UK > US

Desde meados de 1600 o Reino Unido comanda os EUA, foram eles que colonizaram aquelas terras e levaram civilização àquele povo. Foi seu método de colonização por povoamento que garantiu que eles antingissem a evolução mais rápido que nós, os brasileiros, mas em  1776 os EUA acharam que já eram autônomos o suficiente para se virarem sozinhos e declararam sua independência no famoso 4 de Julho, bobos. Como todos sabem declarar a independência não significa que o país seja realmente independente, tanto que até hoje é possível encontrar muita coisa dos britânicos na cultura de sua colônia americana.

Não só a língua foi herdada, mas também o modo de vida e com o passar do tempo os ingleses necessitaram da ajuda de seus colonos, que foram prestativos e ajudaram, lucraram e se tornaram a nova potência mundial. Eles estavam por cima da cocada preta, eram o novo mundo, espalharam para todos os lugares o “American way of life”, foi um dos países menos atingidos com as Grandes Guerras Mundiais e todas as outras coisas que qualquer bom estudante de História conhece.

Reconheço que se não fossem os EUA a língua inglesa não seria tão disseminada, talvez sem eles nós tivessemos aulas de chinês na escola, ao invés do bom e velho inglês, no fim… Eles fizeram coisas boas para nós, mas ainda não aprenderam a ser totalmente independentes.

Os Estados Unidos são mundialmente conhecidos por suas grandes produções culturais, os grandes espetáculos da Broadway atraem espectadores de diversos lugares do mundo, assim como a indústria cinematógrafica e a musical, que possuem fans espalhados pelo mundo inteiro. Mas eles não são os únicos que sabem fazer essas coisas.

Os ingleses tiveram Shakespeare, com peças teatrais extraordinárias, antes mesmo de os americanos saberem o que era atuação. Os britânicos disseminaram o rock pelo mundo com Queens e Beatles e tantas tantas outras coisas!

Nas últimas décadas a produção cultural britânica têm se demonstrado muito desenvolvida, não que a americana esteja ficando para trás, mas certamente possui uma boa concorrente.

O fato é que os EUA estavam acostumados a ter toda a glória do cinema, dos best sellers e das séries adolescentes de televisão por um bom tempo e não gostaram nada de quando os Britânicos começaram a passar em sua frente.

Em 1997 a britânica J.K Rowling lançou um livro que mudaria a história da humanidade. Pareço presunçosa falando isso, mas é a verdade. A partir da história de um menino bruxo, a vida de uma geração inteira foi transformada. Não somente dos britânicos, de todos os jovens do mundo. Mesmo quem nunca leu ou viu Harry Potter, sabe muito bem do que se trata. Os livros bateram recordes de vendas em todos os países e a tornou mais rica do que a rainha de seu país. Depois dessa série, ela não precisa mais fazer NADA da vida e ainda vai ser rica, pode escrever só por diversão, qualquer um compra um livro que foi escrito por ela. Porque ela é J.K Rowling, mas ainda pode melhorar! Ela conseguiu que filmassem a história de seus livros e como honra ao seu país exigiu um elenco inteiramente britânico, gerando assim muito dinheiro para o cinema do país e criando muitas novas carreiras de atores que se tornariam tão bons quanto os famosos americanos e mundialmente conhecidos. Esses filmes já tiveram várias indicações ao Oscar e venceram vários prêmios secundários também, bateram recordes de bilheterias e renderam bilhões de euros para a Warner.

Não achei uma imagem dela + um livro escrito por ela.

Vendo que essa coisa de best-sellers de histórias sobre criaturas fantásticas deu certo lá no Reino Unido, a americana Stephenie Meyer teve a brilhante ideia de fazer uma saga de livros sobre vampiros, mas não vampiros maus como o famoso drácula, vampiros diferentes, brilhantes, pomposos… É. E ela conseuguiu muita fama e dinheiro também. Os livros dela também marcaram uma geração, mas mesmo depois de seus livros, Harry Potter continuou em primeiro lugar em tudo. Em 2008 adaptaram seu livro para um filme, com atores americanos ops… O vampiro principal é britânico hehe foi mau aê. Ah! E sabem da onde vocês já o conheciam? Sim! De Harry Potter! O primeiro filme, mesmo com efeitos especiais ridículos, atraiu muitos espectadores e também foi indicado e ganhou vários prêmios secundários, o segundo filme bateu recordes de bilheteria, mas não foi indicado para nenhum prêmio e o terceiro filme da série? Ah sim! Ele é o principal indicado ao prêmio “Framboesa de Ouro”, concorrendo como “Pior Filme, Pior Diretor, Pior Ator (Taylor Lautner e Robert Pattinson), Pior Atriz (Kristen Stewart), Pior Ator Coadjuvante (Jackson Rathbone), Pior Dupla ou Elenco, Pior Roteiro e Pior Sequência, Refilmagem, Prelúdio ou Derivado”

Mas parece que os americanos nem assim aprenderam a não copiar os britânicos!

E então eles inventam a grande calamidade, a coisa mais abominante e BIZARRA que eu já vi…

Skins US.

Desculpa aew se você gostou, mas se isso aconteceu é porque você nunca viu Skins UK.

Skins estreou em 2007 no Reino Unido, foi indicado a vários prêmios e chocou muita gente por mostrar a juventude como realmente é, sem pudores ou medo, sem preconceitos ou piedade. A série contava com elenco britânico e foi feita para passar somente lá, mas obteve tanto sucesso que de repente o mundo inteiro assistia e amava Skins. A primeira geração era formada por Anwar (muçulmando),  Maxxie (homossexual), Michelle (mãe se relaciona com caras mais novos), Cassie (anoréxica), Sid (pais recém divorciados) , Chris (abandonado pelos pais), Jal (negra) e Tonny (família desestruturada – sofre acidente e fica lesado) , além de vários personagens secundários. A segunda geração também tratava de vários problemas, tudo feito com graciosidade e empenho, para agradar o máximo de gente possível.

Mas novamente os Estados Unidos demonstraram sua inveja e eis que a MTV resolve fazer uma versão americana de Skins. Mas não, eles não podiam inventar uma história nova, com personagens novos etc e tal, eles tinham que refazer a primeira geração. Acabar com a primeira geração. Degradar Skins. Manchar a reputação de uma das séries que mais revolucionou. Eles não se contentaram com a fama abundante de Glee, tinham que sacanear Skins. Em Janeiro de 2011 vai ao ar o primeiro episódio. Transformaram o Sid em “Stanley”, a Cassie em “Cadie”, o Maxxie em “Tea” (SIM, UMA MULHER!!!), a Jal em “Daisy”, o Anwar em “Abbud” e a Effy em “Eura”.

Agora me diz uma coisa… Se era pra eles fazerem uma série MUITO parecida com a britânica, POR QUE TRANSFORMARAM O MAXXIE NUMA MENINA? A CASSIE NUM PROJETO DE SAPATA? O QUE FIZERAM COM SKINS?

Em contra partida, UK lançou a terceira geração. A quinta temporada da série original. Ambas estão apenas no começo, mas no final disso tudo, qual delas você acha que será mais bem recebida pelo público?

Será que não está na hora dos EUA se contentarem com todo o poder e glamour que possuem e pararem de imitar a supremacia britânica? Será que eles não se tocam que mesmo tendo um país lindo, com cidades MARAVILHOSAS, nunca chegarão aos pés de sua metrópole? Nunca vão entender que a moda de Londres será sempre melhor e que o sotaque britânico PERFEITO vai ganhar o americano de lavada, tipo… Sempre?

Sabe… Tenho pena dos americanos, porque se Portugal fosse mais decente que o Brasil, ia ser uma merda muito grande morar aqui, mas ainda assim a gente ia ter nosso senso de orgulho no lugar e ia continuar fazendo filmes sobre nossa violência etc e tal, não íamos tentar copiá-los, porque podemos ser “pobres”, podemos morar em um país emergente, podemos ser do “terceiro mundo”, mas temos bom senso e sabemos que coisas boas demais não servem para ser copiadas.

Então… Se toca Estados Unidos, vocês JAMAIS serão tão glamorosos quando o país da nossa querida Rainha Elizabeth II.

0 thoughts on “UK > US

Comentários: