O Jardineiro Fiel.

Eu acabei de ver este filme, “O jardineiro fiel”, sabe… Vejam esse filme. É muito bom. De verdade.

A gente é muito egoísta hoje em dia.

Nos colocamos em primeiro lugar, sempre.

Fazemos apenas as coisas que consideramos boas para nós, para cada um de nós.

Há uma Tailandesa na minha sala e, sabem o que ela me disse? O que ela acha curioso e diferente no Brasil?

O fato de a gente se importar apenas com nós mesmos.

E não fazemos isso porque moramos no Brasil, a culpa não é do país. É do sistema.

Ao contrário do que podem pensar, eu não sou socialista ou algo assim.

Eu só acho que a gente acaba se perdendo dentro de nós mesmos, dentro de nossas ambições e de nossas coisas.

Hoje mesmo, fiquei abismada com um cara que pulou pelado do segundo andar para impedir o roubo da moto dele, quer dizer, DANE-SE se ele se quebrar inteiro, ele ainda tem a moto dele.

Já pararam para pensar na importância que você dá às coisas materiais?

Já parou para pensar que as vezes você fica super feliz porque comprou algo que queria muito?

Você fica super feliz quando olha para o céu e vê muitos pássaros bonitos? Fica feliz quando respira o ar puro de um campo? Fica feliz quando ganha um abraço?

Ou você prefereria ganhar coisas? Ficaria mais feliz se estivesse na cidade e se te dessem chocolates ao invés de abraços?

Até que ponto as coisas nos dominam? Não deveriamos ser nós a dominá-las?

Nós não somos os “seres pensantes” o “topo da cadeia alimentar”, então porque temos tanto medo de fazer as coisas certas?

Por que temos medo de agir em conjunto?

Por que ficamos felizes quando ganhamos algo se no mesmo momento tem gente na África sendo explorada por todo o tipo de indústrias dos países europeus? Se enquanto estamos felizes por uma merda de uma coisa que compramos, as pessoas morrem por falta de comida?

COMO nós podemos ficar bem sabendo que temos tudo que queremos, enquanto tem muita gente que não tem nada?

Me diga, como podemos ficar bem?

Nós não podemos e nós não devemos.

Não, nós não podemos salvar o mundo. Não podemos erradicar a fome na África. Não podemos nada.

Porque só temos olhos para nós mesmos.

Você não pode acabar com a fome na África, mas você pode visitar um asilo ou um orfanato. Você pode ajudar um mendigo da sua rua. Você pode.

Então… Por que a gente não perde um pouco do nosso medo e começa a fazer algo?

Ou vocês não se importam em que tipo de mundo estamos formando?

Como é a vida no seu planeta?

Ai… Hoje eu tive um dia legal!

Sabe eu saí com meus primos, tomamos chuva e panz…

Mas agora de noite bateu aquela tristeza!

Talvez seja saudades da tia mônica, hm.

Talvez seja saudades do Jay.

Ou do autista, da Tats, da Lets, da Cibs, da Bre, da Caroles, da Reeh, da Stricker, da Harumi, da Juuh, da Cami, da Tatar, da Luh, da Leila, da Giulia, do Thiago, da Marcelly, da Aline, da Lola, da Gih…

Ou talvez seja simplesmente vontade que todas essas pessoas citadas acima estivessem presentes fisicamente em mais momentos da minha vida.

As vezes eu paro para pensar e concluo que ODEIO a internet.

Simplesmente porque quando ela não existia, os amigos se visitavam, conversavam pessoalmente, riam, se abraçavam e era tudo normal e feliz!

Hoje em dia, raramente vc vê seu amigo, porque cada um vive ao redor de sí mesmo, fazendo suas próprias coisas, vivendo na sua porcaria de mundo sem olhar para o redor.

Sem pensar no outro.

Sem sair distribuindo abraços, carinhos, palavras amigas e coisas assim.

Hoje em dia as pessoas preferem passar o dia no computador do que no shopping com os amigos.

Isso é tão triste.

Porque a internet pode ser PERFEITA para unir pessoas (sem ela eu não teria o Jay e sem o Jay eu não teria vida), mas também é PERFEITA para separá-las.

Sei lá, eu sinto falta do contato físico.

Não que teria alguém aqui agora se a internet nao existisse, mas se a internet nao existisse, talvez eu tivesse conseguido sair com alguma das pessoas aí de cima.

Porque por mais que eu fale essas coisas, não vivo sem a internet e troco qualquer coisa por ela.

E isso é um erro.

O pior erro possível.

Talvez eu devesse estar com alguém apoiando, dando um abraço amigo ou algo assim.

Mas não, estou reclamando da solidão.

E quer saber, só tende a piorar.

Porque todos nós vivemos na Terra, mas cada um de nós tem o próprio planeta dentro da sua mente.

E fica a pergunta…

COMO É A VIDA NO SEU PLANETA?

No meu é entediante.