Gravado no Papel

Eu escrevi sobre você. Mais de trinta páginas de um diário, um blog secreto e textos que viraram contos em meu caderno de contos que não mostro para ninguém. Escrevi sobre você em uma experiência de auto-conhecimento na qual eu tinha que narrar meu desenvolvimento sentimental por sobre uma pessoa. Encontrei isso hoje e morri…

Read More

Consider me a satellite, forever orbiting…

Acho que nunca vou encontrar um personagem que me capte tanto quanto Christopher McCandless. É quase uma obsessão. Já perdi a conta das madrugadas não dormidas às quais se fez necessária mais uma vista ao filme sobre sua história, enquanto o coração morria dentro do peito por pensar que eu deveria saber pelo menos esse…

Read More

Ódio do ócio, ócio do ódio.

Eu descobri com doze anos que odiava as pessoas. Todas elas. Eu não tinha a menor vontade de me misturar, porque todas eram inúteis e só iam servir pra um par de risadas e nada mais que isso. Por mais que eu goste de rir, expandir meu contato social só para obter este sucesso na…

Read More

Meu

É interessante analisar a tenuidade existente entre o exterior e o interior, dentro de nós mesmos. Sim, essa frase ficou estranha. O que quero dizer é que em basicamente todos os âmbitos que nos cercam, aquilo que aparentemente é nosso, na verdade não é. O que preenche o nosso interior, na maioria das vezes, é…

Read More

Sobre esquecimentos e lembranças

Quando li “Quem é você, Alasca?” achei a história um tanto irreal, porque considero impossível esquecer datas importantes. É algo que eu simplesmente não faço. A coisa que eu mais gostava em história era justamente o fato de que eu sempre lembrava todas as datas e me sentia um máximo por isso. Hoje vejo que…

Read More