cover. Era uma situação bastante inusitada.

Eis que vejo ao nosso lado uma senhora de uns setenta anos, cantando todas as músicas e dançando loucamente. Sozinha ali, no meio de toda aquela multidão, aproveitando como se fosse um show da sua banda de adolescência preferida de verdade, na frente dela. E talvez para aquela senhora tenha sido justamente isso, enquanto para o casal ao meu outro lado era uma noite romântica e para as crianças da frente era uma situação dançante. Para Emi era uma coisa tranquila, para mim uma explosão de vida, risadas, reflexões e constrangimento, afinal lá estava eu, no meio do shopping, cantando loucamente e dançando como se ninguém tivesse vendo. E as pessoas estavam.

Férias, te amo.

Stand up Comedy

Dizem que com quinze anos viramos mocinhas. Eu nunca parei pra pensar se acreditava nisso antes de completar quinze anos, mas uma vez me disseram que quando a gente tinha 12 era adolescente e eu, mesmo me considerando criança, me fingi de adolescente só pra poder fazer mechas no cabelo. Com 15 anos resolvi que era mocinha e fiz isso porque eu queria muito viajar sozinha nas férias de Julho.

O destino escolhido foi a cidade em que passei minha infância, Cachoeira Paulista, mas na verdade era só uma desculpa para que, quando eu estivesse lá, conseguisse convencer minha mãe a passar um final de semana em São Paulo. Consegui, baseando-me em argumentos como “vou visitar minha tia” e “eu tenho amigos lá!”. E eu realmente tinha. Amigos que conheci pela internet e com os quais conversei arduamente por muito tempo da minha vida e sempre quis conhecer. Uma delas eu já conhecia, porque o pai mora em Curitiba e a gente se encontrou aqui várias vezes, ela foi até na minha festa de aniversário! Mas o meu amigo, que era a pessoa que eu mais queria conhecer na história do mundo, eu só veria se fosse a São Paulo. E eu fui.

Fiquei na casa da minha tia e passeei com ela por dois dias, até que chegou o dia em que eu iria ao shopping com meus amigos paulistanos. O shopping ficava longe e minha tia nem sabia como chegar lá, mas Lola – minha amiga – me buscou na estação do metrô e fomos ao shopping juntas. Lá chegando eu fui apresentada a todos os amigos dela e, entre eles estava Jay. Foi aquela efusão maravilhosa de sentimentos e a gente riu e se divertiu horrores. Assisti Harry Potter pela primeira vez na vida e chorei com a morte do Dumbledore porque ele me lembrava o Gandalf e depois tomamos Starbucks, algo que eu nunca tinha visto. Rimos e conversamos e anoiteceu e a gente tinha que ir embora e ninguém ia embora de metrô e eu não sabia voltar da estação de metrô para a casa da minha tia e morria de medo de andar sozinha em São Paulo no escuro. Minha tia estava trabalhando e eu estava sem celular, logo a única coisa plausível a fazer foi pegar o ônibus com eles e parar na rua perto da minha casa.

Só que a gente se empolgou conversando e passamos pela rua que eu supostamente deveria descer. E a partir disso eu não sabia o que fazer, porque eu não tinha o endereço anotado, não tinha pra quem ligar, não tinha nada. Estava perdida em São Paulo em um ônibus com as amigas da Lola, porque ela morava perto do shopping e foi a pé e Jay já havia descido do ônibus. A única coisa que me restou foi ir até a casa de uma das meninas, a Karina. A casa dela ficava num bairro muito longe do da minha tia e a gente demorou um tempão no ônibus até chegar lá e acho que depois do ônibus ainda pegamos outro meio de transporte.

Chegando na casa dela comemos um macarrão muito gostoso que sua avó havia feito e meu plano era dormir ali e esperar amanhecer para falar com a minha tia e ir pra casa dela. Só que, para não preocupá-la, resolvi ligar dizendo onde estava, que ia dormir fora e passando um telefone para contato. Eis que minutos depois minha tia liga altamente desesperada, brigando horrores comigo e querendo saber todas as explicações possíveis e eu sem saber direito o que dizer, disse a verdade e ela ficou assustadíssima, porque supostamente o bairro era perigoso e era a casa de desconhecidos. Então ela ligou para os meus pais, contou o que estava acontecendo e fez com que eles ligassem para a casa da menina, eu, no auge da vergonha, atendi o telefone e ouvi mamãe dizer que eu poderia dormir lá sem problemas, enquanto papai estava esbaforido ao seu lado dizendo que eu deveria era morrer porque isso não se faz. Liguei pra minha tia, falei o que minha mãe disse, mas ela disse que não se sentia segura com isso e que iria me buscar.

E ela foi. Demorou um bom tempo até que ela chegasse e quando chegou nos contou que a estação de metrô estava quase fechando e que de lá até a casa ela foi de carona com um desconhecido. Agradeceu à família da Karina e eu também, enquanto morria de vergonha, pedia desculpas pelo transtorno e dizia que a comida estava muito boa. Então voltamos pra casa e combinamos de deixar os detalhes sórdidos da história desta parte da aventura guardados no nosso subconsciente para que jamais fossem compartilhados com alguém.

Voltei pra casa no outro dia, mamãe e Mário me buscaram na rodoviária. A viagem foi tranquila, a companheira de poltrona de ônibus era legal e passamos o tempo todo conversando sobre livros. Mamãe disse que eu não poderia usar internet por um bom tempo e meu irmão concordou. Papai nunca tocou no assunto. Eu conversei por cartas com meus amigos por mais algumas vezes e depois que voltei a usar a internet pedi desculpas a eles pelo que tinha feito. Vi e conversei com a Lola várias vezes depois, mas com os outros nunca mais.

E eu aprendi que a gente não vira algo automaticamente, só porque chega a certa idade.

Eu não era adolescente com doze anos. Não era mocinha com quinze e não era adulta com dezoito (embora tenha voltado a mais uma aventura com amigos de internet em São Paulo e me dado bem). Nós não somos obrigados a agir de acordo com um determinado fluxo de pensamentos, sentimentos e ideias que dizem ser apropriadas para o momento da vida em que estamos. Não me sinto inferior a ninguém por ter brincado de barbies alucinadamente até os treze anos ou por ter feito e continuar fazendo inúmeras merdas juvenis. Não é porque a gente atinge determinada idade ou passa por outros processos de socialização, como a faculdade ou um primeiro emprego, que devemos automaticamente nos sentir aptos a nos portar como adultos amadurecidos. A gente pensa que não, mas nem nossos pais foram assim. Eles também eram irresponsáveis, imaturos e imprevisíveis, porque ninguém aprende a lidar com as responsabilidades da “vida real” repentinamente. Porque esquecem disso na hora que nos contam sobre o decorrer da vida, mas o amadurecimento demanda tempo.  E é aí que a gente entende Peter Pan, mas no nosso mundo não há Neverland. E por mais que a gente queira retardar esse processo e ficar velho em idade, mas jovem em pensamentos por toda a eternidade, não podemos. Não é uma escolha plausível. Em algum momento a gente cresce e, do mesmo jeito que simplesmente paramos de brincar de bonecas sem saber porquê, seremos tão adultos quanto nossos pais.

Enquanto isso, resta-nos aproveitar as viagens loucas, encruzilhadas, e cicatrizes, medos, tristezas, dificuldades, irresponsabilidades e insanidades, pois elas nos farão crescer, mesmo que não pareça. Porque é assim que a vida é, uma peça teatral completamente improvisada.

Help me to retard this process, dear friend.

E a minha é um stand up comedy.

P.S.: Foi proposta para esta semana a brincadeira de escrever uma crônica por dia e eu aceitei, mas não sei diferir gêneros literários, então preparem-se para uma semana de tentativas de crônicas que nunca serão crônicas!

Abrindo o Fecho

Eu sempre fui péssima em abrir fechos de sutiãs. Sempre fui péssima em tudo que envolve sutiãs, diga-se de passagem.

Eu tinha sete anos e ia na casa das minhas amigas ouvir Britney Spears escondida enquanto tentávamos dançar como ela. Uma das meninas sempre pegava os sutiãs da mãe, colocava e distribuia pras outras, porque “a Britney tem peitos, também temos que ter!” e eu nunca colocava o sutiã. E dizia “eu não quero ter peitos” e elas diziam “mas toda menina tem que querer ter peitos!” e eu ficava emburrada e ia pra casa desolada imaginando que um dia talvez eu tivesse peitos.

A minha relação com os peitos foi muito proveitosa, não há como negar. Mamãe tinha muito leite e eu mamei abundantemente até dois anos de idade, então enjoei e comecei a fazer birra e ela parou de me dar leite e começou a doar pro resto do mundo. Depois disso, perdi o contato com aquele punhado de pele da mamãe, tendo-o visto nela e em todas as outras mulheres da família inúmeras vezes porque eu detestava tomar banho sozinha. Não tinha a noção de que um dia aquilo faria parte de mim e quando eu descobri isso, fiquei chocada.

Lembro de me olhar no espelho, me imaginar com peitos e começar a chorar. Pensando que se algum dia aquilo acontecesse comigo, seria terrível. Não é que eu ache feio qualquer pessoa ter peito, eu não me importo com os peitos alheios, só não os queria em mim. A simples ideia de que isso pudesse ocorrer me atormentava horrores e quando eu cheguei na puberdade tudo que conseguia pensar era “por favor, que eu não tenha peitos” e, bem, meu desejo foi realizado e eu sou absurdamente feliz com isso.

Só que não ter peitos não faz com que você se liberte do fecho do sutiã. Porque usar sutiã não tem nada a ver com ter peitos, pelo menos não na cultura brasileira a qual estou inserida. Aqui as pessoas usam sutiã para disfarçar o mamilo, porque mamilo aparecendo é tão chocante quanto andar de saia sem calcinha. É absurdamente deplorável, julgável e reprovável. Então, a partir do momento em que os mamilos das meninas começam a se desenvolver, elas são coagidas a usar sutiã.

“Vamos comprar sutiã, filha!” “Pra que, mãe?” “Todas as meninas da sua idade usam… é pra não aparecer os peitinhos no uniforme”

E todas nós caímos nessa conversa. E ganhamos sutiãs bonitinhos, fofinhos, aparentemente confortáveis e podemos ir pra escola nos sentindo mais mulheres, porque sutiã é coisa de mulher de verdade e a partir disso é como se a gente de fato tivesse crescido. E nunca mais paramos de usar sutiã. Os seios crescem um pouquinho e lá vamos nós comprar de um número maior, uma cor diferente, estampa mais bonitinha e acabamos gostando da coisa, ela se torna tão natural quanto usar calcinha e ninguém nunca pensa em qual sua funcionalidade, simplesmente compra e usa.

Só que quando você não tem peitos, comprar sutiã é altamente torturante. Porque não existe um que seja do tamanho perfeito, sempre vai ficar faltando pano nas costas ou sobrando bojo e não importa o quão coloridos e versáteis eles pareçam, eles sempre vão te machucar. Usar sutiã, caros colegas, é uma tortura. É aquela coisa terrível de se sentir presa o dia inteiro por uma coisa que você não faz ideia do motivo para usar, porque pra quem tem peitos ele é super útil! Ele levanta, deixa no lugar e ajuda a distribuir o peso, fazendo com que as costas não doam, é altamente necessário! Pra quem não tem peitos, não serve pra nada. Não tem nada pra levantar, não tem peso nenhum. Por favor, deixem meus mamilos em paz.

E daí cá estou eu, dezenove anos na cara, mais de dez sutiãs na gaveta. Cada um com um modelo e cor e tamanho diferentes, nenhum sendo confortável o bastante para me fazer querer usar o dia inteiro. Sem saber como lavar aquela coisa de um jeito que não estrague e que limpe de verdade e sempre tendo que pedir ajuda pra mãe. Sem habilidade para abrir ou fechar o maldito fecho, sendo obrigada a colocar a coisa do mesmo jeito que a minha vó colocava, ou seja, abrindo e fechando com ele virado pra frente e tendo como única habilidade no quesito “sutiã” o ato de tirá-lo. Porque é a única coisa que eu faço. Porque eu chego em casa e antes de tirar as meias e o sapato vou logo tirando o sutiã daquele jeito que não precisa tirar a roupa primeiro, ou no máximo eu abro ele e deixo ali só pra constar. Porque machuca, dói, aperta, prende, é aquela coisa que eu nunca esqueço que estou usando, não é orgânica à minha pessoa e, AI. Cansei.

Cansei. É isso. Simples assim.

Eu conheço gente que não usa cueca pelos mesmos motivos que eu detesto usar sutiã, só que, por favor, não usar cueca é muito mais problemático, mas como os terceiros não percebem a falta da cueca, ninguém reclama. Só que todo mundo percebe a falta do sutiã, então todo mundo automaticamente julga, cochicha, reclama, intervém e eu decidi lutar contra isso. Romper esses grilhões, rasgar essas amarras e abrir esse fecho. Eternamente. Decidi que só vou usar sutiã quando eu me sentir altamente desconfortável em alguma roupa sem ele – o que acontece as vezes, porque há roupas com costuras no peito que coçam e nesses casos até sutiãs são mais confortáveis – e em todas as outras ocasiões ficarei sem.

Stich aproves this post

E se você for dizer “Ai, mas é sensual e você já não tem peitos, se não tiver sutiã ninguém vai querer você” eu vou responder que “se a pessoa me quiser ou não baseando-se nas roupas que eu uso ou não, é um babaca tão grande que prefiro manter distância”.

Sendo gente.

Há algum tempo eu vi um curta metragem  absolutamente genial que se passa num futuro distante em que as bonecas infláveis são mais versáteis. Assim sendo, um camarada vai lá e compra a sua. Só que elas não são vendidas por inteiro, mas sim em pedaços e o primeiro pedaço que ele compra, claro, é a região busto-abdômen. Berni, o camarada, diverte-se horrores com a tal parte, tendo em vista que ela não pensa, não se movimenta, está só ali disponível para “servi-lo” o tempo que for necessário. Mas ele não se contenta e quer mais. Trabalha como um condenado e aos poucos vai comprando as partes restantes para completar sua boneca. Por ser uma boneca, logicamente, Berni pode escolher as pernas que a deixam mais bonita, os braços que o agradam mais e assim pode personificar a mulher de seus sonhos. Até que ele resolve comprar a cabeça, a parte final. A mais cara, mais difícil de ser elaborada e também a que causa mais danos para o coitado Berni. Porque no segundo em que ele coloca a cabeça na boneca, ela se lembra de tudo que passou, da maneira como foi usada, de como sua vida foi péssima porque sempre foi limitada à servidão sexual para um babaca. Ela se lembra que ganhou braços só porque ele queria roupas passadas e que nunca fora algo além de um objeto. Então ela abandona Berni e ele fica chateadíssimo porque desperdiçou todo este tempo e dinheiro com uma boneca que fugiu.

Este filme tem menos de dez minutos, mas causou em mim pensamentos que vários dos filmes com mais de duas horas que eu já assisti jamais seriam capazes. Não consigo rever este curta sem me sentir mal. Angustiada, enojada, repulsiva. E não é porque eu ache que algum dia vão inventar uma boneca que seja capaz de substituir uma mulher. Porque nem tem como isso acontecer, porque mulher nunca foi e nunca será apenas um objeto. Sempre fomos mais do que isto. O que me incomoda no filme é pensar que mesmo não sendo bonecas, mesmo sendo de carne e osso, há mulheres que são tratadas e que vivem exatamente como a boneca do Berni. Há mulheres que são usadas para objetivos sexuais e para limpar a casa, como se só servissem pra isso. Mulheres que nunca podem abrir a boca, porque sequer passa na cabeça dos outros que ela pode ter algo a falar que não seja sobre futilidades. Há mulheres que ficam em casa para organizar a vida de seus maridos executivos e há mulheres que trabalham como condenadas para ganharem menos que estes tais executivos e quando chegam em casa ainda tem que arrumar tudo. Mulheres que acordam e dormem sofrendo, repletas de cosméticos em sua pele e de pensamentos absurdos sobre seu corpo e sua aparência em geral, porque elas não estão no padrão imbuido, porque elas vão morrer sozinhas. Porque elas são feias e, como o único papel da mulher é ser bonita, elas não merecem viver.

Eu cansei. Cansei de todos esses argumentos babacas. Cansei de ver gente que eu conheço e tenho muito apreço por entrando em relacionamentos completamente babacas apenas para cumprir um padrão pré-estabelecido por uma moral ultrapassada que nunca foi repensada. Cansei de ter que dar conselhos porque eu sei que ninguém vai seguir os meus conselhos, porque poucos são os que conseguem ser despreocupados com toda essa neura social que envolve mulheres, homens e relacionamentos. Eu cansei de voltar da faculdade e me deparar com gente na rua dizendo que estou “gostosa” ou entrar no facebook e ter que ouvir que “tal roupa te deixou uma delícia”. Cansei mais ainda de ouvir gente dizendo que eu me incomodo não com a palavra, mas com quem a disse. Porque, segundo estas pessoas, se fosse uma pessoa por quem eu tenho algum tipo de atração que viesse me dizer que estou “gostosa” eu não ia ligar. É claro que eu ligo! Porque é um absurdo que as pessoas achem que eu escolho as minhas roupas com o intuito de parecer algo para alguém. É um absurdo ainda maior acharem que só porque fico bonita com aquela roupa estou emanando sinais de “vamos nos agarrar”. É só uma roupa. É só um cabelo. Sou só eu. E eu não sou só essas coisas, embora seja também elas.

Eu queria que o mundo entendesse que nós mulheres não temos a obrigação de parecer lindas e perfeitas e que se parecemos não é porque vocês quiseram e sim porque nós quisemos. Queria que entendessem que se estou bonita, ótimo, mas isso não te dá o direito de falar de mim como se eu fosse uma boneca que se aprumou para ser utilizada sexualmente. Queria que entendessem que eu tenho o direito de não querer casar virgem e de fazer o que quiser, quando quiser até neste aspecto da minha vida. Queria que entendessem que eu tenho voz, que eu penso, que não sou um objeto comparável com outros objetos. Queria que entendessem que não dá mais pra tratar questões sérias como o aborto baseando-se em princípios puramente religiosos. Queria que entendessem que mulher nenhuma é culpada por sofrer algum tipo de abuso, porque num mundo perfeito cometer abuso sequer passaria na cabeça dos homens. Queria que entendessem que gosto de exercer meu poder de escolha e minha liberdade e que não me sinto nenhum pouco obrigada a ser afável com gente que me irrita por ter atitudes babacas. Queria que entendessem que meu mundo perfeito seria um mundo em que eu pudesse andar com a roupa que me deixasse mais bonita por aí sem medo de que algo ruim me acontecesse por isso. Sem ter que forçar sorrisos amarelos para cada “elogio” ouvido. Queria que entendessem de uma vez por todas que o problema existente, a tal dominação do masculino sobre o feminino, já ultrapassou os limites do tempo espaço. Já passou da hora de acabar. Queria que entendessem que eu não aguento mais ver estes conceitos reproduzidos em cada um dos filmes, livros, seriados e relacionamentos que me deparo por aí. Queria que entendessem que eu sempre quis ser tudo na minha vida, mas nunca, jamais, sob hipótese alguma, submeter-me-ei a ser algo semelhante à boneca deste vídeo.

E desta vez nem é porque sou um alien, é porque sou mulher mesmo. Uma mulher que sonha em ser tratada como gente.