Yemanjá – A rainha do mar

          No dia 02 de Fevereiro comemora-se o orixá Yemanjá (ou Iemanjá), parte de muitas religiões africanas e afro-brasileiras, como a Umbanda e o Candomblé. Ela é chamada por vários nomes, sendo Dona Janaína um deles.

       Yemanjá é um dos orixás mais conhecidos pelo grande público, como vemos em todas as comemorações de final de ano, onde há a tradição de pular sete ondinhas e uma série de outras coisas chamadas de “supertição“. Para os seus fiéis, porém, todas essas coisas têm grande influência em suas vidas, visto que a orixá representa o polo positivo geracional.

          A relação dela para com o mar – e a razão para as sete ondinhas, vai além do fato de o número sete ser cabalístico, uma vez que Yemanjá é considerada a rainha das águas doces e salgadas pelo povo africano Egba. Segundo a mitologia Yorubá, ela é filha de Olokun e rainha dos mares. Em alguns mitos, ela é tida como mãe de outros orixás, como Xangô. Somando isso com o fato de ela ser responsável pelo campo geracional, é comum conhecer a orixá como “Mãe de todos os orixás” e uma das principais características de seus filhos é justamente a maternidade.


iemanja3

          Yemanjá se manifesta em médiuns, que a recebem e incorporam sua energia, transmitindo mensagens e energias positivas para outras pessoas ou ainda em iniciados em seus mistérios (eleguns). O transe na energia de Yemanjá costuma ser calmo, sereno e com muitos movimentos braçais, como se fosse uma dança muito bonita. Pode haver canto semelhante ao “de sereia” em algumas das incorporações. E, dependendo do trabalho que a energia tiver vindo realizar, o transe pode ser um pouco mais agitado. O ambiente que emana essa energia costuma ser sereno e ter cheiro de praia. Estar perto da energia da mãe Yemanjá é se sentir uma sereia dessas que a gente lê em livros.

          Ela é um orixá associado aos rios e desembocaduras, fertilidade feminina, maternidade e todo o processo de gênese (tanto de pessoas quanto do próprio mundo) e é responsável também pela continuidade da vida. É regente da pesca (considerada padroeira dos pescadores), do plantio de inhames (frutos bastante importantes para a mitologia africana).

          Na umbanda, ela é representada pela cor azul e sincretizada como Nossa Senhora da Conceição (ou Nossa Senhora dos Navegantes). É por causa deste sincretismo que, no Brasil, comemora-se o dia de reverência a ela no mesmo dia em que é comemorada a reverência à Nossa Senhora dos Navegantes. Além da orixá ter uma linha de trabalho própria na religião da Umbanda, rege também a linha dos marinheiros, pescadores, sereias e demais seres que habitam o mar. Para os umbandistas, sua regência, apesar de englobar todas as águas, tem maior foco nas águas salgadas, deixando as doces sob o comando de Oxum, outra das orixás femininas – e esta sim, comemorada no dia de Nossa Senhora da Conceição. As energias de ambas são bastante semelhantes, o que causa alguma confusão para os médiuns iniciantes.

iemanja2

          Entidades regidas pela energia de Yemanjá emanam cura, regeneração e vitalidade para as pessoas que recebem seus trabalhos. Além de proteger a vida marinha, ela é responsável pela proteção da família, casamento, gestação e nascimento de bebês. Podemos ver traços de sua energia em nosso dia-a-dia quando amamos ao próximo e nos importamos com os problemas alheios como se fossem nossos ou quando nos sentimos parte de uma comunidade e nos unimos com pessoas próximas pois, além de tudo, ela é a mãe da empatia.

          As pessoas que são regidas pela energia de Yemanjá costumam ser determinadas e fortes, muito amigas e companheiras. São pessoas que serão bem resolvidas no quesito familiar, tendo uma ligação com a maternidade. Costumam ser doces, tradicionais, pouco rígidas, sentimentalmente envolventes, com muita capacidade de empatia e amantes de rotinas. São protetoras, gostam de estar no comando, querem ser respeitadas e procuram ser justas. Custam a perdoar ofensas e mesmo quando isso ocorre, elas jamais esquecem.

          Em breve falarei um pouco mais sobre alguns princípios da Umbanda (que é a religião baseada em mitologia africana com a qual tenho maior contato) para que vocês possam entender o que é “ser regido por um Orixá“, o que são os Orixás e outras coisas do tipo. Tudo de uma maneira leve, descompromissada e evitando reproduzir pré-conceitos e senso comum. Independente da religião que você professe, é sempre bom conhecer as outras que existem. E é melhor ainda quando este conhecimento não influi na sua fé, pois isso prova de que ela é bem consolidada. 

          Saravá Yemanjá. Odoyá.

 

 

Comentários: