Uma porra de uma idiota.

Eu nunca achei que fosse me apaixonar por alguém.

Nunca achei que existisse alguém bom o suficiente para se igualar às minhas fantasias infantis.

E daí eu conheci você.

Jamais serei capaz de sentir por alguém o que senti por você, nunca será igual.

Você me fez rir, me fez chorar, me fez sofrer, me fez amar.

Você me fez completa, me fez única!

E eu sei que eu estraguei tudo, mas foi por medo. Sou medrosa, sacomé…

E hoje quando olho nos seus olhos, não vejo mais o que via antes, não sinto mais o que sentia antes.

Mas ainda é você! E ainda sou eu! E ainda somos nós!

E ainda é bom, ainda me trás boas lembranças, ainda me faz chorar e sofrer, mas agora choro e sofro por saber que estraguei tudo que poderia ter sido.

Não é como se eu te amasse incontrolavelmente.

Eu apenas preciso de você. O tempo todo ao meu lado. Preciso dos seus abraços e do seu calor e dos seus conselhos… De tudo.

Me sinto horrível só de saber que ainda preciso disso.

É tudo tão velho e tão errado e tão… Sei lá!

Só sei que você só ainda sai comigo e ainda fala comigo por causa das boas lembranças que eu te trouxe.

Eu não valho a pena. Mas você vale.

E eu acho que nunca vou conseguir desistir de tentar ficar o mais perto de você possível. Nunca vou superar, porque não há o que ser superado! Nada aconteceu.

As vezes eu queria apenas, sei lá, “ficar” com vc para me arrepender e voltar ao normal.

Sinto falta de como eu era antes!

As vezes eu simplesmente odeio você.

E isso me dói, me machuca.

Sou apenas uma criança, não deveria me sentir assim.

Eu gostaria que você ainda me amasse ou que pelo menos ainda me quisesse ao seu lado quando precisa de alguém e ainda pensasse em mim quando se sente sozinho.

Sou uma porra de uma idiota.

O Jardineiro Fiel.

Eu acabei de ver este filme, “O jardineiro fiel”, sabe… Vejam esse filme. É muito bom. De verdade.

A gente é muito egoísta hoje em dia.

Nos colocamos em primeiro lugar, sempre.

Fazemos apenas as coisas que consideramos boas para nós, para cada um de nós.

Há uma Tailandesa na minha sala e, sabem o que ela me disse? O que ela acha curioso e diferente no Brasil?

O fato de a gente se importar apenas com nós mesmos.

E não fazemos isso porque moramos no Brasil, a culpa não é do país. É do sistema.

Ao contrário do que podem pensar, eu não sou socialista ou algo assim.

Eu só acho que a gente acaba se perdendo dentro de nós mesmos, dentro de nossas ambições e de nossas coisas.

Hoje mesmo, fiquei abismada com um cara que pulou pelado do segundo andar para impedir o roubo da moto dele, quer dizer, DANE-SE se ele se quebrar inteiro, ele ainda tem a moto dele.

Já pararam para pensar na importância que você dá às coisas materiais?

Já parou para pensar que as vezes você fica super feliz porque comprou algo que queria muito?

Você fica super feliz quando olha para o céu e vê muitos pássaros bonitos? Fica feliz quando respira o ar puro de um campo? Fica feliz quando ganha um abraço?

Ou você prefereria ganhar coisas? Ficaria mais feliz se estivesse na cidade e se te dessem chocolates ao invés de abraços?

Até que ponto as coisas nos dominam? Não deveriamos ser nós a dominá-las?

Nós não somos os “seres pensantes” o “topo da cadeia alimentar”, então porque temos tanto medo de fazer as coisas certas?

Por que temos medo de agir em conjunto?

Por que ficamos felizes quando ganhamos algo se no mesmo momento tem gente na África sendo explorada por todo o tipo de indústrias dos países europeus? Se enquanto estamos felizes por uma merda de uma coisa que compramos, as pessoas morrem por falta de comida?

COMO nós podemos ficar bem sabendo que temos tudo que queremos, enquanto tem muita gente que não tem nada?

Me diga, como podemos ficar bem?

Nós não podemos e nós não devemos.

Não, nós não podemos salvar o mundo. Não podemos erradicar a fome na África. Não podemos nada.

Porque só temos olhos para nós mesmos.

Você não pode acabar com a fome na África, mas você pode visitar um asilo ou um orfanato. Você pode ajudar um mendigo da sua rua. Você pode.

Então… Por que a gente não perde um pouco do nosso medo e começa a fazer algo?

Ou vocês não se importam em que tipo de mundo estamos formando?

You know? ‘Cause I don’t know.

I need to be better, you know, I’m really not good enough for you.
And I don’t know…
What I have to change?
Or I don’t have to change?
Do you have to change?
I don’t know.
But I’ll write everything in a letter,
And you do whatever you want,
But your answer will say
Who I will be in the future.