Uma Mensagem à Sandy.

Ou Porque Ídolo que é Ídolo nunca deixa de Ser.

Ou Tu serás eternamente responsável pelo que cativas.

Estou meio assustada. Eu nunca assisto ao Fantástico, mas neste domingo fui chamada à sala em uma certa reportagem. A dita cuja tratava-se de Sandy, minha cantora preferida da infância, dizendo que está prestes a fazer trinta anos e lançando seu novo single. Fazia um bom tempo que eu não ouvia falar de Sandy, a última vez foi quando ela e o Júnior terminaram, lá em 2007 e eu morri de amores por “Abri os Olhos”, só porque era inspirada em poemas do Fernando Pessoa.

Estou assustada não porque a Sandy vai fazer trinta anos, mas sim pelo impacto que isso tem na minha vida.

Eu tinha uma fita cassete de Sandy e Junior de 94, o ano que eu nasci. Tinha vários CDs e tenho alguns pôsteres até hoje. Eu sabia tudo da vida deles e assisti àquele filme deles com o Didi incontáveis vezes. Eu aprendi a cantar em inglês porque queria entender o que “Love never Fails” queria dizer. Eu morro de vergonha cada vez que descubro que uma das músicas deles não eram originais, mas sim adaptações de músicas internacionais. E choro de emoção toda vez que vejo a Sandy cantar com a Andrea Bocelli.

Ao contrário da maioria das pessoas, eu não fiquei triste quando soube que eles se separariam claro que deu uma frustraçãozinha, mas a verdade é que eles já não faziam boas músicas há muito tempo. Era algo que simplesmente acabaria acontecendo.

Sandy vai fazer trinta anos e eu já tenho dezoito. Não tenho mais a fita cassete, nem os CDs e tudo que guardo são alguns pôsteres velhos e os arquivos do último cd da dupla em meu computador para ouvir de vez em quando. Ela vai fazer trinta anos e eu lembro como se fosse ontem do meu primeiro show. Ok, não sei se foi o primeiro ou o segundo, tendo em vista que eu era muito pequena e Chiquititas também veio por aqui… O fato é que eu fiz minha prima me levar para ver Sandy e Junior.

O show foi em um estádio de futebol e minha prima tinha pouco mais que dezoito anos. Fomos eu, ela, uma prima dela e uma prima de sei lá qual grau nossa. A gente estava bem longe e eu tinha que ficar na corcunda delas pra enxergar a minha musa amada e idolatrada salve salve no palco. E elas nem se importaram. E o show terminou e a prima da minha prima saiu correndo pra perto do palco, pra tentar pegar um autógrafo pra mim e foi aí que nós descobrimos que tinham roubado a carteira da minha prima, que estava com o dinheiro e os documentos de todo mundo. E eu não consegui meu autógrafo, mal consegui ver a dupla e ainda acabamos pobres. Não faço ideia de como conseguimos retornar à casa, mas chegamos vivas, caso contrário eu não estaria contando essa história pra vocês hoje. Lembro-me de ter sido um dia muito especial pra minha infância, mas não lembro de detalhes suficientes para transformar somente este fato em um texto, assim sendo, resolvi falar apenas sobre a minha dupla favorita.

Porque foram eles que me ensinaram a rebolar. Até o chão. E que me ensinaram sobre as estações do ano e basicamente tudo que eu sei sobre amor, sentimento e toda a minha base de autoajuda vem de Sandy e Junior. Meu cd preferido é o “Era uma Vez”, aquele da música que acabou virando tema da novela. E a Sandy era minha musa inspiradora porque pra mim ela era a Hilary Duff brasileira, capaz de ser boa cantora e atriz. Porque eu era criança e meu seriado preferido era “Sandy e Junior” e porque eu realmente gostava daquele filme com o Didi em que eles cantavam “Dig dig joy DIG joy boboy”, música que eu sei de cor tanto a letra quanto a coreografia. Não que eu não saiba de cor grande parte das outras.

Porque enquanto a infância de uma pá de gente foi regada de Xuxa, a minha foi regada de Sandy e Junior e Chiquititas. E a Sandy está fazendo trinta anos e dizendo ser jovem pra ser velha e velha pra ser jovem e eu tenho pensado tanto nessas coisas ultimamente que estou quase me sentindo assim.

Ando com saudades de rebobinar fitas e de assoprar o Donkey Kong do Supernintendo. Ando com saudades de ter um gravador pra eu cantar e ouvir na fita cassete depois e de ter que virar a fita pra ouvir o resto das músicas! Tenho andado com saudades de brincar de polícia e ladrão e caça ao tesouro, além do clássico esconde esconde e o mais que magnífico gato mia. Tenho tido muita saudades dessas pequenas coisas que me fazem relembrar a infância e, por mais incrível que pareça, tenho saudades do meu primeiro Cd pirata, que era de Sandy e Junior e custou míseros cinco reais e tenho absurdas saudades de limpar e encaixotar todos os CDs da casa, rumo a mais uma mudança, dançando “ah ah, vai ter que rebolaar”, aliás, acho que é por causa dessa música que é muito raro um menino me fazer de besta.

Enfim, minha musa está prestes a fazer trinta anos e eu sei que a integridade, bom senso e capacidade criativa dela andam bastante abaladas. Sei que ela já não é a coca-cola toda que costumava ser (irônico eu usar esse ditado, tendo em vista que nem acho coca cola uma coisa boa, enfim), mas, de toda e qualquer maneira, ela é a Sandy, irmã do Junior, moça boa, com cara de santa, filha do mais que magnífico Xororó, que andava com moças comedoras de Jamelão e mandava o namorado tirar a canseira longe de seu colchão desde antes de completar dez anos. Porque tem gente que pode virar uma pessoa deplorável, mas deixa marcas tão importantes nas vidas alheias, que sempre serão lembradas com carinho, não importa qual seja a ocasião e, bem, é isso que eu sinto por você, querida Sandy. Ainda mais depois que descobri que teu nome é em homenagem a Grease. Tio Xororó é mesmo um divo!

0 thoughts on “Uma Mensagem à Sandy.

  1. Eu imaginava que você era tão ACDC desde pequena, que quando vi o título do post achei que você ia era fazer uma carta revolucionária pra algo relacionado com o furacão Sandy! Olha a fama! HAHAHA, guria, me emocionei. Porque eu cresci com Sandy também, ainda tenho o CDS e sei várias músicas de cor. Muitas delas canto no chuveiro até hoje. Sandy foi a primeira grande ídola da minha vida. Eu escutava o nome dela e ia de olhinho brilhando pra frente da televisão. Fui em 2 shows da dupla, e não lembro porque cargas d’água não fui ao último.. Mas lembro que fiquei puta. Enfim, Sandy sempre vai ser importante pra mim! Beijo!

  2. Estou tão feliz de encontrar alguém que ama Sandy como eu! Eu nasci em 89, logo acompanhei Sandy desde sempre e até hoje e também não acho que ela seja mais essa coca-cola toda (também não gosto de coca!) mas continuo apaixonadíssima por quem ela é, essa educação em pessoa e me vejo virando uma fera até hoje quando vejo algum invejoso falando mal dela rs.

    Sandy musa, linda, minha eterna diva! rs

    Beijoca

Comentários: